Matérias » Brasil

Operação Tarântula: a ação da polícia de São Paulo que ‘caçava’ travestis

Com a justificativa de que estavam combatendo a Aids, os oficiais perseguiram e prenderam inúmeras pessoas em 1987

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 12/02/2021, às 07h00

Bandeira que representa comunidade trans
Bandeira que representa comunidade trans - Wikimedia Commons

O Brasil ocupa a primeira posição no ranking de países que mais matam pessoas transgênero no mundo. De acordo com dados divulgados no dossiê da Associação Nacional das Travestis e Transexuais (Antra), o país registrou 184 assassinatos de pessoas trans em 2020. 

O estado de São Paulo é o mais perigoso para o grupo LGBT+, onde foi registrado o maior número de assassinatos. Depois dele, vieram Ceará, Bahia, Minas Gerais e Rio de Janeiro, que, inclusive, teve um aumento de 43% em comparação ao ano anterior. 

Atualmente, a expectativa de vida para pessoas transexuais é de 35 anos. Para o restante da população brasileira, esse número quase dobra, chegando aos 75,5 anos, de acordo com o IBGE. E esses números são de hoje — imagine há 40 anos.

Ser travesti nos anos 80

A comunidade LGBT+ foi uma das mais afetadas pela Aids, que teve o seu auge entre as décadas de 1980 e 1990. O risco de morte era uma realidade diária na vida de muitas dessas pessoas, que conviviam com o fato de não terem informação o suficiente sobre o tema.

Mais do que isso, essas pessoas passaram a carregar o estigma da doença, embora não fossem as únicas a sofrerem com ela — pessoas cisgênero e heterossexuais tiveram e ainda estão sujeitas a adquirem o vírus. A consequência disso foi o aumento do preconceito, que já existia na sociedade brasileira e em muitas outras.

Em 27 de fevereiro de 1987, a Polícia Civil de São Paulo decidiu abrir uma operação que tinha como objetivo “combater a Aids”, que ficou conhecida como Operação Tarântula. Esse “objetivo” funcionou mais como justificativa para perseguir pessoas do grupo estigmatizado. 

De acordo com Márcio Cruz, delegado-chefe na época, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo em 2018, o nome veio do fato de aranhas terem "vários braços, braços longos". Era assim que, principalmente, travestis estavam sendo vistas na época.

Cruz explica que a capital paulista estava passando por "um período pré-apocalíptico" quando a ação foi instaurada. Pessoas transgênero estavam sendo literalmente presas, acusadas de "ultraje ao pudor público e crime de contágio venéreo". 

Tratava-se da legalização de prisões arbitrárias de travestis. Durante toda a operação, por volta de 300 pessoas foram perseguidas e, muitas delas, presas. 

Lembranças brutais

Manchete do jornal Folha de S. Paulo noticiando o início da operação / Crédito: Divulgação

 

À Folha de S. Paulo, Patricia Vieira Nascimento contou suas memórias sobre o período obscuro da história de São Paulo. Naquela época, ela e muitas amigas, também travestis, recorriam à prostituição para conseguirem sobreviver. E estar nas ruas significava estar em constante perigo. 

"Aos 17, tentei me matar porque minha família não me aceitava. Quando completei 18 anos, saí de vez de casa e fui morar e trabalhar no centro", afirmou Patricia, que hoje tem 49 anos e trabalha em uma ONG. "Sou uma sobrevivente. A gente era caçada, literalmente. É esse nome, não tem outro. Éramos vistas como bichos".

Renata Peron, presidente do Cais (Centro de Apoio e Inclusão Social de Travestis e Transexuais), ouviu muitas pessoas trans que viveram nesse período e colheu muitos relatos que contavam experiências brutais.

"Colocavam as travestis dentro do camburão e elas se debatiam. O carro ia em alta velocidade. Quando parava, tinha menina de braço quebrado, uma com o salto enfiado na perna da outra. Era horroroso", explicou.

A operação não durou muito, mas causou muito dano especialmente para as travestis que habitavam as ruas da capital. Quando a Folha noticiou o começo da ação, em 1º de março de 1987, 56 pessoas foram presas. A manchete dizia: "Polícia Civil 'combate' a Aids prendendo travestis".

Em 10 de março do mesmo ano, a ação foi suspensa após o então secretário da Segurança, Eduardo Muylaert, intervir na situação. Ele se encontrou com grupos que lutavam pelos direitos LGBT+, que também enviaram uma nota de repúdio à Secretaria Estadual da Segurança Pública na época.

Com a denúncia, a operação foi ao fim. O preconceito, no entanto, ainda persiste, mesmo que em medidas diferentes. Conforme disse Patrícia, “naquela época, o preconceito era muito maior. Tinha lugares que a gente não entrava. Hoje, ele ainda existe, mas já avançamos muito."


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon: 

Políticas Públicas LGBT e Construção Democrática no Brasil, de Cleyton Feitosa Pereira (2017) - https://amzn.to/2MAVQxm

Devassos no Paraíso - A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade, de João Silvério Trevisan (2018) - https://amzn.to/2MA05sV

Cidadania Trans: O Acesso À Cidadania Por Travestis E Transexuais No Brasil, de Caio Benevides Pedra (2020) - https://amzn.to/3dEYRsr

Tempo bom tempo ruim, de Jean Wyllys (2014) - https://amzn.to/3gV7rW5

Reconhecimento dos Direitos Humanos LGBT, Patrícia Gorisch (2014) - https://amzn.to/3gYV7UM

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W