Matérias » Civilizações

Por que alguém acreditaria que a Terra é plana?

Em pleno século 21, a insólita teoria conspiratória é amplamente difundida. Por que?

Peter Ellerton Publicado em 07/09/2019, às 08h00

None
- Reprodução

A crença em uma Terra plana parece um pouco com a tentativa de erradicar a poliomielite - exatamente quando você pensa que ela se foi, um núcleo de resistência aparece. Mas os terraplanistas sempre estiveram conosco; eles geralmente operam por debaixo do senso de conscientização pública.

Em 2016, o rapper BoB destacou tal ideia por meio de seus tweets e com o lançamento de seu single Flatline, no qual ele não apenas diz que a Terra é plana, mas mistura isso com uma série de outras ideias estranhas.

Isso inclui as noções de que o mundo é controlado por reptilianos, que certas celebridades são clonadas, que os maçons manipulam nossas vidas, que o sol gira em torno da Terra e que os Illuminati controlam a Nova Ordem Mundial. Nada mal para uma música.

Mesmo ignorando que essas ideias são inconsistentes (somos governados por lagartos, pelos Freemanson ou pelos Illuminati?), o que inspiraria essa infinidade de ilusões? A resposta é direta, na medida em que é razoavelmente clara em termos psicológicos, e problemática, na medida que pode ser difícil de corrigir.

Fazendo nossas próprias narrativas

As histórias que nos definem como cultura, grupo ou espécie são frequentemente complexas e multifacetadas. Eles falam de muitas coisas, incluindo a criação, natureza, comunidade e progresso.

Criamos histórias por dois motivos. O primeiro é providenciar poder explicativo, dar sentido causal ao mundo à nossa volta e ajudar a navegar pelos cenários de nossas vidas. A segunda razão é para nos dar significado e propósito.

Não apenas entendemos nosso mundo através de histórias, como entendemos nosso lugar nele. As histórias podem ser religiosas, culturais ou científicas, mas têm o mesmo objetivo.

Há quem leve bem a sério essa teoria / Crédito: Reprodução

 

Narrativas científicas

Na ciência, nossas histórias são desenvolvidas ao longo do tempo e se baseiam no trabalho de outras pessoas. A narrativa da evolução, por exemplo, fornece um poder explicativo de tirar o fôlego. Sem ele, o mundo é simplesmente um caleidoscópio de formas e cores. Com ele, cada organismo tem função e propósito.

Como o geneticista e evolucionista ucraniano-americano Theodosius Dobzhansky disse em seu famoso ensaio: “Nada na biologia faz sentido, senão à luz da evolução”.

Através da evolução, desenvolvemos uma compreensão de como nos encaixamos no esquema da vida e na vasta e profunda história do nosso planeta. Para muitos de nós, esse conhecimento provê significado e uma apreciação do fato de existirmos.

Da mesma forma, a história da formação do nosso sistema solar é rica, convincente e inclui a explicação de por que a Terra é, de fato, mais ou menos esférica.

Então, por que alguém rejeitaria tudo isso?

Uma razão pode ser que, para aceitar descobertas científicas convencionais, seja necessário rejeitar uma narrativa existente. Esse é o caso da evolução nas interpretações fundamentalistas da Bíblia.

Para os religiosos, aceitar a evolução exige rejeitar sua visão de mundo. Não se trata de ponderar evidências científicas, mas de manter a coerência e a integridade de sua narrativa. A busca desesperada e mal sucedida de evidências que contradigam a evolução dos jovens criacionistas da Terra é uma manifestação dessa tentativa de purificação ideológica.

Outro motivo para rejeitar as narrativas científicas, é que sentimos que não temos significado dentro delas ou que não pertencemos à comunidade que as criou.

Como já foi dito sobre teorias da conspiração, em um mundo em que há tanto conhecimento e em que individualmente, temos pouco dele, às vezes é difícil nos vermos significativos.

Há muitos pseudoargumentos para sustentar que a Terra é plana / Crédito: Reprodução

 

Além do mais, a ciência é difícil. Portanto, se queremos possuir tal narrativa, isso pode dar um pouco de trabalho.

Liberdade de racionalidade

É por isso que é tentador encontrar uma maneira de pensar sobre o mundo que, ao mesmo tempo, desconsidere a necessidade de enfrentar a ciência e nos restaure uma posição social privilegiada.

Rejeitar a ciência e adotar uma visão alternativa, como a Terra ser plana, move o indivíduo da periferia do conhecimento e do entendimento para uma posição privilegiada entre aqueles que conhecem a verdade.

Nas letras de BoB , ele se declara "livre pensador". Nesta nomeação, vemos um vislumbre da justificativa que ele se dá para rejeitar a ciência, considerando ser “culto”.

Em vez disso, ele apela ao bom senso para estabelecer que a Terra deve ser plana. O apelo ao senso comum é uma maneira característica de reivindicar ser racional, enquanto nega a racionalidade coletiva da comunidade científica (um argumento típico no negacionismo climático).

Trata-se também de recuperar um sentimento de independência e controle. Sabemos por pesquisas que existe uma correlação entre sentir uma falta de controle em sua vida e acreditar nas teorias da conspiração.

Se conseguirmos superar a tendência do pensamento dominante e encontrar um lugar do qual possamos ter uma visão única e controversa, poderemos esperar ser mais significativos e encontrar um objetivo ao qual possamos prestar nossos talentos.

Voltando da borda

Então, como poderíamos nos envolver com alguém que tem essas crenças? Essa não é uma tarefa fácil, mas duas coisas são importantes.

A primeira é ter à disposição os fatos e seus meios de verificação - afinal, você precisa de algo para apontar. Às vezes, se a narrativa é fraca ou tensa, isso pode funcionar.

Crédito: Reprodução

 

A segunda coisa, isso porque os fatos geralmente são insuficientes, é entender o estilo e a profundidade da narrativa que o indivíduo desenvolveu e as razões pelas quais ela foi desenvolvida. É a partir desse ponto que se pode progredir contra uma oposição intratável à sabedoria coletiva.

Mas por que se preocupar? Por que não deixar rappers fazerem rap, pregadores fazerem a pregação e negadores negarem? Pode parecer que estamos apenas lidando com uma margem à margem do mundo racional. Mas, é claro, no caso de coisas como vacinação e mudança climática, que as consequências da inação contra essas visões são potencialmente prejudiciais.

De qualquer maneira, devemos pelo menos defender um conhecimento que foi conquistado com dificuldade por meio de empreendimentos coletivos ao longo de gerações e vidas individuais dedicadas à sua busca.

Porque se todas as visões são iguais, então todas as visões são inúteis, e isso é algo que nenhum de nós deve aceitar.


Peter Ellerton é professor de Pensamento Crítico na Universidade de Queensland. Este artigo foi republicado no The Conversation sob uma licença Creative Commons.