Matérias » Estados Unidos

Os horrores de Andersonville, o campo de prisioneiros da Guera Civil Americana

Nos Estados Unidos, o local abrigava quatro vezes sua capacidade máxima; os prisioneiros ou morriam em situações trágicas

Paola Churchill Publicado em 15/04/2020, às 13h44

Figura que retrata a superlotação em Andersonville
Figura que retrata a superlotação em Andersonville - Divulgação/Youtube

Durante a Guerra Civil americana (1861-1865), os soldados confederados levaram os prisioneiros para campos improvisados ao redor da Confederação. Contudo, durante o conflito, eles perceberam que precisavam de uma solução prática.

Foi assim que o acampamento Sumter, na Geórgia, que ficaria conhecido pouco tempo depois como a prisão de Andersonville, surgiu. O campo tinha capacidade para abrigar cerca de 10 mil prisioneiros e era equipado com o mínimo de acomodações.

No entanto, depois de um ano de atividade, o lugar abrigava quatro vezes sua capacidade máxima e a condições eram precárias. Faltavam roupas, espaço, e os encarcerados morriam por conta de doenças ou fome.

Atualmente, Andersonville é um pratimônio histórico americano/Crédito: Wikimedia Commons 

 

Inferno na Terra

O maior problema da prisão era a superlotação. Não existia espaço, alimentos ou água o suficiente: a Confederação dava prioridade para o bem-estar dos soldados, não dos prisioneiros. Os que não morriam de fome, contraíram doenças como escorbuto ou febre tifoide por conta da água contaminada no campo.

Imagem que retrata os horrores que os prisioneiros sofriam/Crédito: Wikimedia Commons 

 

Robert H. Kellogg foi preso e enviado para o local insólito em 2 de maio de 1864. O homem relatou um pouco das atrocidades que viveu lá dentro. “Antes éramos ativos e eretos; homens fortes, agora nada mais que meros esqueletos ambulantes, cobertos de sujeira e vermes. Muitos de nossos homens, no calor e na intensidade de seus sentimentos, exclamaram com seriedade: 'Isso pode ser um inferno?' Deus nos proteja!”, relata.

Como se não bastasse as péssimas condições de vida, os guardas não poupavam esforços para machucar os presos, principalmente aqueles que não podiam revidar ou se defender.

O próprio sistema

Os prisioneiros que estavam cansados de serem tratados de maneira desumana começaram a se defender. O resultado foi uma rede hierárquica entre os confinados. Cada grupo compartilhava os alimentos, vestimentas, abrigo e apoio moral. E mais importante, se defendiam de outros grupos ou guardas.

Desenho de como era o campo de prisioneiros na Geórgia/Crédito: Wikimedia Commons

 

O campo ainda contava com seu próprio sistema de justiça, com juiz e júri de presos para manter uma relativa paz no lugar. Os julgamentos aconteciam contra os grupos que atacavam e roubavam os mantimentos dos outros.

Cabia ao conselho sentenciar as punições que seriam aplicadas, que poderiam ser desde os infratores ficarem acorrentados até a morte por enforcamento.

A libertação de Andersonville

Só em maio de 1865, com o fim da Guerra Civil, que Andersonville foi evacuado. Vários julgamentos ocorreram para responsabilizar os capitães pelos crimes de guerra. Mas, poucos foram recapturados para prestar depoimentos.

Estado de um dos prisioneiros de Andersonville/Crédito: Wikimedia Commons 

 

Foi encontrada também uma lista, com os nomes de todos os 13 mil prisioneiros que morreram no local. Em homenagem, ela foi publicada no New York Tribune. Hoje, o campo é um patrimônio histórico americano que serve para lembrar os horrores que ocorreram lá há cerca de 150 anos atrás.


+Saiba mais sobre campos de prisioneiros por meio das obras disponíveis na Amazon:

 Diário do Hospício & O Cemitério dos Vivos, de Lima Barreto (2017) - https://amzn.to/2Sn7LmG

Uma Estrela na Escuridão, André Bernardino e Gabriel Davi Pierin (2017) - https://amzn.to/2RAUVza

Eu sobrevivi ao Holocausto, Nanette Blitz Konig (2015) - https://amzn.to/3avn9Uy

Última parada: Auschwitz - Meu diário de sobrevivência, Eddy de Wind (2020) - https://amzn.to/37gUKzB

 O dom de ver atrás do morro : o trabalho de agentes penitenciários em um manicômio judiciário, de Rodrigo Padrini Monteiro (2019) - https://amzn.to/35RQ7eF

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du