Matérias » Idade Média

Gárgulas obscenas: entenda porque elas adornam catedrais medievais

Contra o pecado, as estruturas absurdas faziam total sentido numa igreja medieval

Thiago Lincolins Publicado em 10/01/2020, às 09h00

Uma das figuras insólitas na Igreja de St Pierre de Dreux, na França
Uma das figuras insólitas na Igreja de St Pierre de Dreux, na França - Reprodução

Representando humanos ou monstros, as gárgulas — feminino — eram figuras grotescas típicas da arquitetura gótica.

Gárgula vem do francês gargouille, gargalo ou garganta. Eram estruturas colocadas próximas as calhas de igrejas medievais, com a função principal de esconder os canos que escoavam a água da chuva, que escoava por suas gargantas.

A ideia parece ter surgido no Egito Antigo. Templos já tinham gárgulas no formato de cabeça de leões. Isso também foi adotado na arquitetura grega e o costume não se perdeu.

Mas nem todas as gárgulas expeliam pela boca. Há o, digamos assim, o lado B das estruturas, raramente mencionado. Grotesco, afinal, não quer dizer só monstruoso, mas também ridículo e vulgar.

Bruniquel, França / Crédito: Reprodução
Igreja Matriz de Caminha, Portugal / Crédito:  Reprodução

 

Catedral de Fribourg, Alemanha / Crédito: Reprodução

 

Sagrado purgante

As gárgulas obscenas como desta matéria sempre atiçaram a curiosidade dos historiadores. Ninguém deixou registrado exatamente por que eram feitas e o que significavam.

Pelo contrário, temos gente falando contra elas. No século 12, o monge e teólogo São Bernardo de Claraval (1090-1153), reclama em uma carta de sua presença, uma distração desnecessária. Anos depois, Pedro de Celle (1115-1183) foi além afirmou que olhar para elas ou sequer refletir sobre elas era perigoso par a alma.

O que não há dúvidas é que, justamente por essa resistência, podemos ter certeza que não estavam lá à toa. E as teorias para explicar são várias.

Igreja de St Pierre de Dreux, França / Crédito: Reprodução

 

Catedral Sé da Guarda, Portugal / Crédito: Reprodução

Catedral de Notre-Dame de Amiens, França / Crédito: Reprodução

 

Figuras pornográficas

De acordo com do medievalista James Emmons, autor de Artifacts from Medieval Europe (Artefatos da Europa Medieval), essas figuras pornográficas haviam sido colocadas em gárgulas como uma forma de expulsar – "defecar”– o pecado para fora das igrejas.

Outra teoria, esta por James Jerman e Anthony Weir, é que as gárgulas representavam o pecado, a brutal e vulgar vida sem Deus. Eram grotescos porque eram pecadores. Sua intenção era lembrar-se da importância da salvação. De não ser um animal horrendo e pecaminoso como as estruturas- ou terminar atormentado no Inferno por elas.

"Para nós hoje, essas figuras parecem apenas peças grotescas, que representam o humor irreverente, impudico, ímpio e caprichoso do escultor", afirmam. "Não pode haver dúvidas que um dia serviram a um propósito útil, na educação moral do povo iletrado da Idade Média."


+Saiba mais sobre o período medieval:

1. Dicionário analítico do Ocidente medieval, de Jacques Le Goff (2017) - https://amzn.to/2tGcuWf

2. Civilização do Ocidente Medieval, de Jacques Le Goff (2018) - https://amzn.to/304FyCK

3. O físico: A epopeia de um médico medieval, de Noah Gordon (1998) - https://amzn.to/37Jiuw2

4. Medieval: contos de uma era fantástica, de Vários Autores (2016) - https://amzn.to/35EbsHB

5. Criação do Ocidente. A Religião e a Civilização Medieval, de Christopher Dawson (2016) - https://amzn.to/2TfqYXT

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.