Matérias » Bizarro

Paranoia e fuga: A viagem bizarra da Família Tromp

Um dia, eles decidiram partir deixando tudo pra trás. Os eventos que levaram à decisão abrupta, contudo, permanecem um mistério

Ingredi Brunato Publicado em 04/10/2020, às 09h00

Fotografia da família Tromp. Da esquerda para a direita: Riana, Mark e Jacoba,  Mitchell e Ella.
Fotografia da família Tromp. Da esquerda para a direita: Riana, Mark e Jacoba, Mitchell e Ella. - Divulgação

Era 29 de agosto de 2016, quando um casal de fazendeiros australianos, Mark e Jacoba Tromp, de 51 e 53 anos respectivamente, resolveram abandonar tudo que tinham: sua bem-sucedida fazenda, sua casa, as identidades, os passaportes e cartões de crédito. 

Não era uma viagem do qual eles pretendiam voltar: não levaram consigo nada que pudesse rastrear seus movimentos, apenas dinheiro vivo. Com eles, foram seus três filhos já adultos, Riana de 29, Mitchell de 25 e Ella de 22. 

Quando a família embarcou no carro naquele final de semana, tudo ainda poderia ser interpretado apenas como um passeio. Porém, à medida que os dias passaram e os Tromp não voltaram, os vizinhos começaram a se preocupar. 

O caso ganhou cobertura da mídia australiana à medida que os cinco Tromp foram se separando e aparecendo em lugares diferentes, em um caos de paradeiros sem motivos claros. Foi revelado que eles acreditavam que alguém queria matá-los, por isso sentiam a necessidade de “desaparecer”. 

A fuga 

Mitchell foi o primeiro a voltar para a casa. Em entrevistas explicou que os pais estavam cada vez mais estressados, descrevendo o que foi interpretado como sinais de quadros de paranoia. 

“Nunca vi nada assim. É muito difícil explicar ou colocar uma palavra sobre isso, mas eles estavam apenas temendo por suas vidas e então decidiram fugir", teria dito o jovem, segundo apurado pela BBC News. "Foi um acúmulo de eventos diferentes e normais do dia a dia - apenas pressão - e isso lentamente piorou com o passar dos dias."

Fotografia do pai Mark com a irmã mais nova, Ella. Crédito: Divulgação 

 

Embora a paranoia tenha começado com Mark e Jacoba, as irmãs também haviam sido parcialmente convencidas. O filho homem era o único que não acreditava estar em perigo. Ele teria acompanhado os pais apenas para tentar se assegurar de que todos ficariam em segurança, contudo, logo ficou claro que o conflito de opiniões não encontraria um fim pacífico. 

Mitchell foi o único Tromp que não deixou seu celular para trás, no entanto, os pais começaram a acreditar que estavam sendo rastreados por causa do aparelho, e obrigaram o jovem a jogá-lo pela janela. Depois disso, foi a gota d’água para o garoto, que decidiu abandonar os parentes na manhã seguinte.

Os desertores da fuga 

No mesmo dia que o irmão foi embora, Riana e Ella também deixaram os pais, roubando um carro. Não muito depois, as irmãs também se separaram: isso porque a mais nova queria voltar para a fazenda da família para alimentar seus cavalos, enquanto Riana ainda não se sentia segura para voltar para casa. 

Ella foi a primeira Tromp a ser localizada, chegando a fazenda naquela mesma noite. Mitchell, por sua vez, chegou na manhã seguinte - ele havia passado cerca de um dia pegando diversos trens para conseguir voltar. A trajetória da irmã mais velha, Riana, por outro lado, seria muito mais perturbada. 

Separados e perdidos 

A jovem de 29 anos teria subido escondida na parte de trás uma caminhonete, sendo descoberta pelo motorista uma hora mais tarde em pânico, claramente traumatizada pelos últimos acontecimentos. Riana disse que não sabia seu nome ou onde estava, de forma que o motorista da caminhonete a levou para o hospital local, onde recebeu atendimento psiquiátrico. 

Foi nesse ponto da viagem caótica que os próprios pais, Mark e Jacoba, decidiram se separar. A mãe seria encontrada pela polícia - a esse ponto, o caso já estava na mídia - no dia seguinte, agitada e vagando pé a quilômetros de distância do ponto de onde revelou mais tarde ter se separado do marido. Como a filha, ela precisou de tratamento psiquiátrico, e as duas foram internadas no mesmo hospital. 

O pai da família Tromp foi o último a ser encontrado. Cinco dias depois da partida apressada, ela ainda no carro em que a fuga começou. Também passou pela avaliação de um profissional de saúde mental, porém foi determinado que não precisava de acompanhamento especializado.

Embora Mark tenha mostrado o dedo do meio para os fotojornalistas presentes no momento em que foi encontrado, mais tarde ele publicaria uma mensagem em que pedia desculpas "pela dor e preocupação causadas por esses eventos". 

Explicações 

Um dos policiais do distrito da família Tromp resumiu a situação como "o caso mais bizarro que já vi em 30 anos".

Não havia perigo real, e os Tromp nunca haviam apresentado sintomas de problemas mentais. Portanto, qual foi o motivo da paranoia súbita? Na época, o termo francês “folie a deux”, que significa “loucura a dois”, foi citado nas especulações dos veículos locais. 

Trata-se de um quadro psicológico raro que aconteceria apenas com famílias muito unidas, em que um dos membros começa a sofrer de delírios, e desencadeia os mesmos sintomas em outro, de forma que eles entram em um ciclo de reforço mútuo das paranoias um do outro.


+Saiba mais sobre histórias bizarras através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

Bizarre World (Edição em Inglês), de E. Reid Ross (2019) - https://amzn.to/3l7L9Bt

Os Ladrões Mais Idiotas do Mundo, de Simon Vigar (2008) - https://amzn.to/3cPQ2wj

30 histórias insólitas que fizeram a medicina, de Jean-Noël Fabiani (2019) - https://amzn.to/3cUfh0d

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W