Matérias » Princesa Isabel

Mais lidas: o que a Princesa Isabel diria sobre o atual cenário brasileiro, depois que os negros foram libertos?

Brasil relembra na última sexta-feira, 13, os 134 anos da assinatura da Lei Áurea

Marcia Valéria Teixeira Zucoloto* Publicado em 11/05/2022, às 13h31 - Atualizado em 14/05/2022, às 06h00

Pintura mostra a Princesa Isabel
Pintura mostra a Princesa Isabel - Arquivo Nacional

“No dia 13 de maio de 1888, após seis dias de votações e debates no Congresso, a Princesa Isabelassinou a Lei Áurea, que decretava a libertação dos escravos no país.”

Como professora do 5º ano do Ensino Fundamental, sempre que vou falar sobre a escravidão no Brasil, começo avisando meus alunos que esse é um assunto pesado e triste.

Sempre lembro que esta parte da história, a abolição dos escravos, deveria ser de grande alegria. Porém, não é! Digo também que não é uma história feliz, desde seu início, apesar do momento ter de ser comemorado, pois foi um grande acontecimento.

Realmente, foi celebrado pelos negros do nosso país com muita festa e por vários dias quando aconteceu, em 13 de maio de 1888. Não só pelos negros, mas por todos aqueles que não aceitavam a escravidão.

Um dos registros da Princesa Isabel /Crédito: Acervo IMS

Contudo, a pergunta dos alunos que fica é: “Se houve comemoração, se foi um momento de festa, por que a tristeza?”.

Temos muitos fatos para relatar: o Brasil foi o último país a libertar seus escravos da América e isso ocorreu depois de muitas discussões, negociações, entendimentos e desentendimentos. Não foi uma decisão tranquila e, por cerca de 350 anos, fomos o maior território escravagista do Ocidente. Que triste....

“Mas professora? Foram libertos? Isso não foi bom?”

Sim! Uma lei foi assinada e agora era oficial! Depois de tantas tentativas, como a Lei Eusébio de Queirós, com a proibição do tráfico negreiro, a Lei do Ventre Livre e a Lei do Sexagenário! Agora, podemos dizer que não existe mais escravidão no nosso país.

Mas o que será que aconteceu depois da abolição e das comemorações feitas com a assinatura da Lei Áurea?

Um povo que foi humilhado, subjugado e dominado pela força dos homens brancos, que se diziam superiores... não era apenas um papel assinado que iria libertá-los de uma vida de sofrimento. A partir dessa data, eles tiveram de lutar para conseguir seu espaço e seu título de brasileiros. Não foi fácil conseguir emprego, escola e até mesmo a dignidade merecida.

Cerca de 134 anos se passaram e, infelizmente, ainda não podemos comemorar em toda a sua plenitude a abolição dos escravos. Ainda há luta contra o preconceito; em muitos momentos, continuam subjugados.

Gosto de perguntar para os alunos e deixá-los responder: “O que a Princesa Isabel diria sobre o atual cenário brasileiro, depois que os negros foram libertos?” Imagino que ela sabia que não seria fácil, mesmo depois de tantos anos.


* Marcia Valéria Teixeira Zucoloto é historiadora por formação e professora do 5º ano do Ensino Fundamental do Colégio Presbiteriano Mackenzie Tamboré -- Internacional.