Matérias » Brasil

Passado colonial traumático: a triste saga do Índio isolado da TI Tanaru

Monitorado pela Funai na Terra Indígena (TI) Tanaru, o homem solitário é símbolo da violência que ocorreu no Brasil Colônia

Vanessa Centamori Publicado em 08/08/2020, às 08h00

Índio avistado pela Funai
Índio avistado pela Funai - Divulgação/Funai

Em Rondônia, na Terra Indígena (TI) Tanaru, vigiada pela Fundação Nacional do Índio (Funai), um homem vive totalmente isolado. Não conversa com ninguém. Ganhou assim o nome popular de "índio do buraco", por deixar valas, provavelmente armadilhas de caça, ou locais de esconderijo. No mais, deixou claro que não quer ser perturbado.

O remanescente passou por uma grande tragédia. É o que indica a Funai, que diz que ele pode ser o único sobrevivente da destruição que assolou a sua etnia. A fundação evita contato com grupos isolados, que estão nos seus respectivos direitos de residentes da floresta.

Em um comunicado oficial de 2018, disse ainda que "compete à Funai, por meio das CGIIRC e das CFPEs, garantir aos povos isolados o pleno exercício de sua liberdade e das suas atividades tradicionais". O que é feito, então, nesse sentido, são monitoramentos do morador da mata, que começaram há cerca de 24 anos. 

Uma cabana de palha chamada de "macolca", abandonada pelo "índio do buraco" / Crédito: Survival International/Divulgação 

 

A história do índio 

Fiona Watson, a diretora da Survival International, organização não lucrativa que cuida dos direitos de povos nativos, já visitou a área onde vive o índio isolado. "Ele passou por uma experiência muito violenta e vê o mundo como um local muito perigoso", contou a especialista, em entrevista à BBC. 

A Funai acredita que o indivíduo pertence a um grupo que foi exterminado, depois que um ataque matou seis membros em 1995. Ninguém foi punido pelo crime, mas os culpados seriam fazendeiros locais. O ataque acabou apagando a história da tripo do remanescente, que nunca recebeu um nome, e não se sabe qual é a sua língua.

As ameaças diante às comunidades indígenas, tais como as do "índio do buraco" são resultado de um passado colonial desordenado, no qual houve a instalação de fazendas e a exploração ilegal de madeira em Rondônia. A atividade madeireira resultou em ataques frequentes e genocídios contra os povos indígenas isolados.

Em junho de 1996, a Funai identificou a história traumática do povo, a partir da localização do acampamento dele e outros vestígios. Foram encontrados, por exemplo, cabanas de palha e instrumentos de uso manual, como tochas de resina e flechas.

"Quando a Funai finalmente confirmou sua presença, já havia apenas uma pessoa. No entanto, outros indícios anteriores levaram os servidores a crer que ali residia [no passado] um grupo maior", afirmou a fundação, em comunicado. 

Monitoramento 

Em um período de dez anos, de 2008 a 2018, a Funai fez, segundo divulgado, "57 incursões de monitoramento do indígena e cerca de 40 viagens para ações de vigilância e proteção da TI Tanaru". Nesse espaço de tempo, foram localizadas 48 moradias e o indivíduo foi filmado. 

A região onde ele se encontra fica em uma área de cerca de 8 mil hectares, circundada por fazendas e zonas desmatadas."A gente sempre sabe mais ou menos em qual igarapé e em qual parte da terra indígena ele se encontra. Monitoramos ele de longe", afirmou à BBC,  Altair Algayer, Coordenador da FPE Guaporé.

A região amazônica hoje possui a maior parte das tribos indígenas não contatadas do mundo, de acordo com a Survival International. Contatar-se de modo direto com os povos indígenas pode ameaçá-los, ao trazer para as comunidades isoladas riscos de morte por doenças só medicáveis para a população externa, como a gripe e o sarampo.

Por isso, é necessária uma abordagem profissional e cuidadosa. A Funai tentou se comunicar de longe com o indígena, entretanto, ele sempre recuou. Com o passar do tempo, os funcionários resolveram apenas deixar algumas ferramentas e sementes para plantio em áreas em que o indivíduo visitava.

Foram encontradas alguns anos depois plantações de ilho, batata, cará, banana e mamão. Era uma grande horta feita pelo indígena. Ele sobrevive sozinho com esses alimentos e a caça. 

Em comunicado, Altair Algayer, que trabalha na área, demonstrou sua admiração pelo sobrevivente. "Esse homem, que a gente desconhece, mesmo perdendo tudo, como o seu povo e uma série de práticas culturais, provou que, mesmo assim, sozinho no meio do mato, é possível sobreviver e resistir a se aliar com a sociedade majoritária. Eu acredito que ele esteja muito melhor do que se, lá atrás, tivesse feito contato", disse. 


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Nós: Uma antologia de literatura indígena, de Vários Autores (2019) - https://amzn.to/36Bm3ov

Políticas culturais e povos indígenas, de Manuela Carneiro Da Cunha (2016) - https://amzn.to/3er0YzX

Outras tantas histórias indígenas de origem das coisas e do universo, de Daniel Munduruku (2008) - https://amzn.to/36BSyD6

Línguas indígenas e gramática universal, de Bruna Franchetto, Marcia Maria Damaso Vieira, Marcus Maia e Miriam Lemle (2019) - https://amzn.to/2XzQiIx

Tekoa: conhecendo uma aldeia indígena, de por Olívio Jekupé (2011) - https://amzn.to/3gthOzT

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W