Matérias » Egito Antigo

O mistério por trás da tumba da rainha Nefertiti

Depois de simplesmente desaparecer dos registros egípcios, a sacerdotisa não teve sua múmia e sarcófago apontados

Isabela Barreiros Publicado em 02/10/2020, às 08h00

Representação do busto de Nefertiti
Representação do busto de Nefertiti - Getty Images

O Egito Antigo possui mistérios que não foram e provavelmente nunca serão solucionados. A falta de registros de períodos históricos específicos, nos quais personagens importantes simplesmente aparentam ter desaparecido, fazem com que muitas incógnitas ainda permaneçam na história da civilização antiga.

Entre a causa da morte de Tutancâmon, o reinado de Cleópatra e o destino do corpo de Nefertiti, ainda há muito a ser desvendado. O último caso mostra-se ainda mais interessante quando percebemos que o destino da icônica rainha ainda permanece como desconhecido até mesmo para quem a estuda à fundo.

Rainha como divindade

Representação de Akhenaten, Nefertiti e seus filhos / Crédito: Getty Images

 

A sacerdotisa provavelmente foi uma das figuras mais notáveis de todas as dinastias do Egito Antigo. A rainha e seu marido Aquenáton foram responsáveis por uma reforma religiosa que estabelceu uma crença que acreditava em apenas um deus, diferente do que acontecia antes na região, que era politeísta.

A partir disso, os dois passaram a ser considerados divindades para o povo egípcio. A popularidade da rainha, que já era amada pela população, decolou. Segundo a historiadora Deborah Vess, da Universidade de Geórgia, nos Estados Unidos, "Nefertiti contava com grande empatia e carisma entre a população, dando alguma popularidade ao culto de Aton, combatido pelos poderosos sacerdotes egípcios, que preferiam os deuses tradicionais".

Nefertiti, portanto, tornou-se uma própria deusa encarnada. Mesmo que sua personalidade não tivesse tanto alcance com os egípcios, no próprio governo ela era tida como uma pessoa capaz de opinar e mudar as regras do jogo. Imagens das paredes dos templos da realeza passaram a demonstrá-la cada vez maior até , enfim, alcançar o tamaho de Aquenáton, o que indica que seu status também aumentou. 

Portanto, é possível imaginar o impacto que a morte da rainha deve ter causado. No Egito Antigo, o falecimento de uma figura de tamanho impacto faria com que ela fosse mumificada e guardada em um túmulo grandioso, possivelmente em uma pirâmide que demonstrasse seu poder.

Desaparecimento dos registros

O busto de Nefertiti / Crédito: Getty Images

 

Mas a verdade é que isso não aconteceu bem assim. Quando seu marido, o faraó, faleceu, sugere-se que ela tenha assumido o poder na dinastia. Registros em pedras encontrados por egiptólogos indicam que a região começou a ser governada por um rei de nome Nefernefruaton, possivelmente Nefertiti

Ainda assim, as evidências não são suficientes para sustentar essa história. Três anos depois das maiores decisões tomadas pelo então faraó, — a de reverter as mudanças feitas na religião —, a sacerdotisa simplesmente desaparece dos registros. Quem assume depois é o famoso Tutancâmon, o faraó menino.

É provável que ela tenha morrido nesse período, mas tanto a causa da morte quanto o destino de seu corpo nunca foram elucidados por pesquisadores. O que se aponta como uma das causas do desconhecimento de sua tumba é o fato de que adoradores da antiga religião foram perseguidos, o que causou a destruição de muitos templos, inclusive o de Nefertiti

Especulações e novas investigações

Em 2003, a egiptóloga americana, Joann Fletcher afirmou que havia encontrado a múmia da rainha na tumba KV35, localizada no Vale dos Reis. O local guardava inúmeros corpos mumificados de membros da família faraônica. No entanto, ela foi logo desmentida por Zahi Hawass, então secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades Egípcias. 

Em novembro do ano passado, o próprio egiptólogo anunciou que possivelmente havia identificado a múmia de Nefertiti. Na época, afirmou: “usando técnicas modernas de DNA, estamos examinando as duas múmias rainhas encontradas no KV 21 porque uma delas, a sem cabeça, pode ser de Anquesenamom devido aos estudos preliminares. Também suspeitamos que a outra múmia KV 21 possa ser de Nefertiti”. 

Ainda não temos mais informações sobre como essas análises estão indo, mas outras investigações sobre a tumba da sacerdotisa também estão sendo realizadas. No último ano, arqueólogo britânico Nicholas Reeves desenvolveu a hipótese que a tumba de Tutancâmon na verdade havia sido construída para abrigá-la depois de sua morte.

Estátua dourada creditada ao faraó Tutancâmon, mas que supostamente representa Nefertiti / Crédito: Getty Images

 

Para ele, a presença de seios e rosto feminino na máscara mortuária dourada de Tutancâmon pode indicar que o artefato foi feito originalmente para a rainha egípcia. 

Outra descoberta feita no começo deste ano sobre o possível destino de Nefertiti também chamou a atenção do público. Uma equipe de arqueólogos liderados pelo ex-ministro egípcio de antiguidades, Mamdouh Eldamaty, descobriu uma câmara escondida próxima a tumba do rei Tut. Segundo os pesquisadores, é possível que lá estejam os restos perdidos de Nefertiti. Até agora, porém, não se sabe como está o andamento da pesquisa que investiga o caso.


+Saiba mais sobre Nefertiti e Egito Antigo através dos livros disponíveis na Amazon Brasil:

Nefertiti, Anna Cristina Ferreira de Souza (2012) - https://amzn.to/34wpJGf

Nefertiti, Michelle Moran (2009) - https://amzn.to/2XXbbgy

História do Egito Antigo, Nicolas Grimal (2012) - https://amzn.to/33tNZHV

Antigo Egito, Glen Johnstone (2007) - https://amzn.to/2qLewDo

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7