Matérias » Arte

'Gato e pássaro': Confira três curiosidades sobre a obra de Paul Klee

Ao dar forma à sua imaginação, o renomado pintor suíço combina esferas da realidade com diversas características da abstração

Izabel Duva Rapoport Publicado em 12/09/2021, às 08h00

Fotografia do pintor Paul Klee em 1927
Fotografia do pintor Paul Klee em 1927 - Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

"No aqui e agora, não sou de modo algum tangível”, escreveu o pintor suíço Paul Klee (1879-1940) em seu diário, por volta de 1910. Já nessa época, fascinado pelo transcendental, ele reproduzia com frequência, em suas obras, símbolos celestes ou imagéticos — e, por isso, ficou conhecido como o artista plástico da introspecção ou distante do mundo real.

Klee também gostava de escrever. Na década de 1920, após a Primeira Guerra Mundial, o artista passou a chamar atenção por seus textos sobre teoria da arte — que passavam longe da “restauração do naturalismo”, uma das premissas da arte nazista (só que seguindo as concepções de “superioridade ariana”).

Não à toa, Klee (que também era alemão) e vários outros artistas que faziam parte da Bauhaus (principal centro de difusão das vanguardas nas artes visuais e na arquitetura da época), entre outros movimentos modernos, foram perseguidos pelo regime hitlerista, que os considerava “degenerados”.

Com estilo individual, mas influenciado por tendências artísticas diferentes, como o expressionismo, cubismo e surrealismo, Klee era fortemente inventivo e suas obras, difíceis de serem classificadas. Muitas eram completamente abstratas, com formas geométricas, além de letras, números e setas.

Outras traziam figuras de animais e de pessoas, mas geralmente combinando a racionalidade com a transcendência. Em sua antologia 'Confissão Criadora', de 1920, afirmou: “A arte não reproduz o visível, mas torna visível”.

1. Paixão secreta

Paul Klee amava gatos. E, não raro, prestava homenagem aos felinos em suas obras. Nesta, produzida em 1928, o animal olha com visão hipnotizante, direta e reta, para o espectador. “Há gatos cujos olhares são apreciados por flores armadas”, disse o artista, referindo-se à vigilância sempre atenta do animal.


2. Interpretação

A liberdade de usar linhas, cores e formas na mesma obra de arte — ou de praticar o “puro cultivo dos meios”, como o próprio Klee costumava dizer, permitia a ele criar imagens que tratam menos da percepção e mais do pensamento. Neste caso, o pássaro não está na testa do gato, mas em sua mente ou imaginação.


3. Nos bastidores

Os trabalhos de Klee, cujas formas são simples, refletem o humor seco do artista e a sua perspectiva às vezes infantil (ele acreditava que as crianças eram fontes da criatividade). As obras costumam trazer também a sua musicalidade na vida: filho de mãe cantora e de pai professor de música, cresceu numa família cheia de melodia.


+Saiba mais sobre a arte por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Tudo sobre arte, de Stephen Farthing e Richard Cork (2018) - https://amzn.to/3fEy6FY

A História da Arte, de Gombrich (2000) - https://amzn.to/2A1SsIG

O livro da arte, de Vários Autores (2019) - https://amzn.to/3cdUjIR

História Ilustrada da Arte, de Ian Chilvers (2014) - https://amzn.to/2WDgHEF

Breve história da Arte: Um guia de bolso para os principais gêneros, obras, temas e técnicas, de Susie Hodge (2018) - https://amzn.to/3fEykwO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited — Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W