Matérias » Personagem

O médico brasileiro que examinou o cadáver de seu maior ídolo, Elvis Presley

Raul Lamim, nascido em Juiz de Fora, foi surpreendido ao encontrar seu astro favorito na mesa de necrópsia

André Nogueira Publicado em 18/02/2020, às 10h25

O médico e o morto
O médico e o morto - Divulgação/Youtube

Um médico brasileiro que trabalhava na cidade de Memphis, no Tennessee, ficou eufórico ao descobrir que seu maior ídolo, Elvis Presley, pesaria pela cidade em sua turnê. Raul Lamim pretendia convidar todos os fãs para irem juntos a um dos shows.

Ao mesmo tempo, o médico mineiro estava energético devido a defesa que faria de um mestrado, passando boa parte do seu dia ou no plantão da residência ou da biblioteca, estudando. Como consequência, em 16 de agosto de 1977, ele realizava os mesmos procedimentos de sempre: saiu da biblioteca com alguns livros, passou na secretaria de necropsia para pegar o pager e voltava para casa. Porém, ele foi contatado naquele mesmo momento.

Uma das funcionárias da área pediu para ele ficar: havia uma necropsia de emergência para ser realizada, em um corpo que sofrera uma drástica overdose: era ninguém menos que o próprio Rei do Rock.

"Quando ela disse que o corpo era o do Elvis, achei que estivesse de brincadeira. Mas, quando vi carros da polícia e caminhões de TV estacionando do lado de fora, não tive dúvidas: havia acontecido algo de errado", relatou o médico ao portal G1.

Elvis Presley / Crédito: Wikimedia Commons

 

Ao entrar na sala de necropsia, o brasileiro se deparou com suas coisas: o patologista-chefe do hospital, Thomas McChesney, e o corpo azulado do cantor, com claros sinais de sufocamento no momento da morte.

Elvis havia sido encontrado duas horas antes, trancado no banheiro de sua mansão na cidade, por sua noiva Ginger Alden, que relatou que o Rei tomara diversos calmantes durante a noite anterior.

Anteriormente, Elvis teria comido sorvete e depois alertado que iria ao banheiro para ler e relaxar. Aquela foi a última vez que foi visto com vida, pois pouco tempo depois, ginger ouviu um som de uma queda e foi chamá-lo no cômodo, sem receber resposta.

Um das poucas imagens de Elvis apagado / Crédito: Divulgação/YouTube

 

Ao abrir o banheiro, lá estava o ícone deitado no chão, morto e ao lado do livro A busca científica do rosto de Jesus, de Frank Adams, sobre o Santo Sudário. Segundo Dr. Lamim, Elvis teria caído no sono em uma posição que impediu sua respiração, provocando morte por asfixia, aos 42 anos.

Foi chamada uma ambulância enquanto seu médico pessoal tentava fazê-lo retornar com massagens cardiorrespiratórias. Elvis foi declarado morto às 15h30, antes de chegar ao hospital Baptist Memorial.

Raul foi um dos principais responsáveis pela elucidação do caso de Elvis ao público, refutando diversas teorias da conspiração onde era afirmado que ele não havia morrido ou teria sido vítima de overdose ou envenenamento. "O exame toxicológico não encontrou vestígios de veneno ou de drogas ilícitas no organismo do cantor”, ele afirmou em pronunciamento.

Hospital Batista atualmente / Crédito: Wikimedia Commons

 

No entanto, Raul sabia que drogas lícitas e farmacológicas faziam parte do cotidiano de Presley. "Elvis dormia e acordava à base de remédios". O exame post mortem revelou 14 substâncias diferentes em seu corpo.

"Quarenta anos depois, a sensação que fica é de espanto. Quando eu poderia imaginar que aquilo fosse acontecer? Nunca imaginei que, um dia, encontraria meu ídolo da juventude em uma mesa de necrotério. Uma pessoa tão idolatrada e, ao mesmo tempo, como outra qualquer", reflete o médico.


+Saiba mais sobre Elvis através das obras abaixo

Elvis Presley, de Hourly History (2018) - https://amzn.to/39BL03K

Elvis Presley, de Gillian G. Gaar (2016) - https://amzn.to/2HryhEK

Careless Love, de Peter Guralnick (2000) - https://amzn.to/2HryiZk

Elvis: My Best Man, de  George Klein e Chuck Crisafulli (2011) - https://amzn.to/2SOwHC3

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.