Matérias » Esporte

Pódio rubro-negro: as conquistas do Flamengo que vão além do futebol

Presente em diversos outros esportes, o clube tem uma grande história nas Olimpíadas

Pamela Malva Publicado em 17/12/2019, às 18h03

Torcedora do Flamengo com camiseta e amuletos
Torcedora do Flamengo com camiseta e amuletos - Getty Images

O ano de 2019 foi especial para o Flamengo, com diversas conquistas tanto nacionais, quanto internacionais. Os fãs do mengão viram seu time sair do Ninho do Urubu, no Rio de Janeiro, e viajar até Lima, no Peru, para conquistar a taça da Copa Libertadores da América.

Logo no dia seguinte, a torcida nem descansou e já comemorou o primeiro lugar no Campeonato Brasileiro. Os fogos rubro-negros, é claro, não foram o suficiente para tantas conquistas, ainda mais com a vitória na Taça Rio.

Mesmo assim, o que pouca gente lembra é que, muito antes de 2019, o Clube de Regatas do Flamengo já fazia história. Foi através de ouros esportes que o mengão conquistou 22 medalhas nas Olimpíadas, permitindo que os flamenguistas tivessem ainda mais orgulho.

Em 1948, as primeiras medalhas vieram com Alfredo da Motta, Afonso Azevedo e Zenny de Azevedo. Os três faziam parte do time de basquete brasileiro que ganhou terceiro lugar. Em 1960, o basquete nacional ganhou mais três medalhas de bronze com Fernando Pereira, Waldyr Geraldo e, de novo, Zenny de Azevedo.

Zenny de Azevedo, o Algodão, jogando basquete pelo Flamengo / Crédito: Wikimedia Commons

 

Poucos anos antes, José da Conceição foi premiado com o bronze em salto em altura, em 1952, representando o mengão no atletismo. Anos depois, em diversas modalidades, foi a vez da natação do Flamengo brilhar.

José da Conceição correndo na pista com obstáculos em 1960 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Jorge Fernandes ganhou bronze nos 4x200 metros livres, em 1980, e Ricardo Prado conquistou a prata nadando os 400 metros medley, em 1984. Fernando Scherer, o Xuxa, por sua vez, garantiu duas medalhas de bronze ao mengão, uma pelos 50 metros livres em 1996 e outra no revezamento 4x100 metros, no ano de 2000. Por último, César Cielo levou bronze nos 50 metros livres, em 2012.

O ano de 2000 também foi importante para três rubro-negras que trouxeram medalhas de bronze para seu clube. Kátia Lopes, Leila Barros e Virna Dias fizeram parte do time de vôlei brasileiro que participou dos Jogos Olímpicos de Verão em Sydney, na Austrália, junto de outras nove jogadoras.

Leila Barros e César Cielo, respectivamente / Crédito: Wikimedia Commons

 

Por fim, o time também conquistou os degraus do pódio nas olimpíadas. A primeira medalha de prata veio com Augilmar Oliveira, em 1984. Em seguida, mais quatro foram conquistadas por Jorginho, Andrade, Zé Carlos e Bebeto, em 1988. Esse último ainda trouxe uma medalha de bronze, junto de Sávio Bortolini, em 1996.

A tradição rubro-negra vem de longe, carregando as cores da camisa por onde quer que o time passe. Nesse sentido, não é de se espantar que os flamenguistas sejam tão apaixonados pelo C. R. Flamengo — que também apresenta jogadores em esportes como bocha, ginástica artística, judô, remo e showbol.


+Saiba mais sobre o tema através dos livros abaixo

Um Flamengo Grande, Um Brasil Maior, Renato Coutinho (2019)

link - https://amzn.to/2PU4fNv

Como o futebol explica o mundo, Franklin Foer (2005)

link - https://amzn.to/36LIzde

Brasil em jogo, Andrew Jennings (2014)

link - https://amzn.to/2PVfrcN

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.