Matérias » Estados Unidos

Os brutais ataques de tubarões que inspiraram o icônico filme de Spielberg

Depois de uma série de mortes violentas, um estado inteiro ficou em alerta quando ia aproveitar a praia

Caio Tortamano Publicado em 13/06/2020, às 11h00 - Atualizado às 14h00

Imagem ilustrativa de um tubarão
Imagem ilustrativa de um tubarão - Divulgação

Entre os dias 1 e 12 de julho, no ano de 1916, o verdadeiro horror esteve instalado na costa de Nova Jersey, nos Estados Unidos. Cinco pessoas foram terrivelmente atacadas por tubarões em pontos diferentes da costa, apenas uma delas conseguiu sobreviver para contar a história.

Joseph Dunn tinha apenas 14 anos quando foi atacado por um tubarão. Enquanto nadava na praia de Stivell and Fisher, o animal mordeu a sua perna esquerda. Por sorte, seu irmão mais velho e um amigo dos dois ajudaram o menino a se livrar de um destino trágico, literalmente brigando com o mortífero peixe.

Impressionantemente, o garoto sobreviveu ao ataque depois de quase ter a sua perna decepada pela violenta criatura. Essa não foi a mesma história de outros quatro casos que aconteceram dias antes ao longo da costa nova iorquina.

O primeiro ataque

A primeira vítima dessa sucessão horrenda de mortes foi um rapaz de 23 anos chamado Charles Vansant. O jovem, que era da Filadélfia, estava de férias em Long Beach, quando despretensiosamente decidiu tomar um banho de mar pouco antes do jantar.

Ironicamente, ele mal sabia que a janta seria ele. Acompanhado de seu cachorro, pouco depois de entrar na água começou a gritar, muitos dos banhistas que estavam do lado achavam que o rapaz chamava por seu cachorro, quando na verdade ele estava gritando pelas mordidas em sua perna.

Ele foi retirado da água por duas pessoas que perceberam que não era simplesmente um chamado pelo cão. Arrastando o seu corpo ensanguentado até a areia, Charles não sobreviveu aos ferimentos e sangrou até a morte antes de ser atendido em qualquer hospital.

Série de ataques

Por mais que o horrendo caso tenha repercutido, as praias na costa de Jersey continuaram todas abertas e lotadas de pessoas que tentavam escapar do calor daquela época do ano. O segundo ataque aconteceu cinco dias depois do primeiro , em 6 de julho, na cidade de Spring Lake. Charles Bruder, de 27 anos, trabalhava em um hotel da região e estava nadando no mar, quando foi mordido em seu abdômen e nas pernas.

Uma banhista reconheceu uma estranha mancha vermelha no mar, e avisou os bombeiros sobre um possível cadáver. Chegando perto de Bruder com um bote, perceberam o corpo mutilado. O hotelista morreu enquanto seu corpo sangrava até a costa.

Outros dois ataques ocorreram quase que simultaneamente na cidade de Keyport, mais especificamente na região de Matawan Creek. A localização da cidade, dentro de uma baía e não diretamente ligada ao oceano, tornavam improvável a existência de tubarões na região. Por isso, quando um capitão da cidade afirmou ter avistado um desses peixes, o avistamento não foi levado a sério.

A história teve uma reviravolta trágica no dia 12 de julho, quando alguns garotos brincavam no riacho e avistaram o que acreditavam ser apenas um tronco de madeira boiando na água. A barbatana emergiu, e o desespero tomou conta do grupo de meninos. Pior para Lester Stilwell, de apenas 11 anos, que não conseguiu subir no píer a tempo e foi puxado para a água pelo tubarão.

Jornal da Filadéflia expôs na capa os horrores que aconteciam na costa / Crédito: Wikimedia Commons

 

Os garotos correram até a cidade pedindo ajuda, e um grupo de homens foi prontamente procurar o garoto, incluindo um comerciante chamado Watson Fisher, de 24 anos. Fisher mergulhou no riacho à procura do menino, e localizou o corpo de Lester já morto, quando também foi mordido pelo tubarão em sua perna.

Watson foi a última vítima dessa série de ataques, tendo morrido na mesa operatória do hospital local por perder muito sangue. 

Reação

Mesmo que tardio, a reação de terror foi geral nas regiões costeiras ao leste dos Estados Unidos, a mídia tratou com sensacionalismo os casos a partir do segundo ataque, dando pouca atenção ao fato de que tubarões poderiam ser perigosos para humanos na cobertura da morte de Vansant.

Pessoas começaram a avistar cada vez mais tubarões pelas costas americanas, e grupos de rapazes armados iam atrás dos animais em seus jet skis. Praias começaram a ser fechadas e as que permaneceram abertas tinham indicações de locais e distâncias seguras para se banhar.

Suposto tubarão autor dos assassinatos / Crédito: Wikimedia Commons

 

Depois do segundo ataque, a comunidade científica tentou analisar qual seria o tipo do tubarão responsável pelas mortes. Diversas espécies diferentes foram apontadas como possíveis autoras das sangrentas obras.

Diversos pescadores foram atrás de tubarões ao longo da costa americana a procura do chamado Comedor de humanos de Jersey, mas foi somente em 14 de julho que um tubarão branco foi capturado por taxidermistas.

Depois de analisarem as entranhas do animal, descobriram que havia restos humanos em seu interior, sendo considerado assim o autor das mortes.


+ Saiba mais sobre animais aquáticos através de grandes obras disponíveis na Amazon:

Orca: The Whale Called Killer, de Erich Hoyt (1984) - https://amzn.to/3d05F3r

Beneath the Surface: Killer Whales, SeaWorld, and the Truth Beyond Blackfish, de John Hargrove e Howard Chua-Eoa (2015) - https://amzn.to/2A7KTjO

BlackFish - Fúria Aninal (2013) - https://amzn.to/2VPA0eK

Dentro da baleia e outros ensaios, de George Orwell (2005) - https://amzn.to/3gzmpAS

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du