Matérias » Música

O Hino da Anistia: Como surgiu a clássica canção ‘O bêbado e a equilibrista'?

Uma das mais importantes músicas da MPB, ela contou com a interpretação de Elis Regina e composição de João Bosco e Aldir Blanc

Isabela Barreiros, sob supervisão de Alana Sousa Publicado em 22/03/2021, às 18h00

A cantora Elis Regina em 1979
A cantora Elis Regina em 1979 - Divulgação/EBC (Empresa Brasil de Comunicação)

Uma morte que aconteceu na Suíça causou um rebuliço dentro de um homem que estava em Minas Gerais em 25 de dezembro de 1977. O falecido era ninguém mais ninguém menos que a lenda do cinema Charlie Chaplin e, no Brasil, o cantor e compositor João Bosco foi quem sentiu o impacto do óbito de um dos artistas mais importantes da história.

Entre o Natal e o Ano Novo, com a cabeça já no Carnaval, João queria criar uma música que prestasse homenagem ao cineasta que tinha falecido aos 88 anos de idade. Como conta reportagem do O Globo, seus rascunhos contavam principalmente com referências a Carlitos, a conhecida figura interpretada por Chaplin.

No começo, a canção tinha como intuito homenagear o ídolo de João Bosco, o que está expresso no verso “E um bêbado trajando luto me lembrou Carlitos”. Mas ela não ficou restrita a isso: quando o compositor Aldir Blanc foi convocado para fazer parte do projeto, a música acabou trilhando novos caminhos.

“O João me chamou na casa dele e disse que havia feito um samba, cuja harmonia tinha passagens melódicas parecidas com ‘Smile’ [trilha sonora do filme 'Tempos modernos'], propositalmente construídas para que homenageássemos o cineasta”, disse Blanc à Associação Brasileira de Imprensa (ABI), tempos depois, conforme repercutido pelo O Globo.

No entanto, a ideia original acabou mudando: "Só que, casualmente, encontrei o Henfil [cartunista] e o Chico Mário [violonista e compositor], que só falavam do mano que estava no exílio. Cheguei em casa, liguei para o João e sugeri que criássemos um personagem chapliniano, que, no fundo, deplorasse a condição dos exilados. Não era a ideia original, mas ele não criou caso e disse: 'Manda bala, o problema é seu’”.

Novos rumos e alusões

Os compositores João Bosco e Aldir Blanc / Crédito: Divulgação

 

Além da referência a Charlie Chaplin, a música também narra — sutilmente, afinal, ainda estávamos em uma ditadura — alguns episódios que aconteceram no Brasil na época. A primeira linha, "Caía a tarde feito um viaduto”, já é uma alusão ao Elevado Paulo de Frontin, no Rio de Janeiro, que caiu em 1971. 

“Meu Brasil / Que sonha com a volta do irmão do Henfil / Com tanta gente que partiu” é uma poesia que relata as pessoas que foram exiladas durante o período conturbado do país. O “irmão do Henfil” é o “mano” mencionado por Blanc na entrevista: o sociólogo Herbert José de Sousa, irmão do cartunista Henfil, que passou anos em exílio.

Outra referência marcante à ditadura militar é o trecho “Chora / A nossa Pátria mãe gentil / Choram Marias e Clarisses / No solo do Brasil”. São mencionadas Maria, esposa do operário Manoel Fiel Filho e Clarisse Herzog, viúva do jornalista Vladimir Herzog

Não foi à toa que a música se tornou o “hino da Anistia”, como ficou popularmente conhecido, além de um clássico da MPB. “Liguei para Betinho [Herbert José de Sousa] e disse: agora temos um hino, e quem tem um hino faz uma revolução”, disse Henfil por telefone ao irmão, como repercutiu o portal da EBC (Empresa Brasil de Comunicação).

A voz para o hino

Elis Regina na juventude / Crédito: Wikimedia Commons/Arquivo Nacional

 

A escolhida para cantar a importante canção foi Elis Regina, que conquistava cada vez mais o Brasil com seu talento incontestável e lançou a música no EP “Essa mulher”, de 1979. “O bêbado e a equilibrista” foi tocada em inúmeras recepções de aeroportos, na espera de pessoas que estavam em exílio. 

Ainda segundo a EBC, Henfil disse: “Todas as pessoas levaram um gravador com a fita da música. Era uma tocação de ‘O bêbado e a equilibrista’. Até os policiais ficaram tocados. No mesmo dia levei meu irmão ao Anhembi para o show da Elis”.

A cantora também já sabia da importância da canção. “De repente pode ser um empurrãozinho a mais na questão. A gente não pode perder as chances, as brechas têm de ser ocupadas”, afirmou em entrevista à Rádio Nacional do Rio de Janeiro naquele ano. “Grande parcela da população anseia encontrar um Carlitos desses e sonha não ver mais nem Marias nem Clarices chorando”, concluiu.


+Saiba mais sobre a ditadura militar no Brasil por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

A Ditadura Envergonhada, de Elio Gaspari (2015) - https://amzn.to/3b1gql8

Liberdade vigiada: As relações entre a ditadura militar brasileira e o governo francês, de Paulo César Gomes (2019) - https://amzn.to/2Rta71U

Cativeiro sem fim: as Histórias dos Bebês, Crianças e Adolescentes Sequestrados Pela Ditadura Militar no Brasil, de Eduardo Reina (2019) - https://amzn.to/2JUI6vZ

1964: O Elo Perdido. O Brasil nos Arquivos do Serviço Secreto Comunista, de Mauro Kraenski e Vladimir Petrilak (2017) - https://amzn.to/2V0wCh2

Ditadura à brasileira: 1964-1985 a democracia golpeada à esquerda e à direita, de Marco Antonio Villa (2014) - https://amzn.to/2V0Apuy

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W