Matérias » Curiosidades

O que aconteceu com o cadáver de Hitler?

Após dar um tiro em sua própria têmpora direita, seu corpo percorreu por diversos lugares até que lhe fosse dado um fim definitivo

Fabio Previdelli Publicado em 04/10/2019, às 13h41

None
- Reprodução

Nas primeiras horas da manhã de 29 de abril de 1945, Adolf Hitler se casou com sua namorada de longa data, Eva Braun. O matrimônio aconteceu na sala de mapas de seu bunker subterrâneo em Berlim. O conselheiro municipal Walter Wagner realizou a cerimônia, já o Ministro da Propaganda Josef Göebbels e o secretário particular do chanceler, Martin Bormann, atuaram como testemunhas.

Após o evento, Hitler organizou um pequeno almoço de recepção com sua nova esposa e, por volta de 4 horas da manhã, levou o secretário Traudl Junge para outra sala, onde ditou sua última vontade e seu testamento.

No dia seguinte, quando o Exército Vermelho marchou para a capital alemã, o general Helmuth Weidling, comandante da Área de Defesa de Berlim, disse a Hitler que as forças de defesa provavelmente ficariam sem munição até o final da noite. Após o almoço, Hitler e Braun se despediram dos outros oficiais nazistas de alto escalão que ocupavam o Führerbunker. Por volta das 14h30, o casal entrou no escritório e fechou a porta. Passado uma hora, um tiro foi ouvido.

Jornal noticiando a morte de Hitler / Crédito: Reprodução 


Imediatamente, Bormann e outros oficiais correram para o local e lá encontraram os corpos, já sem vida, caídos em um pequeno sofá. A têmpora direita de Hitler estava pingando sangue e sua pistola estava aos seus pés. Eva não tinha feridas visíveis, mas o cheiro de amêndoas da sala evidenciava um sinal de envenenamento por cianeto.

Os corpos foram carregados pela saída de emergência do bunker. No jardim bombardeado atrás da Chancelaria do Reich, os soldados evolveram o Führer em uma bandeira nazista, banharam os corpos com gasolina e os incendiaram. Embora os cadáveresnão tenham sido completamente destruídos, o fogo acabou cessando no início da noite. O que sobrou foi jogado em uma cratera rasa e encoberto. 

“Tenente-coronel, há pernas aqui”

Na manhã de 2 de maio, Ivan Churakov, um soldado do Exército Soviético, notou um trecho de solo recentemente virado enquanto ele e o 79º Corpo de Fuzileiros revistavam a Chancelaria. Ele cavou o lugar imaginando que poderia descobrir algum tesouro nazista, em vez disso, bateu com sua pá em um pedaço de osso. “Tenente-coronel, há pernas aqui”.

Foi ordenada uma exumação e os soldados desenterraram os corpos de dois cães (supostamente o pastor alemão de Hitler e um de seus filhotes) e os restos gravemente queimados de duas pessoas. Uma autópsia foi realizada alguns dias depois e o corpo de Hitler foi transferido para um túmulo fora de Berlim. Esse seria a primeira entre as várias viagens que os restos fariam.

Soldados vasculhando o jardim da Chancelaria do Reich, onde os corpos de Hitler e Eva Braun foram queimados após o suicídio / Crédito: Reprodução


No inicio de junho daquele ano, os soviéticos reenterraram o corpo em uma floresta local. Oito meses depois eles transferiram novamente, desta vez, para a guarnição do Exército Soviético em Magdeburgo. Lá permaneceu até 1970, quando os soviéticos abandonaram o lugar e o entregou ao governo civil da Alemanha Oriental.

O fim resumido a cinzas

Sob o controle soviético, os restos mortais de Hitler poderiam ser mantidos em segredo, e o acesso físico a eles seriamente limitado. Os líderes soviéticos temiam que, se o corpo fosse deixado na guarnição ou enterrado em outro lugar que não estivesse sob seu olhar atento, o túmulo se tornaria um santuário para os neonazistas.

Yuri Andropov, diretor da KGB, decidiu que os restos mortais deveriam ser destruídos e autorizou uma operação para descartar o corpo. As únicas coisas mantidas foram fragmentos de um maxilar e o crânio, que foram armazenados em prédio do governo em Moscou. Andropov designou Vladimir Gumenyuk, um oficial da KGB, para liderar uma equipe de três pessoas que se responsabilizaria para escolher um local secreto para o descanso final dos restos mortais de Hitler. 

A guarnição soviética estava cercada por arranha-céus construídos na Alemanha, então a equipe de Gumenyuk montou uma barraca sobre o local onde os ossos foram enterrados para evitar serem vistos. Depois de algumas escavações sem resultados, a equipe percebeu que tinha contado 45 metros em vez de 45 passos de uma coordenada secreta enquanto seguia as instruções para o cadáver. Eles colocaram a terra de volta, mudaram a tenda e começaram de novo.

Disfarçados de pescadores, seguiram em direção as montanhas, parando em um penhasco ao longo de um pequeno riacho. Lá, em um lugar protegido por árvores, eles ascenderam duas fogueiras. Em uma era preparada uma sopa, na outra, os restos.

Soldados examinam um sofá manchado de sangue localizado dentro do bunker de Hitler / Crédito: Reprodução


Gumenyuk considerou a segunda cremação como um desperdício de gasolina, mas os restos foram finalmente reduzidos a cinzas. Eles os recolheram em uma mochila, que Vladimir levou para o penhasco e jogou ao vento. Assim, um dos maiores ditadores da história desapareceu, em uma nuvem de poeira ao vento.

Apesar das grandes quantias de dinheiro que lhe foram oferecidas para revelar a localização, Vladimir Gumenyuk prometeu levar seu segredo para o túmulo, com medo de que a floresta pacífica se tornasse um local de peregrinação. "Vinte segundos - e o trabalho foi feito", revelou em uma entrevista ao The Sun. "Foi apenas o último voo do Führer."


Saiba mais sobre a insólita trajetória de Adolf Hitler 

A mente de Adolf Hitler, Walter C. Langer, 2018 

Link: https://amzn.to/2ARwc1t

High Hitler, Norman Ohler, 2017 

Link: https://amzn.to/2VwxNn3

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível de produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.