Matérias » Canadá

A perturbadora história dos internatos de crianças indígenas no Canadá

Relatos assustadores foram relembrados após a descoberta de 215 esqueletos infantis no último mês

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 09/06/2021, às 10h11

Escola Residencial Kamloops Indian, em British Columbia, no Canadá, em meados de 1950
Escola Residencial Kamloops Indian, em British Columbia, no Canadá, em meados de 1950 - Department of Indian Affairs and Northern Development/Library and Archives Canada

No final do último mês, a comunidade indígena Tk'emlups te Secwepemc descobriu restos mortais de 215 crianças, que foram enterradas na Escola Residencial Kamloops Indian, em British Columbia, no Canadá. O caso gerou comoção e repercutiu em todo o mundo.

O triste episódio fez com que novas considerações fossem feitas sobre o genocídio cultural que vem sendo realizado contra os indígenas americanos ao longo dos séculos. No local em questão, inúmeras injustiças foram cometidas contra crianças indígenas, mestiças e inuítes.

Conforme o UOL, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, declarou durante coletiva: "É uma triste lembrança deste obscuro e lamentável capítulo da nossa história. Meus pensamentos estão com todos os afetados por esta terrível notícia". 

Embora a descoberta tenha sido triste e totalmente chocante, a verdade é que ela não é única na história do Canadá. Afinal, o internato em questão funcionou ao longo de anos, mas foi apenas um de muitos, que apresentavam uma política responsável por um terrível genocídio cultural.

Em internatos católicos

Escola Kamloops em 1930 / Crédito: Divulgação/Archives Deschâtelets-NDC

 

Em 2015, um relatório da Comissão de Verdade e Reconciliação foi publicado no Canadá, relatando o que aconteceu em comunidades indígenas do país entre os anos de 1863 a 1998. Durante esse período, cerca de 150 mil crianças foram separadas de suas famílias.

Elas eram levadas para internatos que funcionavam principalmente a partir da orientação da Igreja Católica, mas que eram administrados pelo próprio governo do Canadá. Internados à força, os jovens passavam por uma assimilação cultural constante.

Como relatou a BBC, as crianças eram proibidas de falar sua língua materna: apenas o inglês ou o francês eram permitidos nas instituições. Caso elas falassem as próprias línguas, funcionários das instituições poderiam lavar as bocas dos menores com sabão e até mesmo dar puxões de orelhas. 

Na tentativa de apagar a origem indígena dessas crianças, elas também não podiam praticar nada relacionado a sua cultura. Tudo o que poderiam fazer era aceitar as ordens do internato e se converter ao cristianismo, religião que moldava toda a atuação das instituições.

Conforme o documento de 2015, "essas medidas faziam parte de uma política coerente para eliminar os aborígenes como povos distintos e assimilá-los na corrente dominante canadense contra a sua vontade".

Os jovens viviam em condições precárias, com falta de médicos, em ambientes insalubres e mal-construídos, que não garantiam sua própria segurança. Se isso não fosse o suficiente para que muitos morressem nesses locais, muitos foram sofreram abusos físicos, psicológicos e até mesmo sexuais.

Ao longo dos anos em que essas escolas funcionaram, cerca de 6 mil crianças morreram enquanto estavam internadas à força. Os dados foram documentados pela Comissão de Verdade e Reconciliação. Segundo o Projeto Crianças Desaparecidas, esse número pode chegar a até 4,1 mil crianças.

Um relato do terror

Fachada da escola / Crédito: Divulgação/Global News

 

Quando o relatório sobre o tema foi publicado em 2015, histórias de pessoas que viveram sob essas terríveis condições, mas sobreviveram, começaram a vir à tona. A BBC entrevistou, naquele ano, Joseph Maud, que foi internado em 1966, aos cinco anos de idade.

Separado de sua família, ele foi levado ao internato Pine Creek, em Manitoba, no Canadá, onde passou por situações angustiantes. Maud contou que não podia falar a própria língua, nem praticar nada relacionado aos costumes de seu povo."Mas a maior dor era estar separado dos meus pais, primos e dos meus tios e tias", afirmou.

Ele também relatou episódios específicos em que foi humilhado por freiras responsáveis pela instituição em que ficou por anos. O homem contou que, certa vez, ele urinou na cama em que dormia, um ato comum para uma criança. 

A reação da freira responsável por seu quarto, porém, foi impiedosa: ela esfregou o rosto da criança contra a própria urina. "Foi muito degradante e humilhante. Porque eu estava em um dormitório com outras 40 crianças", disse.

Outro momento truculento vivido por ele aos apenas cinco anos de idade foi quando freiras o obrigavam a ajoelhar no chão de concreto da igreja do internato. Elas afirmavam que "essa era a única forma para que Deus o escutasse". "Eu estava chorando quando me ajoelhei e pensei: quando isso vai acabar? Alguém me ajuda", completou.


+Saiba mais sobre o tema por meio das obras disponíveis na Amazon

Políticas culturais e povos indígenas, de Manuela Carneiro da Cunha (2016) - https://amzn.to/3d2JGZa

Carlisle Indian Industrial School: Indigenous Histories, Memories, and Reclamations (2016) - https://amzn.to/2KOcF6Y

Amazônia Indígena, Marcio Souza (2015) - https://amzn.to/2ZpKbHk

Rebelião na Amazônia, Mark Harris (2018) - https://amzn.to/2rsVa66

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du