Matérias » Mundo

O garçom que diz ser filho do antigo rei da Espanha

Albert Solà, que atende como um garçom na Catalunha, fez pesquisa sobre a possibilidade de sua realeza

Pedro Paulo Furlan, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 06/03/2022, às 09h00

Albert Solà, o espanhol que acredita ser filho do ex-rei Juan Carlos
Albert Solà, o espanhol que acredita ser filho do ex-rei Juan Carlos - Divulgação / Youtube

De acordo com sua certidão de nascimento, Albert Solà nasceu em 1956 e, como passou sua infância como órfão, o homem é parte dos mais de 300 mil bebês que perderam seus pais, ou foram separados deles, na ditadura espanhola.

No entanto, o caso de Solà é mais complicado, já que o homem acredita fielmente que é membro da família real da Espanha.

Seu pai, de acordo com ele e suas pesquisas, é o ex-rei espanhol Juan Carlos, que abdicou de seu trono após diversas polêmicas, em 2014. O maior problema em sua teoria é que, até agora, sua declaração foi completamente ignorada pela realeza, apesar de Solà já ter publicado um livro sobre o assunto.

O livro, chamado “El monarca de La Bisbal: La autobiografía del hombre que afirma ser el hijo mayor de Juan Carlos I” (‘O rei de La Bisbal: a autobiografia do homem que afirma ser o primogênito de Juan Carlos I’, em tradução livre), revela as ‘provas’ que Solà tem e defende sua tese principal, em relação a posição na família real.

O homem trabalha como garçom em um pub na pequena cidade de La Bisbal d’Empordà, na Catalunha, e conta sua história para diversos clientes, inclusive aos jornalistas da publicação The New York Times, aos quais afirmou: “É bastante simples, eu sou o filho do rei”.

O nascimento

Quando o espanhol nasceu, fora enviado a uma família pobre na ilha de Ibiza, que recebeu dinheiro para tomar conta de uma criança. Ele viveu lá até 1961. De acordo com María José Esteso Poves, que escreveu um livro sobre esses bebês ‘vendidos’ durante a ditadura, o procedimento era comum para famílias importantes.

O caso de Albert é possível já que, naquela época, quando uma mulher engravidava com uma criança que não era legítima [em casos extramaritais ou pré-casamento, por exemplo], você escondia a criança e a mandava para outras famílias”, explicou.

Solà foi enviado para a Espanha continental e passou anos vivendo em uma mansão em Barcelona, na qual recebia visitas de uma mulher mais velha, que o dava presentes — atualmente, acredita que essa era a mãe de Juan Carlos. Quando se mudou novamente, com uma família mais pobre, os presentes não sumiram.

Ao aprender a dirigir, ganhou misteriosamente uma motocicleta e um carro, além de receber tratamento preferencial quando passou pelo treinamento militar. Com todos esses aspectos se somando ao mistério em volta de seus pais de verdade, Albert Solà começou sua pesquisa e apontou aquela que seria sua verdadeira origem.

Teia de pesquisas de Albert Solà

A capa do livro de Albert Solà e Juan Carlos, o ex-rei da Espanha - Créditos: Divulgação / Amazon e Wikimedia Commons / State Chancellery of Latvia

Em 1982, o homem visitou um escritório que contava com documentos de adoção, que se mostrou extremamente hesitante em ajudá-lo na busca, contudo, o diretor do local foi direto: “Este foi o caso mais complexo na história desse centro”. Com seu nome longo, Alberto Fernando Augusto Bach Ramón, o espanhol alimentou suas hipóteses sobre o ex-rei.

Solà teve outros encontros estranhos que poderiam provar seu caso. Quando morava no México, em 1999, os diplomatas espanhóis o informaram que ele vinha de uma família muito poderosa, por exemplo.

Logo que tentou entrar na Justiça para que encontrassem seus documentos e os nomes de seus pais, o juiz Jorge Maza o teria puxado para uma sala particular, na qual informou Albert que ele era filho do rei. No entanto, Maza negou que disse algo do tipo. O número de provas a favor do garçom é quase o mesmo que as que afirmam o contrário.

Ainda assim, Solà não desistiu; ele enviou inúmeras cartas escritas a mão para o palácio da Espanha e, até hoje, não recebeu respostas. A cidade de La Bisbal, no entanto, parece convencida, chamando-o de “pequeno rei” e, como o mesmo relata, sua história é verdadeira para todos que o procuram.

O mundo inteiro vem me procurar. Não sei se é a minha aparência ou minha história, mas eles estão convencidos”, explicou ao The New York Times.

*Com informações do The New York Times