Matérias » Espanha

Os cruéis sequestros de crianças durante a Ditadura Franquista

Durante a era Francisco Franco, filhos de presos ou republicanos desaparecidos eram tomados pelo Estado. Saiba mais!

Daniela Bazi Publicado em 21/08/2020, às 09h00

Imagem ilustrativa de um ursinho rasgado
Imagem ilustrativa de um ursinho rasgado - Pixabay

A ditadura militar espanhola foi liderada pelo general Franco, e baseava-se em uma ideologia supremacista e racista. Os apoiadores do regime acreditavam pertencer a uma "raça" hispânica superior, que lhes dava o direito de conquista e submissão sobre povos que julgavam ser inferiores. 

Diferente da política nazista, no franquismo a interpretação era através de análises político-culturais e psicológicas, e não por etnias. Como uma forma de "purificar" a raça, crianças nascidas de pais assassinos, encarcerados ou desaparecidos republicanos eram recolhidas pelo Estado para que fossem doutrinadas com os novos ensinamentos. 

Bottom feito em homenagem aos 44 anos da morte do ditador Franco / Créditos: Getty Images

 

No ano de 1943, aproximadamente 12.043 crianças estavam sob tutela do governo. Durante a Guerra Civil Espanhola, muitos pais optaram por enviar seus filhos ao exterior para a própria segurança. Entretanto, após sua vitória, Franco ordenou que essas crianças voltassem a Espanha com ou sem a autorização paterna. 

De acordo com a lei criada em 1940, o Estado tinha o direito de receber a guarda das crianças que estivessem em centros de auxílio social automaticamente, representando um grande risco dos pais perderem seus filhos para sempre. 

Entre todas as crianças de nacionalidade espanhola que foram enviadas ao exterior, o governo tinha mais interesse nos pequenos que estavam na União Soviética. Segundo Franco, era ótimo recuperar aqueles que estiveram no país em que ocorreu o triunfo da revolução comunista. 

As condições dos cárceres em que as crianças eram levadas, algumas junto de suas mães, era deplorável. Elas eram obrigadas a viver em celas lotadas, com pouca comida e condições higiênicas lamentáveis. Muitas acabaram falecendo por estes motivos. 

Garotas em um convento na cidade de Barcelona / Créditos: Getty Images

 

Aquelas que conseguiam sobreviver acabaram separadas de suas mães e, em sua maioria, dadas através de adoções ilegais, ou enviadas a conventos sendo forçadas a tornarem-se religiosas. De acordo com a lei, a permanência dos menores nos cárceres ao lado de suas mães só era permitida até os três anos de idade. 


++Saiba mais sobre a Guerra Civil Espanhola e a ditadura Franquista através de obras disponíveis na Amazon Brasil

Guerra Civil Espanhola, de Helen Graham (2013) - https://amzn.to/32GRnj7 

A guerra civil espanhola: O Palco que Serviu de Ensaio Para a Segunda Guerra Mundial, de Josép M. Buaeds (2013) - https://amzn.to/2oVplSp

Francisco Franco: A Vida e o Legado do Polêmico Ditador Espanhol, de Charles River Editors (2018) - https://amzn.to/2Jicq3L

Violência e Sociedade em Ditaduras Ibero-Americanas no Século XX Argentina, Brasil, Espanha e Portugal, de Helder Gordim da Silveira, Jaime Valim Mansam e Jorge Marco (2017) - https://amzn.to/2Jg3hbY

El país de la desmemoria: Del genocidio franquista al silencio interminable, de Juan Miguel Baquero (2019) - https://amzn.to/2PfBwnI

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W