Matérias » Crimes

Pânico sul-coreano: os crimes dos terríveis canibais da Família Chijon

Entre 1993 e 1994, a elite rica do país asiático pensava duas vezes antes de sair de casa, temendo os ex-presidiários da gangue

Pamela Malva Publicado em 17/06/2020, às 20h00 - Atualizado às 20h04

Fotografia dos membros da Família Chijon
Fotografia dos membros da Família Chijon - Divulgação

Passar anos no sistema penitenciário pode ter diferentes efeitos na vida de uma pessoa condenada. Na grande maioria das vezes, os réus voltam para casa com o desejo de melhorar de vida e seguir por um caminho alternativo ao anterior.

Em casos mais isolados, os ex-prisioneiros saem de suas celas com ainda mais raiva do sistema e das pessoas que os colocaram na cadeia. Assim, decidem cometer crimes piores do que aqueles pelos quais foram julgados no passado.

Para os membros da Família Chijon, a raiva reprimida, a sede por vingança e o desejo insaciável por dinheiro foram determinantes para uma série de crimes hediondos. De forma cruel e impiedosa, o grupo aterrorizou a Coreia do Sul de 1993 a 1994.

Família de aço

Durante toda sua sentença, o jovem Kim Ki-hwan cultivou um sentimento puro e genuíno: ele odiava pessoas ricas. Famílias abastadas, no topo da elite sul-coreana eram seu pior pesadelo. Sabia que, quando saísse, teria que acabar com elas.

Pensando nisso, quando foi solto, o ex-presidiário de 26 anos juntou mais cinco criminosos e fundou a gangue Mascan, em 1993. Em teoria, o nome do grupo, de origem grega, significava ambição — tradução que, na verdade, não existe.

Juntos, todos os membros do clã compartilhavam do mesmo rancor em relação às pessoas ricas e, com isso, planejavam conseguir sua vingança. O plano inicial era sequestrar pessoas da elite e extorquir suas famílias pedindo resgates exorbitantes. Mas as coisas logo saíram do controle e os crimes hediondos logo tomaram espaço.

Alguns dos membros da Família Chijon em entrevista / Crédito: Divulgação

 

Uma lista sangrenta

Não satisfeitos com os valores provenientes dos sequestros, Kim Ki-hwan e o resto da quadrilha decidiram por uma abordagem mais incisiva contra a camada rica da Coreia do Sul. Dessa forma, começaram a procurar por suas primeiras vítimas fatais.

A fim de encontrar os alvos perfeitos, os criminosos passavam horas observando o movimento das lojas mais caras e movimentadas de Seul. Vítima escolhida, os ex-prisioneiros, então, passavam a planejar o assassinato.

Ao final de 1994, os seis membros da gangue de Kim Ki-hwan já tinham sido responsáveis pela morte de cinco pessoas. Os métodos que a gangue seguia para cometer os homicídios variavam, mas o final era sempre o mesmo: uma morte cruel.

A frieza de assassinos

Sempre que o trabalho com vítima estava terminado, o grupo enterrava os corpos, ou queimava seus restos mortais. Os criminosos contavam, inclusive, com um incinerador, instalado de forma amadora em um de seus esconderijos.

Como se matar, queimar e enterrar pessoas não fosse o suficiente, um dos membros da gangue admitiu, posteriormente, que eles praticavam canibalismo com suas vítimas. Para ele, era uma forma de despertar sua coragem e renunciar à sua humanidade.

Foi apenas depois da curta, mas sanguinária, série de assassinatos que o grupo decidiu mudar de abordagem. Eles criaram um plano mais sofisticado, uma forma rápida e fácil de conseguir os nomes das pessoas mais ricas da Coreia do Sul.

Membros da Família Chijon após julgamento / Crédito: Divulgação

 

O plano fatal

Aproveitando do descontentamento de um funcionário, a quadrilha de assassinos conseguiu comprar uma lista dos consumidores de uma das lojas mais exclusivas de Seul. Eram 1,2 mil nomes e endereços de possíveis e, até então, prováveis vítimas.

Em setembro de 1994, no entanto, uma das mulheres sequestradas pelo bando conseguiu fugir. Não demorou muito para que ela denunciasse os criminosos e, assim, a gangue de Kim Ki-hwan passou a ser chamada de Família Chijon pelos oficiais.

Aos policiais, a mulher afirmou que teria sido obrigada a assistir e participar do assassinato de dois homens — atirando em um deles, e segurando a cabeça do segundo enquanto ele era sufocado.

Nada ficcional

Em novembro de 1994, todos os membros da Família Chijon foram condenados à morte pelo assassinato das cinco vítimas. Durante o julgamento, nenhum deles demonstrou qualquer remorso. Um dos criminosos, Kim Hyon-yang, de 22 anos, pelo contrário, afirmou que seu único arrependimento era não ter matado mais gente rica.

Um ano depois da sentença, a gangue foi executada, sem exceções, no dia 2 de novembro de 1995. Vinte anos mais tarde, o filme Non Fiction Diary decidiu contar a história dos criminosos, através de entrevistas com os personagens reais da história. Assim, detetives, o executor da pena de morte e até uma freira foram ouvidos.


+Saiba mais sobre crimes reais através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

A Vida Do Ives Ota - O Mensageiro Da Paz, de Ota Iolanda Keiko (1999) - https://amzn.to/3cf2qEQ

Suzane: assassina e manipuladora, de Ullisses Campbell (2020) - https://amzn.to/2WFlLso

O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, de Rogério Pagnan (Ebook) - https://amzn.to/2WD1tQj

Indefensável: O goleiro Bruno e a história da morte de Eliza Samudio, de Paula Sarapu e outros (Ebook) - https://amzn.to/2WCFvg5

Os Crimes Mais Cruéis do Brasil: Conheça os casos que mais chocaram o país, de Editora O Curioso (Ebook) - https://amzn.to/2SNqdnI

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W