Matérias » Mundo

Ponto de encontro e troca de ideias: A revolução nas cafeterias

Ao sabor de doces e quentes goles de chá e café, conspirações viraram revoluções, conversas tornaram-se vanguardas artísticas e clientes assíduos, heróis políticos lembrados até hoje

Lia Hama Publicado em 01/08/2021, às 09h00

Imagem meramente ilustrativa de café
Imagem meramente ilustrativa de café - Divulgação/ Pixabay/ Free-Photos

Armado com duas pistolas, o revolucionário Camille Desmoulins dirige-se inflamado à multidão: "Às armas, cidadãos!". O cenário é o Café de Foy, em Paris, um dos muitos locais onde os iluministas — os intelectuais que estabeleceram o racionalismo e os ideais democráticos da Europa do século 18 — se encontravam para articular a ação contra o regime monárquico francês.

Dois dias depois, em 14 de julho de 1789, os parisienses tomaram a Bastilha, onde ficavam os prisioneiros políticos do Antigo Regime. E tem início a Revolução Francesa. Bastidores de acontecimentos históricos como esse, os cafés europeus se tornaram ao longo dos séculos 17 e 18 um ponto de encontro e troca de ideias entre políticos, escritores, cientistas e homens de negócios.

Foi ao redor de suas mesas que Danton, líder da Revolução Francesa, ou Lenin, o maior líder comunista da Rússia, conheceram seus companheiros e tramaram ações. E onde frequentadores comuns, ao preço de uma xícara de café, podiam se informar sobre as últimas fofocas da corte, ler notícias de outros países, assistir a palestras científicas, fechar negócios e discutir política e literatura.

Os cafés eram, enfim, um inédito espaço público onde a informação circulava livremente. Diferentemente das tabernas, onde se vendiam bebidas alcoólicas, os cafés eram ambientes de sobriedade, muitas vezes decorados com prateleiras de livros.

Retrato de Camille Desmoulins / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

"Em meados do século 17, não apenas o chá — o primeiro a ser popular — mas também o chocolate e o café se tornaram bebidas comuns pelo menos entre as camadas mais altas da população", afirmou, no livro 'Mudança Estrutural da Esfera Pública', o filósofo alemão Jürgen Habermas, ele próprio um assíduo frequentador das casas.

Originário da Etiópia, o café foi rapidamente assimilado pelos europeus. Era, por excelência, a bebida do racionalismo, tão em voga naquela época. Sóbrias e tranquilas, as casas de café propiciavam conversas e discussões polidas em contraste com a vulgaridade do ambiente das tabernas. Clérigos, escritores e empresários viram no consumo da bebida uma ótima forma de estimular a atividade mental.

Na primeira década do século 18, Londres já tinha cerca de 3 mil coffee houses, todas com seus círculos de frequentadores, sempre homens. Cada estabelecimento atraía um tipo de clientela, geralmente de acordo com a localização.

Os cafés em torno do Palácio de Westminster, a sede do Parlamento Britânico, eram frequentados por políticos; os de perto da Catedral St. Paul, por clérigos e teólogos; os vizinhos da Bolsa de Valores, por homens de negócios. Em torno do Lloyd’s se reuniam donos de navios, capitães e mercadores, que iam ao local para saber das últimas novidades do comércio marítimo.

Retrato de Georges Danton, líder da Revolução Francesa / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

Edward Lloyd, dono do estabelecimento, começou a reunir as informações numa espécie de jornalzinho distribuído para assinantes. Bem informado sobre as oportunidades do negócio, ele decidiu fundar, em 1688, uma seguradora que dava cobertura aos mercadores que perdiam seus navios no mar.

Com mais de três séculos de existência, a Lloyd’s of London é hoje uma gigante do setor. Além de ponto de encontro, muitos cafés funcionavam como endereço para correspondências dos leitores. Era o caso de Richard Steele, editor do jornal britânico Tatler. Steele usava o Café Grecian como seu escritório e era lá onde recebia suas cartas.

Quando a primeira edição do Tatler foi publicada, em 1709, os cafés na Europa eram tão numerosos e os círculos de seus frequentadores tão amplos, que os contatos entre esses milhares de grupos só podiam ser feitos por meio de jornais. Foi a partir dessa necessidade que muitos deles surgiram.

Rapidamente os artigos de jornais se tornaram objeto de discussão do público das casas. Ao mesmo tempo, refletiam os debates que aconteciam nesses locais. "No Tatler, no Spectator e no Guardian o público tinha um espelho de si mesmo", afirmou Habermas, em 'Mudança Estrutural na Esfera Pública'. Como bem definiu a revista britânica The Economist, essa rede de troca de informações entre os cafés europeus formava "a internet da era iluminista".

Imagem meramente ilustrativa de cafeteria / Crédito: Dovulgação/ Pexels/ Nguyễn Khanh

 

Revolução e espionagem

Em Paris, esse ambiente de discussões acaloradas suscitou a desconfiança do poder. Para acompanhar o que se fazia e o que se falava nos cafés, o rei Luís XVI enviava espiões em busca de possíveis complôs contra ele. Qualquer um que exagerasse ao falar contra o Estado corria o risco de ser arrastado para a Bastilha, cujos arquivos reuniam centenas de conversas colhidas por informantes. A desconfiança não era sem fundamento.

"O clube dos jacobinos [o maior e mais radical partido político da Revolução] tomava decisões nesses locais. Reunidos, eles escreviam textos que saíam publicados nos cadernos da Enciclopédia e lançavam verbetes críticos ao Antigo Regime", contou a historiadora Vera Lúcia Vieira. Mas Luís XVI deveria ter se preocupado mais com as conversas dos cafés parisienses.

Se tivesse agido assim em 1789, poucos meses antes da Queda da Bastilha, talvez não fosse guilhotinado, três anos depois, a mando de assíduos frequentadores de cafés, como Danton, Marat e Robespierre. Quando eram advogados ou estudantes, esses líderes da Revolução Francesa, temidos por toda a Europa aristocrática, travaram seus ideais no Le Procope. Fundada em 1686 e tida como a mais antiga de Paris em operação, essa casa tornou-se um quartel-general dos jacobinos.

"Aqueles que se reuniam no Le Procope viram, com um brilho penetrante no fundo de sua bebida preta, a iluminação do ano da revolução", descreveu o historiador francês Jules Michelet na obra 'História da Revolução Francesa'.

No século 20, os cafés parisienses voltariam a abrigar revolucionários de calibre. Exilado pelo regime tsarista antes da Revolução Russa, Lenin passou os anos de 1909 e 1910 na cidade, frequentando a Biblioteca Nacional da França e os cafés da margem esquerda do Rio Sena, como o Rotunda e o Dôme. Passava noites nessas casas, discutindo com Leon Trotsky, outro comunista exilado, os rumos da Rússia e as brechas do governo do tsar Nicolau II. Suas ideias foram colocadas em prática na Revolução de 1917.

Imagem meramente ilustrativa de café parisiense / Crédito: Domínio Público/ Jean Beaufort

 

Vanguardas

Com a ampliação das ruas de Paris e a construção das grandes avenidas e bulevares, os cafés cairiam de vez na moda, de onde não sairiam mais. Tantas pessoas ficavam nas mesas observando o movimento da rua que o fenômeno inspirou o comentário do escritor francês Émile Zola sobre "as grandes multidões silenciosas vendo a rua viver".

Esse novo impulso dos cafés acompanhou a ascensão das vanguardas artísticas, cujos representantes tinham tempo e dinheiro de sobra. Na década de 1920, as atrações dos cafés passaram a ser surrealistas como Salvador Dalí e o poeta Jean Cocteau.

Mas o principal quartel-general dos vanguardistas estava em Zurique, na Suíça: o Cabaré Voltaire, fundado em 1916 pelo poeta alemão Hugo Ball. O local foi o celeiro do dadaísmo, movimento artístico liderado pelo poeta romeno Tristan Tzara, que pregava uma arte livre das amarras do racionalismo. Como o revolucionário Camille Desmoulins, que dois séculos antes conclamara seus ouvintes a sair às ruas, Tzara gritava manifestos contra o funcionalismo e pela liberdade da arte. Ao sabor de goles quentes de café.


+Saiba mais sobre culinária através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

História da Culinária em 100 Receitas, de William Sitwell (2013) - https://amzn.to/2Sj0eXG

História da alimentação, de Massimo Montanari (2003) - https://amzn.to/3fE4V6r

De caçador a gourmet - Uma história da gastronomia, de Ariovaldo Franco (2001) - https://amzn.to/3hWPA43

História da Alimentação no Brasil, de Luís da Câmara Cascudo (2011) - https://amzn.to/3wnuqzH

Memórias gastronômicas de todos os tempos: Seguido de Pequena história da culinária, de Alexandre Dumas (2005) - https://amzn.to/3fzsJIM

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W