Matérias » Estados Unidos

Operação Crossroads: O desastre nuclear do Atol de Bikini

Há exatos 73 anos, uma bomba era detonada debaixo d’água como parte dos testes de armas nucleares norte-americanos. O resultado foi catastrófico

Joseane Pereira Publicado em 25/07/2019, às 12h00

None
- Reprodução

No dia 25 de julho de 1946, uma bomba foi detonada 27 metros abaixo da superfície do mar. O episódio fazia parte da Operação Crossroads, projeto do governo norte-americano que tinha como objetivo investigar o efeito de armas nucleares em navios de guerra.

A operação foi conduzida no Atol de Bikini, em meio às aguas calmas do Pacífico. Na época, em uma demonstração de força e poder, o governo dos EUA anunciou os testes e convidou pessoas para observá-lo – entre eles, a grande imprensa, o que fez com que o momento das explosões se tornasse mundialmente conhecido.

Gilda e Helen de Bikini

O objetivo era detonar duas bombas, uma acima e outra abaixo do mar. Os moradores nativos do Bikini concordaram em evacuar a ilha, sendo retirados para o Atol Rongerik, e 95 navios-alvo foram montados em uma esquadra que logo iria perecer.

E o pior: existiam vidas lá dentro. 146 porcos, 176 cabras e 3.030 ratos brancos foram colocados em 22 dos navios-alvo, em estações normalmente ocupadas por pessoas, para a checagem dos efeitos da radiação.

No dia 1 de julho, a primeira bomba - nomeada Gilda - foi detonada 158 metros acima dos alvos. O ponto de objetivo foi perdido por 150 metros, o que fez o estrago nos navios ser menor que o esperado. A segunda e última bomba da operação, Helen de Bikini, foi ativada no dia 25 de julho, causando uma explosão submarina que levantou um gigante cogumelo de água salgada. A extensa contaminação radioativa que se espalhou pelos mares marcou o episódio como um dos primeiros desastres nucleares do mundo.

Cabras utilizadas na operação / Crédito: Wikimedia Commons

 

Dos animais de teste, 10% foram mortos pela explosão de ar, 15% por radiação e 10% pelos pesquisadores como parte de um estudo posterior. A alta taxa de sobrevivência dos animais deveu-se à natureza da radiação de pulso único.

As vítimas próximas o suficiente das bombas morreram na hora, enquanto as mais distantes acabaram se recuperando. Além disso, os pesquisadores colocaram os ratos fora da zona letal, a fim de estudar possíveis mutações nas gerações futuras. 

Cinco navios afundaram e 14 tiveram sérios danos, principalmente devido à onda de choque da bomba que veio dos céus. Como consequência da contaminação radioativa, o Atol de Bikini se tornou impróprio para pesca e agricultura, permanecendo desabitado até hoje.

Mas a lembrança das explosões permanece na mente de muitos, mesmo que de forma inconsciente: a famosa animação Bob Esponja, ambientada na Fenda do Biquíni, é uma clara inspiração do acontecimento histórico.