Matérias » Personagem

Onde estão enterrados D. Pedro I e suas duas esposas?

Saiba onde se encontram os restos mortais do primeiro imperador do Brasil e das imperatrizes Leopoldina da Áustria e Amélia de Leuchtenberg

Giovanna Gomes, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 29/06/2021, às 15h01

Da esquerda para a direita: Amélia, Pedro e Leopoldina
Da esquerda para a direita: Amélia, Pedro e Leopoldina - Domínio Público/Friedrich Dürck-Simplício Rodrigues de Sá-Josef Kreutzinger

D. Pedro I foi o primeiro imperador brasileiro, que governou o país desde a independência, em 1822, até o ano de 1831, quando renunciou e voltou para Portugal, deixando o trono para seu filho, D. Pedro II. Ele morreu em 24 de setembro de 1834 em razão de uma tuberculose.

Ao seu lado, estava a primeira esposa, Leopoldina, uma culta princesa austríaca, com quem teve sete filhos.

Responsável pela assinatura da Independência do Brasil, ela foi uma figura importantíssima na época, não sendo apenas uma mulher melancólica em razão das traições do marido como comumente ouvimos dizer. 

Pedro I e Leopoldina / Crédito: Domínio Público/Arnaud Pallière

 

De acordo com Maria Celi Chaves Vasconcelos, professora da UERJ,"Leopoldina sabia falar sobre qualquer assunto, em qualquer língua mais usual e dominava ciências da natureza tão em voga naquele momento histórico. Também é sabido que era contra a escravidão."

A princesa morreu em 11 de dezembro de 1826, aos 29 anos de idade, devido a uma a uma infecção generalizada que surgiu após um aborto espontâneo.

Contudo, ela não foi a última esposa do imperador. Isso porque ele casou com Amélia de Leuchtenberg, filha do general Eugênio de Beauharnais e da princesa Augusta da Baviera. Ela se casou com Pedro I no ano de 1829, tornando-se imperatriz.

Contudo, seu tempo no Brasil foi breve, encerrando-se com a abdicação do marido. Ela morreu aos 60 anos, no dia 26 de janeiro de 1873, em Lisboa.

Retrato de D. Amélia / Crédito: Domínio Público/Friedrich Dürck

 

Onde estão enterrados?

Muitos anos após a morte dessas importantes figuras históricas, seus restos mortais foram levados para um único local: a cripta imperial, localizada no Parque da Independência, em São Paulo. É também lá que fica o conhecido Museu Paulista da Universidade de São Paulo.

A cripta, que fica sob o Monumento à Independência, no bairro do Ipiranga, é gerida pelo Departamento dos Museus Municipais.

Monumento à Independência, no Bairro do Ipiranga, São Paulo / Crédito: Wikimedia Commons/Igor Rando

 

Construção e chegada dos restos mortais 

A cripta imperial começou a ser construída no ano de 1953. Em 1954, foram levados os restos mortais de D. Leopoldina. Os despojos do imperador D. Pedro I, somente chegariam ao local no ano de 1972, enquanto os de sua segunda esposa, Amélia, em 1984.

++Conheça Valdirene Ambiel, a arqueóloga que exumou os restos mortais de Dom Pedro I e suas esposas


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

D. Pedro II – A história não contada: O último imperador do Novo Mundo revelado por cartas e documentos inéditos, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2L3sXcE

Dom PedroII na Alemanha: Uma amizade tradicional, de Dom Carlos Tasso de Saxe-CoburgoeBragança (2014) - https://amzn.to/34yeNYV

D. Pedro II, de José Murilo de Carvalho  (2007) - https://amzn.to/34pqCR3

As Barbas do Imperador, de Lilia Moritz Schwarcz (1998) - https://amzn.to/2OU5L1P

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W