Matérias » Coronavírus

O laboratório chinês que tem sido alvo dos EUA

O instituto está no foco das investigações sobre a origem do novo coronavírus no país asiático

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 05/06/2021, às 08h00

Representação artística do novo coronavírus
Representação artística do novo coronavírus - Divulgação/Pixabay

Um relatório resultante de uma viagem de cientistas à China foi publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em março deste ano. Em 120 páginas, o documento relata os dados obtidos por pesquisadores em hospitais, mercados e laboratórios chineses.

O principal objetivo da viagem era entender qual a origem do novo coronavírus, que já matou cerca de 3,7 milhões de pessoas em todo o mundo. Embora a finalidade da pesquisa estivesse clara, ainda existem muitas dúvidas sobre o que pode ter originado o vírus.

Segundo o relatório, é ‘muito provável’ que ele tenha sido levado de morcegos para humanos através de um animal que agiu como intermediário. Assim, atestou-se a hipótese da Covid-19 ter uma origem animal. 

“Apesar de vírus semelhantes terem sido encontrados em morcegos, a distância evolucionária entre esses vírus e o Sars-CoV-2 é estimada em várias décadas, sugerindo um elo perdido. O cenário que prevê um hospedeiro intermediário é considerado de provável a muito provável", lê-se no relatório, conforme repercutido pelo site Terra.

Mesmo que inúmeros especialistas tenham sido enviados para investigar a origem do novo coronavírus na China, ainda existem muitas dúvidas. Pouco tempo depois do relatório ter sido publicado, o próprio diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu que mais estudos fossem realizados pela equipe.

“No que diz respeito à OMS, todas as hipóteses permanecem em jogo. Este relatório é um começo muito importante, mas não é o fim. Ainda não encontramos a fonte do vírus e devemos continuar seguindo a ciência e não deixar pedra sobre pedra”, afirmou Ghebreyesus. 

Uma hipótese ‘extremamente improvável’

Imagem meramente ilustrativa de um teste de Covid-19 / Crédito: Divulgação / Pixabay

 

Há uma teoria que se reacende em momentos específicos desde o começo da pandemia de covid-19, que persiste há mais de um ano. No final do último mês, uma reportagem do jornal americano The Wall Street Journal novamente levantou a hipótese de a pandemia ter começado após um erro de um laboratório em Wuhan, que permitiu que o vírus escapasse. 

A polêmica fez com que o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciasse uma nova investigação para encontrar evidências sobre a origem do coronavírus. A ideia é examinar o Instituto de Virologia de Wuhan, principal foco da teoria que sugere que o vírus foi criado em laboratório.

O instituto é um dos mais importantes de toda a Ásia, abrigando notáveis estudos de virologia, microbiologia aplicada e biotecnologia. Como informa a própria instituição em seu portal, "o estudo patogênico de doenças infecciosas emergentes tornou-se um dos principais campos de pesquisa" nos últimos anos.

No local, segundo informou a BBC News, são realizadas pesquisas envolvendo animais, a exemplo de morcegos, e outros patógenos que ainda não possuem tratamento ou vacinas. O propósito é estudar esses vírus antes que eles possam se tornar pandemias.

É importante mencionar ainda que o Instituto de Virologia de Wuhan utiliza uma técnica de pesquisa específica, conhecida como ganho de função. À BBC, Richard H. Ebright, biólogo molecular da Rutgers University, em Nova Jersey (EUA), explicou que “a pesquisa de ganho de função cria novos patógenos, que não existem na natureza, e que apresentam o risco de criar novas doenças, seja acidental ou deliberadamente."

"O ganho de função aumenta as habilidades do patógeno, como sua transmissibilidade, letalidade ou capacidade de superar uma resposta imune a vacinas e medicamentos", apontou.

O governo da China continua rebatendo as críticas categoricamente. "Alguns nos Estados Unidos espalham teorias de conspiração e informações falsas, como a hipótese de um erro de laboratório", declarou Zhao Lijian, porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, à imprensa.  

No relatório da OMS, os pesquisadores escrevem que é "extremamente improvável" que o vírus tenha se disseminado pelo mundo a partir de um incidente no  laboratório chinês.

Ainda assim, novas investigações serão realizadas para que se possa entender a origem do novo coronavírus. Uma dúvida que persiste há mais de um ano, cientistas querem finalmente colocar o ponto final na questão.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Balbúrdias na Quarentena, de Luísa Nogueira (2021) - https://amzn.to/31mx9w3

Medicina Macabra, de Morris Thomas (2020) - https://amzn.to/2RzES5S

Medicina Dos Horrores: A História De Joseph Lister, O Homem Que Revolucionou O Apavorante Mundo Das Cirurgias Do Século XIX, de Lindsey Fitzharris (2019) - https://amzn.to/2uEVDDw

Cambridge - História da Medicina, de Roy Porter (2008) - https://amzn.to/38ZeyHN

Doenças que mudaram a história, de Guido Carlos Levi (2018) - https://amzn.to/33woA1R

A grande mortandade, de John Kelly (2011) - https://amzn.to/2vsqnZa

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W