Matérias » Idade Moderna

Petrus Gonzales: “menino-lobo” na realeza

No século 16, o rei da França adotou – e criou como um membro da realeza – um garoto com condição rara, que se tornou sensação na Europa

Ramon Botifa Publicado em 07/05/2017, às 07h00 - Atualizado em 07/06/2018, às 14h39

Retrato italiano de Antonietta Gonzales, filha de Petrus
Retrato italiano de Antonietta Gonzales, filha de Petrus - Wikimedia Commons

Petrus Gonzales nasceu em 1537, nas ilhas Canárias. O menino era muito, muito peludo – tinha cabelo até na palma das mãos. A notícia logo chegou ao continente: as ilhas Canárias – que ficam no oceano Atlântico, a oeste do Marrocos, receberam esse nome pelo grande número de cães (canis) que lá foram encontrados na Antiguidade. Seria Petrus, então, uma espécie de "menino-lobo"?

Aos 10 anos, ele foi morar em Paris. Ninguém sabe ao certo quem deu o garoto "de presente" ao rei Henri II, conhecido por sua atração por coisas e pessoas exóticas. O fato é que sua majestade gostou do menino desde o início e garantiu que ele fosse educado como um membro privilegiado da corte. Petrus teve aulas de latim e boas maneiras, ganhou um emprego, casou-se e teve quatro filhos e três filhas, quase todos peludos como ele.

Petrus Gonzales Wikimedia Commons

A saga dessa família incomum na Europa renascentista é o tema de The Marvelous Hairy Girls: The Gonzales Sisters and Their Worlds (As Maravilhosas Meninas Peludas: As Irmãs Gonzales e Seus Mundos), da historiadora Merry Wiesner-Hanks. "Eu estava fazendo uma pesquisa sobre outro tema quando me deparei com a imagem de Antonietta (uma das filhas de Petrus). Não consegui esquecer aquele rosto peludo e infantil. Decidi, então, investigar a fundo a história da família Gonzales. A pintura que despertou minha curiosidade virou a capa do livro", conta Merry, que é professora de história na Universidade de Wisconsin-Milwaukee (EUA).

Em sua pesquisa, a historiadora encontrou citações sobre Petrus, sua mulher e seus filhos em cartas, certidões de batismo, obituários, livros e relatórios médicos e diplomáticos dos séculos 16 e 17.

Freak show

Para Henri II, quanto mais bizarro, melhor. Em turnês que passavam por centenas de cidades e duravam anos, a corte francesa produzia espetáculos com figuras extraordinárias e seus feitos incríveis. Numa dessas viagens, em 1550, uma "vila brasileira" foi reproduzida com papagaios, árvores, macacos, ocas, redes e 50 índios de verdade.

Nus, dançaram, cantaram e lançaram flechas de fogo, incendiando as ocas. A França, na época, ocupava um pedaço do Brasil, na região do Rio de Janeiro. Apesar da presença de atrações inusitadas como essa, a chegada de Petrus causou alvoroço na corte francesa. A princípio, ninguém sabia o que fazer com o menino. Pensaram em mandá-lo para um zoológico.

Outra opção seria treiná-lo para entreter o rei, como fizeram com um grupo de anões – nesse caso, a piada era vesti-los de monarca. Para a sorte do garoto, Henri II tinha outros planos. Mais que um humano com cara de cachorro, ele queria um humano com cara de cachorro que se comportasse como um nobre.

Petrus foi nomeado assistente do carregador de pão do rei, cargo que exigia um treinamento protocolar. Uma caverna foi construída para o garoto num dos parques da realeza. "Diziam que a ideia era amenizar a saudade que Petrus sentia de casa, mas claro que estavam apenas criando uma sensação para impressionar os visitantes", afirma Merry.

Rosto escondido

O primeiro registro sobre sua chegada à Europa é uma carta do representante na corte francesa do duque de Ferrara, Giulio Alvarotto, a seu mestre: "O rei está com um menino, de cerca de 10 anos, nascido nas Índias, que tem o rosto completamente coberto de cabelos desde que nasceu, exatamente como as pinturas de homens selvagens das florestas. Os pelos têm cerca de cinco dedos de comprimento. São muito finos, o que torna possível ver todos os traços de seu rosto. O pelo é louro-claro e muito delicado e fino, como o de um antílope, e tem um cheiro bom. Ele fala espanhol e se veste como uma pessoa normal. Mas o pelo o deixou frustrado para o resto da vida. Aqueles que cuidavam dele o deram para nossa majestade".

Mais tarde, Gonzales virou secretário confidencial do rei, casou-se com uma mulher chamada Catherine e teve sete filhos. Um deles, Ercole, morreu muito cedo e nada se sabe sobre sua aparência. Entre os demais, apenas outro menino, Paulo, não era peludo. As três filhas, portanto, herdaram a condição do pai.

Entre 1580 e 1590, toda a família viajou em direção ao sul da Europa. Na Suíça, foram examinados pelo médico Felix Platter, que publicou um livro com observações sobre os Gonzales: "Em Paris, havia um homem excepcionalmente peludo em todo seu corpo, muito querido do rei Henri II e que fazia parte de sua corte. As sobrancelhas e o cabelo na testa eram tão longos que ele tinha que puxá-los para poder enxergar".

Passando os genes

Em Parma, na Itália, os Gonzales caíram nas graças da família mais influente da cidade, os Farneses, que tinha papas, cardeais e generais entre seus membros. O duque Ranuccio Farnese deu um dos meninos de presente a seu irmão, o cardeal Odoardo. Enrico, já com 18 anos, posou por ordem do cardeal para o pintor Agostino Carracci. O quadro Enrico, o Cabeludo entrou para a coleção de "animais" do cardeal. Além dele, estavam na coleção Pietro, o Bobo, Amon, o Anão, dois cachorros, dois macacos e um papagaio. Antonietta foi dada de presente à marquesa de Soragna, Isabella Pallavicina. Tratada como animal de estimação, a menina era sempre levada a festas por sua "dona".

Os Gonzales eram constantemente examinados por médicos e tiveram seus retratos pintados diversas vezes. Apesar dos bons modos e dos belos vestidos de brocado que usavam, Maddalena, Francesca e Antonietta eram descritas como selvagens, monstros, bestas ou aberrações. Francesca morreu criança. Maddalena foi a única que se casou.

Maddalena Gonzales Wikimedia Commons

No século 16, eram comuns os casamentos arranjados. Paulo, Orazio e Enrico (quatro vezes) também se casaram. As esposas eram sempre meninas de famílias pobres.

No caso de Maddalena, a história foi diferente. Ela vivia em Parma, sob a guarda do duque Farnese, e também não tinha bens. Para torná-la mais atraente, o duque deu a ela um belo dote: uma casa na cidade (era costume a família da noiva oferecer bens ou dinheiro ao noivo). Escolhido pelo próprio duque, o marido se chamava Giovan Maria Avinato e cuidava dos cães de caça dos Farneses. A autora levanta a questão: "Será que Ranuccio e Odoardo Farnese escolheram um homem com essa ocupação para ser marido de Maddalena, a Cabeluda, porque eles acharam adequado ou porque acharam divertido?"

Enrico, Paulo, Orazio e Maddalena tiveram filhos. Há registros de que pelo menos dois netos de Petrus e Catherine Gonzales nasceram peludos também. Nenhuma pintura foi feita. "Aos poucos, a herança genética desapareceu", diz Merry.


Condição rara

Supatra Sasuphan em 2011 Reprodução / Today
 
A doença dos Gonzales é conhecida como hipertricose congênita, ou síndrome de Ambras. É causada por mutação genética e não tem cura. Petrus foi o primeiro caso registrado. Hoje há cerca de 100. Um dos casos mais notórios é o da tailandesa Supatra Sasuphan, que entrou para o Guinness em 2011, aos 11 anos, como a menina mais cabeluda do mundo. Sem antecedentes na família, Supatra tentou resolver o problema com depilação a laser. Mas os pelos cresceram novamente.

Saiba mais

 The Marvelous Hairy Girls: The Gonzales Sisters and Their Worlds, Merry Wiesner-Hanks, 2009.