Matérias » Bizarro

Uma beffa bastante elaborada: A pegadinha que mobilizou Florença

No Renascimento, diversos habitantes da região italiana se uniram em um teatro bem planejado para enganar um carpinteiro

Redação Publicado em 29/08/2021, às 09h00

Fotografia do horizonte em Florença, na Itália
Fotografia do horizonte em Florença, na Itália - José Antonio Bielsa Arbiol/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

No coração de Florença erguese uma das joias mais preciosas do Renascimento, o domo da catedral de Santa Maria del Fiore. Construído usando a técnica do quinto acuto, ou quinto agudo, que garante o aspecto pontudo, foi a maior e mais alta cúpula erguida em mil anos. Seu arquiteto é um dos gênios do período, Filippo Brunelleschi. Ele não só projetou o domo, como também as ferramentas usadas para elevar os materiais à cúpula e um modelo construtivo que dispensava escoras.

Gênio, sim. Mas irascível. Antes de deixar seu nome marcado na História da arte e da arquitetura, Brunelleschi era famoso em Florença por causa de uma beffa — o equivalente a uma pegadinha, só que muito mais elaborada. Por volta de 1409, ele convidou um mestre carpinteiro, chamado Manetto di Jacopo, especializado em entalhes em ébano, para uma reunião social. O artesão não deu as caras e Brunelleschi urdiu uma vingança que ficou conhecida como “a história do carpinteiro gordo”.

O arquiteto entrou escondido na oficina de Manetto e a trancou por dentro. Quando o carpinteiro chegou, tempos depois, deu com o nariz na porta e ouviu uma voz como a sua vinda lá de dentro que dizia para que fosse embora (Brunelleschi era craque em imitações). Na rua, Manetto encontrou o pintor e escultor Donatello, amigo do arquiteto, que o chamou de Matteo — um sujeito bem conhecido em Florença.

Em seguida, um oficial de justiça deu voz de prisão a “Matteo”, com a acusação de não pagar dívidas. Na prisão, foi registrado como Matteo — até mesmo os outros prisioneiros, mancomunados com Brunelleschi, o chamavam dessa forma.

No dia seguinte, os irmãos do verdadeiro Matteo chegaram à prisão e encheram o carpinteiro de impropérios. Pagaram a suposta dívida e o levaram para casa, não sem antes acusá-lo de levar uma vida devassa. Manetto estava aturdido. No meio da tarde, foi drogado com uma poção e levado inconsciente de volta à oficina. Colocado para dormir nos pés da cama, enquanto o arquiteto mudava suas ferramentas de lugar, o carpinteiro foi acordado na manhã seguinte com batidas na porta. Era o verdadeiro Matteo.

O rapaz disse a Manetto que havia sonhado algo maravilhoso e assustador: havia se transformado no artesão. Disse que achou as ferramentas fora de lugar e as arrumou. Manetto se convenceu de que havia trocado de lugar com Matteo. Quando a beffa foi revelada, o artesão passou por tal constrangimento que decidiu trocar de cidade. Foi para a Hungria, longe da má índole de Brunelleschi.