Matérias » Brasil

Há 157 anos, Brasil, Argentina e Uruguai assinavam o Tratado da Tríplice Aliança

No dia 1º de maio de 1865, os três países firmaram uma aliança contra o Paraguai

Redação Publicado em 01/05/2022, às 00h00

Batalha do Riachuelo
Batalha do Riachuelo - Wikimedia Commons / Oscar Pereira da Silva

No dia 1º de maio de 1865, há exatos 157 anos, o Império Brasileiro assinou, junto ao Uruguai e à Argentina, o Tratado da Tríplice Aliança, durante o conflito que ficou conhecido como a Guerra do Paraguai. 

No ano anterior, o Exército do Brasil havia invadido temporariamente o território uruguaio, levantando as suspeitas de Solano López, presidente paraguaio, de que logo seu país também seria alvo.

Foi nesse contexto que, no dia 10 de novembro, ordenou-se a apreensão do navio do Império Marquês de Olinda, que subia o Rio Paraguai na direção da província Mato Grosso. O passo seguinte seria atacar o Brasil.

Naquele mesmo ano, em 23 de dezembro, as tropas paraguaias lançaram uma ofensiva contra Mato Grosso, conquistando o território. No ano seguinte, em abril, as forças de López cruzaram solo argentino com o objetivo de atacar o Rio Grande do Sul e o Uruguai. 

Não há acordo

Segundo informações do site MultiRio, dizia-se que, na época, que Solano López imaginava que a vitória no Mato Grosso levaria o Brasil a acertar um acordo com o Paraguai.

Além disso, ele acreditava que seu país receberia apoio dos blancos uruguaios e das províncias argentinas opositoras a Mitre, de modo que se tornaria uma potência na América. No entanto, o que aconteceu a seguir foi o extremo contrário.

Solano López / Crédito: Wikimedia Commons / Desconhecido

Em 1º de maio de 1865 foi assinado o Tratado secreto da Tríplice Aliança, o qual determinava que a paz somente seria alcançada depois que o líder paraguaio fosse deposto. O documento também determinava que o Paraguai poderia ser sentenciado a pagar os altos custos decorrentes do conflito.

Como os aliados tinham um número muito maior de soldados, acreditava-se que o conflito teria curta duração. A guerra, no entanto, se estenderia até o ano de 1870, quando López foi morto na Batalha de Cerro Corá. Àquela altura, o Paraguai, que havia tido sua população dizimada, se encontrava totalmente devastado.

Exército brasileiro

Inicialmente, faziam parte do Exército imperial os soldados das milícias da Guarda Nacional de São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Mais tarde, porém, fez-se necessário o uso do recrutamento.

Soldados do Império em Nova Palmira / Crédito: Wikimedia Commons / Desconhecido

No primeiro ano da guerra, quando o conflito era visto como uma "cruzada patriótica", os brasileiros se apresentavam voluntariamente ao Exército. Contudo, o recrutamento logo se tornou compulsório.

Escravizados lutam na guerra

No 13 de dezembro de 1867, a imprensa na Corte publicou uma nota no Opinião Liberal que dizia: "Foi resolvido em Conselho de Ministros a desapropriação de 30.000 escravos para formarem um novo exército libertador do Paraguai. (...) Com tal exército, espera o governo salvar a honra do país e desagravá-lo das ofensas recebidas."

Conforme apontou a fonte, essas desapropriações acabariam por provocar uma crise na estrutura econômica do Império, a qual tinha como base a mão-de-obra escrava. Nelson Werneck Sodré, importante historiador brasileiro, considerava o processo um "estímulo implícito" para a "extinção do escravismo", o que se tornaria evidente ao final da guerra.


+Saiba mais sobre o Brasil Imperial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

O Brasil Imperial (Vol. 1), de Keila Grinberg (2010) - https://amzn.to/2yXKnV8

O Castelo de Papel: Uma história de Isabel de Bragança, princesa imperial do Brasil, e Gastão de Orléans, conde d'Eu eBook Kindle, de Mary del Priore (2013) - https://amzn.to/2xv4dXo

Nostalgia imperial: Escravidão e formação da identidade nacional no Brasil do Segundo Reinado eBook Kindle, de Ricardo Salles (2014) - https://amzn.to/2y7PuSB

Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial, de Sidney Chalhoub (2018) - https://amzn.to/2VSL7DW

Justiça Infame: Crime, Escravidão e Poder no Brasil Imperial, de Yuri Costa (2019) - https://amzn.to/2YoKpQv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W