Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Entretenimento

O inusitado motivo que fez o Led Zeppelin ser expulso de Singapura

Durante seu auge, em 1972, a banda não recebeu nem mesmo permissão para deixar o avião ao pousar no aeroporto

Redação Publicado em 18/06/2022, às 13h00

Capa do disco "Studio Haze" (1996) do Led Zeppelin - Divulgação/Laughing Skull – T 33-1/2
Capa do disco "Studio Haze" (1996) do Led Zeppelin - Divulgação/Laughing Skull – T 33-1/2

O Led Zeppelin estava vivendo seu auge no começo da década de 1970. Depois de lançar três álbuns autointitulados que receberam excelentes críticas e ter “Stairway to Heaven” tocando em todas as rádios, a banda pensou que nada pudesse pará-la.

Também pensou que todos os países a receberia de braços abertos, sob a gigantesca expectativa de ter um de seus lendários shows. Afinal, eram alguns dos artistas mais requisitados do mundo naquela época.

O grupo se surpreendeu, no entanto, quando pousou no aeroporto de um país da Ásia e descobriu que nem todos estavam tão interessados assim em abraçá-los. Na verdade, os músicos chegaram a ser expulsos e não puderam nem mesmo deixar o avião.

Pousando em Singapura

Segundo a revista britânica Far Out, o Led Zeppelin deveria se apresentar em um local ao ar livre em Singapura em 14 de fevereiro de 1972. Mas, quando chegou no aeroporto com seu jato particular, recebeu a inusitada notícia de que não poderia ficar no país.

Robert Plant, Jimmy Page, John Bonham e John Paul Jones provavelmente esperavam sair do jatinho, passar pela pista de pouso e chegar na alfândega, onde teriam uma recepção que faria jus às estrelas do rock que eram — um verdadeiro tratamento VIP.

Mas a realidade não poderia ter sido mais diferente. Na verdade, os artistas mal pisaram para fora do avião do qual vieram e já foram parados pelo controle de fronteira, que negou a entrada deles em Singapura.

No livro “Hammer of the Gods: The Led Zeppelin Saga” (1985), o jornalista musical Stephen Davis, descreveu esse “perrengue”:

“Não só o Led Zeppelin não foi autorizado a entrar no país, como também foi recusada a permissão para sair do avião e tiveram que voar de volta para Londres”.

Qual o motivo?

Ainda que a banda tenha uma reputação de “caos e libertinagem” e Jimmy Page até mesmo tenha uma relação bastante íntima com adoração satânica e ocultismo, o motivo pelo qual o Led Zeppelin foi impedido de entrar na nação foi bem menos intenso que isso.

Os músicos não foram bem recebidos no país por conta de seus longos cabelos cacheados, parte da estética hippie que predominava no Ocidente naquele período.

A recém-independente Singapura tentava driblar o antiautoritarismo contracultural do movimento, em uma movimentação para evitar uma revolução cultural no país que buscava se solidificar como uma potência líder pós-colonial.

Por isso, as autoridades singapurenses lançaram uma campanha contra tudo aquilo que consideravam ser a “cultura das drogas” ocidental, vista como uma ameaça à ordem social, — incluindo o cabelo comprido abaixo dos ombros.

Ter cabelo comprido fez com que muitos visitantes tivessem que voltar para casa. Se realmente precisassem entrar no país, eram solicitados a cortar a juba. Muitos o faziam, mas outros apenas realizavam o caminho contrário novamente.

Além de Led Zeppelin, o cantor britânico Cliff Richard também foi proibido de entrar em Singapura no mesmo ano por ter cabelos cacheados na altura do ombro. A situação melhorou desde a década de 1970, mas foi só em 2013 que Robert Plant fez seu primeiro show solo no país.