Matérias » Brasil

Olho de Boi: Quando surgiu o primeiro selo do Brasil?

Embora o chamado Correio-Mor tenha chegado ao Rio de Janeiro no começo de 1663, os selos só vieram muito tempo depois

Redação Publicado em 22/08/2021, às 09h00

Imagem meramente ilustrativa de cartas
Imagem meramente ilustrativa de cartas - Divulgação/ Pixabay/ blende12

O primeiro selo brasileiro foi criado em 1843, quase 200 anos após a criação do serviço dos correios. Até o período da Regência, a entrega das correspondências era feita principalmente por escravos. Em 1835, o correio da Corte passou a fazer a entrega de correspondências a domicílio. Até então, o serviço funcionava apenas para estabelecimentos registrados, que pagavam uma anuidade.

Até os selos entrarem em uso, se pagava um mensageiro para fazer a entrega e ele cobrava do destinatário. Mas havia dois problemas: quem recebia podia ler a carta e se recusar a pagar. Ou o mensageiro recebia e era assaltado na volta”, afirmou o comerciante filatélico Leão Marek.

O sistema mudou em 1841, depois que dom Pedro II, inspirado pelo primeiro selo do mundo, o penny black britânico, aprovou uma reforma postal. A inovação permitia maior controle sobre os pagamentos.

Em 1843, o Brasil se tornou o segundo país a incorporar a medida nacionalmente — no mesmo ano, Zurique lançou um selo regional —, quando entrou em vigor o Olho de Boi, assim chamado pelo desenho oval. Disponíveis nos valores de 30, 60 e 90 réis, eram desenhados a pena e depois reproduzidos. Para usar, era necessário recortar e colar os selos, que ainda não vinham picotados.

Sem o rosto do imperador

Dom Pedro II determinou que os primeiros selos não fossem estampados com sua efígie — achou que seria indigno ter o rosto carimbado. Posteriormente, o monarca mudou de ideia, mas os primeiros selos traziam apenas cifras. O selo de 30 réis deveria ter uma primeira impressão de 6 mil unidades, mas a tiragem final foi de 1 148 994.

Servia para distâncias curtas, dentro de uma mesma cidade. Hoje, um exemplar é avaliado em R$ 10 mil. O Olho de Boi de 60 réis teve como tiragem final 1,5 milhão de selos e é, atualmente, considerado o menos valioso dos três modelos. Era usado para distâncias médias, entre províncias.

O selo de 90 réis, usado para distâncias mais longas, teve uma impressão de 349 182 exemplares. Desses, 18 mil foram enviados para a Bahia, província que recebeu o maior volume de selos. Para correspondências despachadas para outros países, via navio, era necessário usar vários selos, de acordo com o peso do pacote e o trajeto. É hoje o mais raro dos Olhos de Boi, podendo valer mais de R$ 15 mil.


+Saiba mais sobre o Brasil Colonial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

O Brasil colonial (Vol. 1), de João Luís Ribeiro Fragoso e Maria de Fátima Gouveia (2014) - https://amzn.to/3b15Gmx

O Brasil colonial (Vol. 2), de João Luís Ribeiro Fragoso e Maria de Fátima Gouveia (2014) - https://amzn.to/3aWgGlg

A Formação da Elite Colonial no Brasil, de Rodrigo Ricupero (2020) - https://amzn.to/34zGamg

A conquista do Brasil, de Thales Guaracy (2015) - https://amzn.to/2VlkbLC

História do Brasil colônia, de Laima Mesgravis (2015) - https://amzn.to/2ww5AV7

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W