Matérias » Entretenimento

Perseguições com machado e sexo forçado com amigos: As acusações contra Marilyn Manson

Desde que a ex-namorada do cantor, Evan Rachel Wood, o acusou de abuso, muitas outras mulheres quebraram o silêncio e falaram sobre o 'sadismo' do artista

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 13/02/2021, às 08h00

O cantor Marilyn Manson
O cantor Marilyn Manson - Wikimedia Commons

No começo de fevereiro, a atriz Evan Rachel Wood acusou o cantor Marilyn Manson de abuso. Eles mantiveram um relacionamento entre os anos de 2006 e 2010, período em que ela não tinha nem 20 anos de idade. O artista estava nos seus 36 anos.

Wood já tinha falado ao longo de sua carreira sobre ter vivido um relacionamento abusivo, mas nunca nomeou o abusador. Agora, ao anunciar o nome de Manson, ela fez com que outras mulheres tivessem a coragem de fazer o mesmo.

Depois da primeira denúncia contra o cantor, muitas outras surgiram, principalmente em depoimentos em redes sociais. Bastou que a atriz quebrasse o silêncio para que outras pessoas abusadas por Marilyn aparecessem e atestassem o mesmo.

A primeira denúncia

A atriz Evan Rachel Wood / Crédito: Wikimedia Commons

 

Evan Rachel Wood fez uma publicação em seu Instagram no dia 1º de fevereiro acusando Marilyn Manson de abuso. Segundo ela, o cantor a “manipulou psicologicamente” durante os anos em que eles mantiveram um relacionamento. 

"O nome do meu abusador é Brian Warner, também conhecido mundialmente como Marilyn Manson”, escreveu. “Ele começou a me aliciar quando eu ainda era uma adolescente e abusou terrivelmente de mim por anos. Eu sofri uma lavagem cerebral e fui manipulada à submissão”. 

“Estou cansada de viver com medo de retaliação, difamação ou chantagem”, afirmou. “Estou aqui para expor esse homem perigoso e chamar a atenção de muitas indústrias, que permitiram esse comportamento dele, antes que ele destrua outras vidas. Estou do lado das várias vítimas que não irão mais permanecer em silêncio".

No dia seguinte da denúncia, Manson veio às suas redes sociais para desmentir o caso. Ele afirmou que o relato não passava de uma “distorção da realidade” e que todas as suas relações íntimas foram “consensuais”.

"Meus relacionamentos íntimos sempre foram totalmente consensuais com companheiras que pensam como eu", escreveu. "Independentemente de como — e por quê — outras estão optando hoje por manipular o passado, esta é a verdade". 

"Obviamente, minha arte e minha vida sempre foram ímãs para polêmica, mas essas afirmações recentes sobre mim são horríveis distorções da realidade”, afirmou.

Outros relatos de abuso

Logo após a denúncia de Wood, pelo menos cinco mulheres afirmaram em publicações feitas na mesma rede social que tinham sido abusadas por Manson. Elas não eram tão famosas quanto a atriz. Um dos relatos foi da fotógrafa Ashley Walters, que trabalhou como assistente do cantor. 

“Parecia que eu era sua propriedade, porque ele me oferecia para encontros sexuais para agradar potenciais colaboradores ou amigos”, escreveu em um post. “Ele me isolou de meus amigos e família… Frequentemente se tornava violento, arremessando pratos de vidro e objetos pesados”.

A atriz britânica Esmé Bianco também relatou o abuso sofrido por ela durante o relacionamento que manteve com o artista, entre 2009 e 2011, em entrevista à New York Magazine. Definido por ela como um “predador em série”, ela afirma que o cantor quase a destruiu “e quase destruiu diversas mulheres”. 

Marilyn Manson e Esmé Bianco / Crédito: Getty Images / Wikimedia Commons

 

Ela afirmou que o compositor a agrediu diversas vezes, correu atrás dela com um machado e a amarrou com cabos. Machucada após o último episódio, a atriz contou que o ainda passou um vibrador sobre seus machucados.

“Eu me sentia como uma prisioneira. Eu fui como ele queria. Eu disse que estava sendo completamente controlada por ele. Eu ligava para minha família escondida no armário”, disse a artista. Em outro episódio triste, a atriz lembra que foi esfaqueada pelo músico e que era constantemente humilhada por seu parceiro.

Outra mulher que denunciou os abusos de Manson foi a atriz Bianca Allaine, em entrevista ao The Sun. Os dois se relacionaram quando ela ainda era adolescente, durante a década de 1990. Essas não foram as únicas denúncias feitas contra Manson: muitas outras mulheres seguiram o exemplo e falaram sobre as situações traumáticas que viveram com o cantor.

"Eu era como uma pequena marionete com a qual ele brincava, sinto que ele me usou 100%, ele não se importava comigo”, contou Allaine. “Era como se ele agisse para ver até que ponto eu poderia chegar para agradá-lo. Ele sente prazer com isso. Marilyn Manson é um sádico." 

"Em diversos momentos não ficávamos sozinhos no ônibus de turnê, e seu fetiche naquela época era ver as pessoas fazendo sexo comigo ou fazendo coisas comigo. Muitas vezes eu não queria fazer sexo com esses caras, mas ele dizia: 'Por favor, por favor, eu realmente preciso disso, eu preciso ver'", disse.

Consequências

De acordo com o The Hollywood Reporter, a gravadora Loma Vista Recordings rompeu contrato com Marilyn Manson após as denúncias, já no dia 2 de fevereiro. Além disso, ele também teve sua participação especial cortada das séries  "American Gods" e "Creepshow", dos canais Starz e AMC, respectivamente.

Em nota, a gravadora informou: "À luz das alegações perturbadoras de Evan Rachel Wood e outras mulheres nomeando Marilyn Manson como seu abusador, Loma Vista deixará de promover seu álbum atual imediatamente. Devido a esses desenvolvimentos preocupantes, também decidimos não trabalhar com Marilyn Manson em qualquer projeto futuro".