Matérias » Personagem

Perseguido pelo passado: O ator que matou acidentalmente o filho de Bruce Lee

Michael Massee ficou profundamente traumatizado depois da morte acidental do seu colega de trabalho, o que o marcou para sempre

Caio Tortamano Publicado em 29/09/2020, às 17h25

Michael Massee em Arquivo X
Michael Massee em Arquivo X - Divulgação - Fox

Um dos atores mais promissores da década de 1990, Brandon Lee morreu durante as filmagens do filme O Corvo, marcando uma das maiores tragédias de Hollywood.  Durante as gravações de uma cena, o personagem de Lee, Eric, levaria um tiro de uma arma de verdade, que estava equipada com balas de festim (inofensivas). 

O dispositivo que seria utilizado contra Brandon, entretanto, precisou ser carregado com munições reais para que os tiros parecessem verídicos em cenas que não contavam com a presença do artista — e, obviamente, não seriam usadas contra o ator. Porém, a produção se esqueceu de tirar uma das balas reais do cano do revólver.

O acidente

Na hora de rodar a cena, Michael Massee, um dos antagonistas da trama, responsável por efetuar o disparo fatal no personagem, acabou acertando o abdômen do filho do lendário ator Bruce Lee. Depois do disparo, Brandon não levantou mais, e uma agitação começou a tomar conta do set, e Massee especialmente ficou desesperado.

O ano era 1993, e, poucas horas depois do terrível acidente, Michael — assim como toda a equipe de filmagem — ficou sabendo que o protagonista tinha falecido na mesa de cirurgia. O triste episódio atormentou completamente o ator. Embora soubesse que não tinha culpa, o fato de ter puxado o gatilho e matado um companheiro de trabalho o perseguiria por toda a vida.

Fantasmas

Curiosamente, O Corvo diz respeito sobre um homem que volta do mundo dos mortos para vingar a morte de sua amada. Para azar de Massee, justo em um dos seus primeiros papéis para cinema não houve nenhuma intervenção mística, então precisou encarar realidade, e entendeu que somente conseguiria um pouco de paz se mudando de Los Angeles para Nova York.

Brandon no papel de Eric Draven no filme 'O Corvo' (1994) / Crédito: Divulgação / Universal Pictures

 

O filme foi terminado e lançado, alcançando certo sucesso de bilheteria muito por conta de toda a situação trágica que envolveu a produção do mesmo. Michael, porém, nunca conseguiu assistir a produção, mesmo longe do ambiente de filmes sentia culpa pela morte de Brandon.

Durante um ano não procurou outras produções, e se manteve longe dos holofotes para tentar esquecer completamente o episódio. Aparentemente, ele acabou fazendo uma trégua com o  passado, e retornou aos cinemas como um policial racista e corrupto no filme Tales from the Hood (1995).

Trabalhos seguintes

Na verdade, essa foi a tônica predominante nos filmes que seguiram na carreira artística de Michael. Sempre interpretando um vilão, aparentemente nem mesmo a indústria cinematográfica conseguia enxergar o artista como outra coisa senão o 'assassino' de Brandon Lee.

Michael Massee em 2014 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Um dos papéis marcantes de Massee foi o do vilão Ira Gaines na primeira temporada de 24 horas, além de ter trabalhado na dublagem do super vilão Spellbinder no desenho animado O Batman, e como um dos antagonistas num episódio de Arquivo X, em que interpretava um excêntrico líder de uma seita. 

Porém, ele também encarou outros papéis — nunca de maior expressão — em que não era o vilão, como na série Supernatural, no filme A Estrada Perdida e até mesmo dublando o herói Hulk no desenho Ultimate Avengers. Ao final de sua carreira, acabou trabalhando mais em pontas em séries televisivas do que em qualquer outro formato.

Memória presente

Mais de 10 anos depois do acidente, em uma entrevista dada em 2005, Massee contou que ainda sofria pesadelos com o episódio trágico envolvendo Bruce Lee. Portanto, é razoável imaginar que o trauma o perseguiu até o inevitável fim que encontrou para sua vida.

Em outubro de 2016, Massee foi acometido por um grave câncer no estômago. Com o avanço da doença, sua condição acabou piorando, falecendo pouco tempo depois em 20 de outubro, com apenas 64 anos de idade.


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W