Matérias » Curiosidades

O inacreditável caso da caçadora que matou uma girafa como 'presente'

A morte da girafa fez com que internautas e defensores da causa animal criassem petições nas redes sociais

Larissa Lopes, com supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 03/03/2021, às 17h05 - Atualizado às 17h06

Caçadora de animais comemora morte de girafa em postagem
Caçadora de animais comemora morte de girafa em postagem - Divulgação/Facebook

Proibida no Brasil desde 1967, a caça de animais é uma prática cruel que muitas pessoas ainda fazem clandestinamente. Segundo a legislação brasileira, a única espécie que pode ser caçada, dentro da lei, é o javali.

Contudo, não é bem assim em outros lugares do mundo, que nem sequer proibiram o crime ambiental. Na África do Sul, por exemplo, o ato atingiu uma girafa.

De acordo com um estudo da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), a população de girafas em todo o mundo diminuiu cerca de 40% entre os anos de 1985 e 2015, passando de 155 mil para 97 mil.

Em 2016, a mesma instituição colocou as girafas na chamada ‘Lista Vermelha’, e descreveu a espécie como “vulnerável”, fato repercutido pelo El País. Contudo, um episódio recente parece mostrar que caçadores não dão a mínima para esta realidade.

Caçadora sul-africana

No mês de fevereiro, uma mulher sul-africana postou, em sua conta no Facebook, uma série de fotos em que comemorava a morte de uma girafa. O caso foi repercutido pela revista GQ.

Trata-se de Merelize Van Der Merwe, de 32 anos, que ganhou uma experiência de caça como presente do marido, em homenagem ao Dia dos Namorados — celebrado no dia 14 de fevereiro.

Em uma das fotografias, Merelize está segurando nas mãos o coração do animal, que aparece totalmente ensanguentado. O local da foto é próximo a um resort, na África do Sul, onde a mulher também matou a girafa

“Já parou para imaginar o tamanho do coração de uma girafa? Estou sem palavras com o meu grande presente de dia dos namorados", escreveu ela em postagem. 

A reação dos internautas foi de extremo horror em relação à mulher e seu ato, bem como, alguns defensores da causa animal também manifestaram seu repúdio. A postagem em questão acumula mais de cinco mil reações, e teve uma das fotos colocada como “conteúdo sensível” pelo Facebook.

“É fácil matar quando você não sente nada. Falta-lhe o respeito básico aos animais que as pessoas que caçam para sobreviver têm”, comentou outra pessoa.

E não parou por aí: a caçadora exibiu o episódio de caça à girafa diversas vezes em outras publicações. Uma delas é um vídeo, em que é possível ver a mão de um homem segurando o coração e cortando partes do órgão com uma faca.

Imagem do vídeo em que um homem corta o coração da girafa / Crédito: Divulgação/Facebook

 

A atitude de Merelize e seu marido foi além dos comentários de repulsa, e fez com que os internautas criassem petições, que foram compartilhadas na rede social. A mulher compartilhou uma delas — cujo link não está mais disponível — e comentou: “Nova petição contra mim [emojis de risada]”.

Merelize é dona de uma página no Facebook em que se denomina ‘figura pública’, onde tem quase 100 mil seguidores. Na descrição do perfil, ela adicionou a frase: “Caçar não é apenas algo que eu faço, é quem eu sou, a África não é apenas onde eu moro, é minha casa. Faça a viagem comigo”.

Em entrevista ao jornal britânico The Mirror, a caçadora revelou que chegou a receber ameaças de morte e invasões em sua conta de e-mail. Para ela, sua ação foi dentro da lei e, ainda, afirmou que "se a caça for banida, esses animais vão deixar de ter valor e desaparecer".

De acordo com ela, a jornada como caçadora já tirou a vida de quinhentos animais, entre leões, leopardos, elefantes — e agora uma girafa.