Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Kadafi

O que aconteceu com o corpo de Kadafi, antigo ditador da Líbia?

O antigo ditador líbio Kadafi foi morto em 2011, em Sirte, onde se refugiava

Redação Publicado em 09/07/2022, às 15h00

Muammar al-Gaddafi, antigo ditador líbio - Getty Images
Muammar al-Gaddafi, antigo ditador líbio - Getty Images

Muammar Kadafi foi um antigo ditador da Líbia que chegou ao poder em 1969, após uma revolução nacionalista. Com a patente de coronel na época, Kadafi iniciou uma série de mudanças no país, passando pela proibição de bebidas alcoólicas e jogos de azar, indo até a expulsão de estadunidenses e ingleses de bases militares no país.

Seguidor do pan-arabismo — movimento político tendente a reunir os países de língua árabe e de civilização árabe numa grande comunidade de interesses —, Kadafi pretendia retomar a autonomia econômica da Líbia, desenvolvendo então o lema nacional "liberdade, socialismo e unidade". No entanto, o que se viu na verdade foi um líder extravagante e nepotista, em um governo violento e demagógico.

Fortemente caracterizado por um pensamento anti-americano e anti-europeu, Kadafi assumiu uma ideologia que tinha como objetivo a autonomia africana em um sistema anticapitalista.

Assim, chegou a fomentar políticas de acesso a moradia, nacionalizou o petróleo, aproximou o país do bloco islâmico e fundou comitês populares, mas também utilizava-se do poder para enriquecer ilicitamente.

Muammar Kadafi, antigo ditador da Líbia
Muammar Kadafi, antigo ditador da Líbia / Getty Images

Oposição e caçada

Mesmo dentro de seu próprio país, a ditadura de Kadafi não era bem vista pela população, que já havia se cansado de casos de nepotismo e corrupção de dentro do governo. Com isso, Kadafi foi deposto após a Guerra Civil Líbia, em 2011, o que o fez buscar refúgio no último recanto em que ainda possuía apoiadores: a cidade de Sirte.

No entanto, em outubro daquele ano um comboio com mais de 40 veículos se formou na cidade, com objetivo de levar o então ex-líder político até a aldeia de Jaref, onde nasceu, para que pudesse passar seus últimos momentos. No entanto, aviões da OTAN bombardearam os veículos, o que chegou a atingir e debilitar Muammar Kadafi.

Após um segundo bombardeio que o ditador teria se abrigado em um tubo de drenagem da cidade, onde teria sido atingido nas costas por estilhaços de uma granada e perdido a consciência. No entanto, militares da brigada que capturaram Kadafi afirmaram na época que ele teria morrido após ser atingido na cabeça por uma bala perdida em troca de tiros entre forças do novo regime e apoiadores de Kadafi.

Imagens de manifestações opostas ao regime de Kadafi
Imagens de manifestações opostas ao regime de Kadafi / Getty Images

Além dessas justificativas para a morte de Kadafi, surgiram outras de diferentes lados, o que fez da morte do político se tornar um mistério por um tempo. Essas teorias apontavam, além das pessoas já mencionadas, que Muammar faleceu após um linchamento coletivo feito pela população, que a morte tinha participação de forças estrangeiras e até mesmo que foi provocada por ação do serviço secreto francês a mando de Nicolas Sarkozy, presidente da França na época.

O corpo

O corpo de Muammar Kadafi, após sua morte, ficou exposto temporariamente à visitação pública, conforme repercutido em 2011 pela RFI, em uma câmara frigorífica na cidade de Misrata — para que fosse preservado e pudesse ser mais visitado —, o que provocou grande movimentação no local, com a população querendo ir ao local ver o cadáver do odiado ex-ditador. No local, também estavam os corpos de um dos filhos do tirano, Mutasim, e de seu ex-chefe militar.

Após quatro dias em exposição sobre um colchão, o corpo de Kadafi começou a apresentar sinais de decomposição, o que levou o frigorífico a distribuir máscaras cirúrgicas para os visitantes, conforme repercutido pela Veja em 2011. Logo depois, os corpos foram retirados do local, ainda mais porque a exposição iria contra a tradição islâmica, que prevê sepultamento em até um dia.

Um ano após a morte de Kadafi, o Human Rights Watch publicou um relatório em que concluía: antes de sua captura, Kadafi foi ferido por estilhaços de uma granada de mão; já preso, sofreu perfuração no traseiro por uma baioneta — que causou grande hemorragia e pode ter sido a causa da morte — e ainda, depois de morto, foi atingido com uma bala em sua cabeça.