Matérias » Personagem

A história de Ed Dwight, o primeiro astronauta negro da Nasa

No ano de 1962, Dwight entrou para o programa de treinamento de aeronautas e tornou-se uma grande estrela; mas, ao contrário das expectativas, ele jamais foi à Lua

Giovanna Gomes, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 19/03/2021, às 08h00

Ed Dwight
Ed Dwight - Divulgação/CBS

Era a década de 1960 e o mundo estava dividido entre aqueles que apoiavam os EUA e aqueles que estavam com a URSS. Em meio à enorme disputa, os americanos consideraram importante mostrar o quão avançados eram e o quão boa era a sua democracia. Para isso, era necessário levar uma pessoa não branca ao espaço.

Segundo uma matério do O Globo, a ideia foi apresentada por Edward R. Murrow, então diretor da Agência de Informações dos Estados Unidos, ao presidente Kennedyno ano de 1972. Este, por sua vez, comunicou seu vice, Lyndon B. Johnson.

Na época, o assessor de Johnson, chamado George Reedy, declarou: "Não pode haver dúvida do tremendo valor para os Estados Unidos de ter um negro como astronauta em um voo espacial".

Contudo, considerou que era preciso “descartar a ideia de que a NASA poderia apenas encontrar um negro, agarrá-lo, e fazer dele um candidato a astronauta”. Era preciso encontrar alguém preparado para desempenhar a função.

Kennedy ao lado do vice, Johnson - Crédito: Domínio Público

 

Grande promessa

A escolha final foi Ed Dwight, formado em aeronáutica pela Universidade do Estado do Arizona. Ele havia se alistado na Força Aérea no ano de 1953, onde rapidamente subiu de hierarquia, tornando-se primeiro tenente.

Assim, quando os instrutores estavam ausentes, era ele quem ministrava as aulas de treinamento de instrumentos. Além disso, seu currículo ainda contava com cursos de engenharia eletrônica e cálculo.

Certa vez, um tenente-coronel disse que a “agressividade de Dwight, aliada à sua capacidade ilimitada" o colocava "em categoria excelente para um jovem oficial”. Um outro superior também declarou que "não hesitaria em nomear o tenente Dwight para me representar ou para representar as Força Aérea como profissional de relações públicas”. 

E foi assim que Ed entrou para o programa de treinamento de astronautas em Edwards. Além disso, passou a realizar uma série de palestras em escolas de todo o país para incentivar crianças negras a estudar o que quisessem, fosse engenharia, matemática ou qualquer outra áerea. Ele era a prova de que, por mais que uma sociedade racista dissesse o contrário, um negro poderia ser até mesmo um astronauta.

Dwight hoje trabalha como escultor - Crédito: Divulgação/CBS

Racismo

Contudo desde o primeiro dia de Dwight em Edwards, o coronel Yeager deixou claro que ele não era bem-vindo. O jovem soube, por meio de um colega, de uma fala do superior aos demais integrantes: "Podemos tirá-lo daqui em seis meses. Nós podemos quebrá-lo”, teria dito o homem.

Mas além das falas de seu superior, o astronauta ainda teve de lidar com o racismo quando chegava nos estabelecimentos comerciais. Era comum que, durante as viagens de treinamento garçons se recusassem a servi-lo e que as reservas em hotéis sumissem. Por outro lado, também o fato de ser famoso e, ao contrário de seus colegas, ter de realizar entrevistas, o atrapalhava.

Segundo Ed, toda semana, Yeager o chamava em seu escritório e dizia: "Você está pronto para desistir? Isso é demais para você e você vai se matar, garoto”.

A morte de Kennedy causou um grande impacto na carreira do astronauta - Crédito: Wikimedia Commons

Mas ele não desistiu e conseguiu o certificado que precisava para ser finalmente um astronauta.

Contudo, quando chegou o dia de anunciar os 14 selecionados para o grupo de astronautas que iriam à Lua, em outubro de 1963, Ed não estava na lista, mas manteve as esperanças de ser chamado na seleção seguinte, em 1965.

Entretanto, com a morte do presidente Kennedyno dia 22 de novembro de 1963, seu sonho foi interrompido, já que todo apoio que ele tinha de repente desapareceu. Em 1966, o homem que era a grande promessa para ser o primeiro astronauta negro a pisar na Lua se aposentou.

A Nasa, no entanto, jamais explicou o motivo de Dwight não ter sido convocado.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon

Picturing Apollo 11: Rare Views and Undiscovered Moments (Edição Inglês), de J. L. Pickering e John Bisney (2019) - https://amzn.to/2UcNKiD

NASA Mission AS-506 Apollo 11 Owners' Workshop Manual: 50th Anniversary of 1st Moon Landing (Edição Inglês), de Christopher Riley e Philip Dolling (2019) - https://amzn.to/2AEMRbO

Moonshot: The Flight of Apollo 11 (Edição Inglês), de Brian Floca (2019) - https://amzn.to/2XA5LK0

Moonfire - the epic journey of apollo 11 (Edição Inglês), de Colum Mccann (2020) - https://amzn.to/3ePsCqA

Moonbound: Apollo 11 and the Dream of Spaceflight (Edição Inglês), de Jonathan Fetter-Vorm (2019) - https://amzn.to/2Ue8iHo

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W