Matérias » Mundo

O marido decidia: A curiosa vida antes da comunhão de bens

Até meados do século passado, era reservada ao marido a decisão do que fazer com a riqueza da mulher, mesmo antes do casamento

Redação Publicado em 22/08/2021, às 08h00

Pintura 'Um casal namorador', de Jean Henri de Coene
Pintura 'Um casal namorador', de Jean Henri de Coene - Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

Se hoje as mulheres ainda têm um caminho a percorrer para conquistar direitos iguais aos dos homens, imagine como era a situação há 100 anos. A distinção entre os gêneros era ainda mais expressiva, sobretudo no que diz respeito ao casamento.

Até 1915, o Código Civil, assinado pelo marechal Deodoro da Fonseca em 1890, garantia ao marido o direito de administrar e usufruir “de todos os bens, inclusive dos que tivessem sido trazidos pela esposa no contrato de casamento”, afirma o texto 'Recônditos do Mundo Feminino', das historiadoras Marina Maluf e Maria Lúcia Mott na coleção 'História da Vida Privada no Brasil'.

Ou seja, você, leitora, era a feliz proprietária de uma casa na praia, por exemplo, e resolveu casar-se. As decisões a respeito do que seria feito com aquele bem passavam a ser um direito do seu marido. Sem que você tivesse chance de se opor, a sua carametade poderia reformar, alugar ou até vender o imóvel.

Em 1916, um novo Código Civil determinaria que a manutenção da família era responsabilidade dos cônjuges e não apenas do “chefe”, o homem. No entanto, de acordo com as autoras, “uma perversão jurídica” mantinha a submissão da esposa ao marido e determinava que a mulher só poderia trabalhar caso o homem deixasse. Uma discriminação que ainda persiste em alguns países, como Síria, Irã e Bolívia.

Na prática, a Justiça aceitava que era direito do homem apropriar-se e distribuir os recursos materiais da família. E aquelas mulheres que eventualmente se rebelassem enfrentavam um risco assustador: era considerado “legítimo” o uso de violência desde que não fosse “excessiva”.

É verdade que o Código Civil de 1916 já levantava a possibilidade de se firmar um acordo pré-nupcial, que poderia determinar como os bens seriam administrados. Mas acordos assim eram raros. O homem é quem mandava, com poucas exceções.

Só em 1977, com a lei do divórcio — até então as pessoas se desquitavam, o que as impedia de se casar novamente —, foi formalizada a comunhão parcial de bens. Ou seja, o que o homem e a mulheres possuíssem antes do matrimônio continuaria a pertencer a cada um. O que fosse adquirido no casamento passaria a pertencer aos dois. É claro, sempre foi possível firmar acordos que determinassem outras formas de posse.

Discutir quem fica com o dinheiro e quem não fica quando os noivos se sentem como dois pombinhos apaixonados costuma ser visto como algo tão pouco charmoso como palitar os dentes durante um jantar à luz de velas. Mas os especialistas lembram que acordos pré-nupciais podem ser fundamentais para evitar infelicidades futuras.

“É um instrumento importante para evitar conflitos, principalmente quando o casamento se dá entre casais de nível sociocultural ou socioeconômico muito diferentes”, afirma o advogado Rodrigo Tubino Veloso, coordenador da Comissão de Direitos e Prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo.


+Saiba mais sobre o casamento através de grandes obras disponíveis na Amazon:

A História do Casamento, de John Bevere e Lisa Bevere (2015) - https://amzn.to/3gfzKzC

As quatro estações do casamento, de Gary Chapman (2006) - https://amzn.to/2WdKnMD

A equação do casamento, de Luiz Hanns (2013) - https://amzn.to/3mnqAVA

15 lições para transformar seu casamento, de David Merkh e Carol Sue Merkh (2020) - https://amzn.to/3k7Xln7

As cinco linguagens do amor, de Gary Chapman (2013) - https://amzn.to/380NnhG

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W