Matérias » Curiosidades

Olho 'infravermelho' e ataque fatal: 5 curiosidades sobre as gigantes cobras Titanoboa

A maior cobra que já habitou o planeta Terra há milhões de anos, poderia até mesmo lutar com grandes animais

Giovanna de Matteo Publicado em 31/08/2020, às 21h31

Representação de uma Titanoboa em tamanho real
Representação de uma Titanoboa em tamanho real - Divulgação

Há milhares de anos, o planeta Terra foi habitado por grandes animais e tenebrosos predadores. A pré-história guarda mistérios que por anos os arqueólogos e paleontologistas vêm revelando. Mas, você já imaginou como seria se deparar com um desses animais antigos?

Essa foi o ponto chave de uma exibição feita pelo Museu Nacional de História Natural do Smithsonian, em Washington, D.C. que trouxe para a vida real uma réplica de um dos maiores predadores do mundo: a Titanoboa cerrejonensis. 

Uma réplica em tamanho real da Titanoboa, em exibição no Museu Nacional de História Natural do Smithsonian em Washington, D.C. / Divulgação

 

Este animal era uma cobra espetacular do período Paleoceno, ocupando o topo da cadeia alimentar daquela época. Seus primeiros fósseis foram encontrados em 2009, na Formação Cerrejón, das minas de carvão de Cerrejón em La Guajira, Colômbia. 

A Aventuras na História separou 5 fatos curiosos sobre a Titanoboa que vão te surpreender. Confira abaixo.

1. A maior cobra já revelada

Os primeiros fósseis encontrados da Titanoboa evidenciaram vértebras muito parecidas com as de jiboias e anacondas, só que estrondosamente maiores. 

A diferença de tamanho entre as vértebras pertencentes à cobra Titanoboa cerrejonensis, à esquerda, e uma anaconda, à direita / Foto de Jeff Gage / Museu de Natural da Flórida / Divulgação

 

Para criarem uma estimativa do tamanho desse réptil, os pesquisadores analisaram os resquícios fósseis juntamente com o habitat em que foram encontrados. A partir disso, conseguiram identificar onde e quando este ser viveu, datando do período paleoceno, há 60 milhões de anos.

Seguindo o fato de que esses animais são ectotérmicos, o que significa que são incapazes de esquentar o próprio corpo e dependem de uma energia externa para isso, os cientistas chegaram à conclusão que seu tamanho extraordinário teria relação com a região em que esses fósseis foram encontrados, que naquela época, quando essa criatura ainda existia, podia chegar numa temperatura entre 30 e 34 ºC.

Ou seja, a temperatura mais quente do espaço em que viviam há milhões de anos atrás fez com que a titanoboa chegasse a ter até 14 metros de comprimento, podendo pesar mais de uma tonelada. Isso se deve a conclusão de que em regiões mais quentes e tropicais quanto maior o tamanho da cobra, maior a sua chance de sobrevivência.

2. Vida, habitat e reprodução

Acredita-se que a titanoboa era uma cobra aquática que vivia em regiões da América do Sul, com temperaturas altas e climas tropicais. Ela habitava grandes selvas e pântanos, onde se alimentava, caçava e se reproduzia, podendo viver até cerca de 30 anos.

Na hora de se acasalar, as fêmeas soltavam um cheiro forte no ar, que deixava os machos furiosos e ariscos. Além disso, ela podia ter até 80 filhotes, ou seja, botar um tanto de ovos de uma só vez. 

3. Dieta 

Em 2012, foi descoberto o primeiro crânio de uma titanoboa, o achado faz parte da pesquisa "Cranial osteology, Body Size, Systematics, and Ecology of the giant Paleocene Snake Titanoboa cerrejonensis", apresentada no 73nd Annual Meeting of the Society of vertebrate Paleontology em Los Angeles.

Numa análise parcial desse crânio, os paleontólogos afirmaram que essa cobra tinha dentes finos e afiados, mais compatíveis com uma dieta aquática, ou seja, a criatura monstruosa da América do Sul se alimentava de grandes peixes, tartarugas e crocodilos

Réplica de uma Titanoboa engolindo um crocodilo / Wikimedia Commons

 

Para caçar, ela usava sua incrível força muscular com o objetivo de agarrar suas presas e estrangulá-las até a morte. Ela detinha de olhos infravermelhos capazes de enxergar suas vítimas a quilômetros de distância. Seu bote podia chegar a quase três metros de distância. 

Como a maioria das cobras grandes, ela não possuia veneno, e seu peso não a impedia de ser rápido, conseguindo rastejar quilômetros a fio sem ser notada.

4. Extinção

A titanoboa é uma parente distante da jiboia e da anaconda, e foi extinta a quase tanto tempo quanto os dinossauros, tendo 5 milhões de anos de diferença entre o desaparecimento da cobra e o aparecimento do T-rex.

Pelo seu tamanho avassalador, crê-se que sua extinção se deu pelas mudanças climáticas, principalmente o resfriamento da terra, já que elas dependiam do sol para se manter aquecidas. A temperatura atual da terra não consegue suportar cobras desse tamanho, e as cobras atuais não chegam, na verdade, a mais de 7 metros de comprimento.

5. Titanoboa vs T-Rex

Um documentário especulativo feito pelo canal de entretenimento Smithsonian mostra como seria uma luta entre os dois maiores predadores da Terra: o Tiranossauro Rex e a Titanoboa.

Apesar desses animais não terem ocupado os mesmos lugares nem a mesma época, pesquisadores remontaram virtualmente como seria uma luta entre eles. Em conclusão, julgou-se que a vitória dependeria do contexto externo em que essa luta ocorreria.

Em terra, foi argumentado que o T-rex se sobressairia, tendo vantagem na hora de abocanhar a cobra, já que possui, até hoje, a mordida mais forte do reino animal. Por outro lado, se a disputa ocorresse perto das costas e ambientes marinhos, provavelmente a titanoboa se destacaria, usando sua tática de estrangulamento para agarrar o dinossauro com sua força de constrição fenomenal.

Confira abaixo o vídeo da simulação dessa luta.

 

**Errata: A Aventuras na História Digital errou ao afirmar que o animal era "do tamanho de 3 Torres Eiffels".


+Saiba mais sobre Paleontologia por meio de grandes obras abaixo disponíveis na Amazon:

Paleontologia - Volume 1, de Ismar de Souza Carvalho (2010) - https://amzn.to/34AW7dN

Ascensão e queda dos dinossauros: Uma nova história de um mundo perdido, de Steve Brusatte  (2019) - https://amzn.to/2FMUQG7

The Princeton Field Guide to Dinosaurs 2e: Second Edition (Edição Inglês), de Gregory S. Paul (2016) - https://amzn.to/31sHZBj

Paleontologia de Vertebrados, por Valeria Gallo (2012) - https://amzn.to/3jdRniu

Dinos do Brasil, de Luiz E. Anelli (2018) - https://amzn.to/2YxMUPE

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W