Matérias » Era Vitoriana

O 'trono' da Rainha Vitória na Nigéria: conheça o mito por trás da soberana e do rei africano

Durante anos acreditou-se que a soberana teria sido casada com o rei Eyamba. Entenda!

Redação Publicado em 19/06/2021, às 11h20

Imagem da Rainha Vitória
Imagem da Rainha Vitória - Getty Images

Entre 1876 e 1901, o Reino Unido e a Irlanda estiveram sob o comando da Rainha Vitória. A Era Vitoriana, como ficou conhecida, foi um período de prosperidade econômica e maior expansão e domínio do Império Britânico. 

Na Nigéria, a soberana chegou a conquistar um trono. Segundo a jornalista e romancista nigeriana Adaobi Tricia Nwaubani, tal fato se deve a um mito criado entre o povo Efik do sul do país. 

Na série da BBC internacional sobre cartas de escritores africanos, a jornalista descreveu a lenda de que a Rainha da Inglaterra teria sido casada com um dos reis do estado da África Ocidental.

Por meio de correspondências entre a Rainha Vitóriae o Rei Eyamba, Donald Duke — que atuou como governador de Cross River, Calabar, entre 1999 e 2007 — realizou extensas pesquisas sobre a relação entre ambos soberanos. A partir disso, o povo pôde compreender o contexto histórico e a origem do mito. 

"Eu ouvi falar sobre isso pela primeira vez por volta de 2001, quando estava passando pelo museu e vi esta correspondência muito interessante entre a Rainha Vitória e o Rei Eyamba", explicou Duke, segundo o veículo. 

Contexto histórico 

Dada a localização privilegiada do grupo étnico Efik, por volta do século 19, o Rei Eyamba V de Duke Town e o Rei Eyo Honesty II de Creek Town estiveram à frente de negócios com os europeus. Tal fato impactou diretamente na cultura da região. 

Retrato da Rainha Vitória / Crédito: Getty Images

 

Em entrevista à BBC, Donald Duke revelou que os reis da região enriqueceram com o comércio de escravos. Eles atuavam como intermediários entre os comerciantes africanos e os mercadores europeus .

Estima-se que mais de 1,5 milhão de africanos tenham sido vendidos como escravos para trabalharem de forma forçada nas Américas. O diário datado do século 18, intitulado The Diary of Antera Duke, contém o relato de um sobrevivente que teria sido vendido como escravo por um comerciante africano.

Publicado em 1956, o livro foi encontrado em arquivos e apresenta detalhes minuciosos sobre o comércio que movimentou a economia da região.  

No entanto, conforme os documentos divulgados pela BBC, mesmo após a abolição do comércio de escravos, pessoas negras continuaram a ser enviadas de forma ilegal para outros territórios. Fato que comprova a ligação da Rainha Vitória com os reis de Calabar. 

O surgimento do mito 

A partir disso, os pesquisadores identificaram em uma carta da soberana ao Rei Eyamba, uma oferta de proteção a ele e ao seu povo. Na ocasião, a monarca assinou o documento como "Rainha Vitória, a Rainha da Inglaterra". Contudo, um intérprete local traduziu erroneamente como "Rainha Vitória, a Rainha de Todas as Pessoas Brancas".

Rainha Vitória em retrato oficial / Crédito: Getty Images

 

O Rei Eyamba, por sua vez, assinou como, "Rei Eyamba, o Rei de Todos os Homens Negros". Além disso, dada a cultura patriarcal da época, ele teria decidido que só aceitaria a proteção de uma mulher caso se casasse com ela. 

Em entrevista ao veículo, Charles Effiong Offiong-Obo, chefe efik e escriba do clã de Duke Town, revelou que a monarca não recusou explicitamente a intrigante oferta do rei. A rainha, por sua vez, teria apenas desejado boas relações comerciais entre ambos os reinos. 

A resposta veio acompanhada de uma capa real, uma espada e uma Bíblia. Assim, o monarca teria entendido que aquela seria uma resposta para a proposta feita, originando a lenda. 

A partir disso, o povo passou a acreditar que ambos soberanos teriam selado a união com o matrimônio. Acredita-se, ainda, que em um determinado momento do século 20, o grupo étnico Efik teria unido os tronos, fortalecendo assim, durante anos, o mito do casamento entre a Rainha Vitória e o Rei Eyamba.

Atualmente, algumas das cartas trocadas entre eles podem ser encontradas no Museu Nacional de Calabar. Já as outras correspondências foram vendidas a um colecionador, conforme revelou a BBC. 


+Saiba mais sobre a Era Vitoriana por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Vitorianas Macabras, de Vários autores (2020) - https://amzn.to/2znZd7x

O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde (2012) - https://amzn.to/352XCzF

Literatura Vitoriana e Educação Moralizante, de Flávia Costa Morais (2004) - hhttps://amzn.to/2XWYpAP

Vitória, a rainha: Biografia íntima da mulher que comandou um Império, de Julia Baird (2018) - https://amzn.to/3eI1339

Rastro de Sangue: Jack, o Estripador, de Kerri Maniscalco (2018) - https://amzn.to/3eHoNo7

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W