Matérias » Idade Moderna

Por que tantas pessoas usavam perucas no século 18?

Símbolo de nobreza, esse item tinha mais funções do que se pode imaginar

Joseane Pereira Publicado em 19/10/2019, às 09h00

Retrato de um homem com uma túnica roxa, Nicolas de Largillière
Retrato de um homem com uma túnica roxa, Nicolas de Largillière - Wikimedia Commons

A moda, tanto no passado como hoje em dia, é ditada por elites que querem se diferenciar dos mais pobres. E não era diferente na Europa do século 18: com o uso de perucas, a aristocracia ditava as regras de uma boa imagem, que simbolizava riqueza e imponência.

Muitas funções

Item extremamente caro, a peruca era usada tanto por homens quanto por mulheres. A moda começou com Luís XIV da França, o Rei Sol, que durante seu governo adotou o item por necessidade: desde a adolescência, ele já apresentava sinais de calvície. Desde então, usar perucas passou a ser status de prestígio e diferenciação social.

Após o casamento, as moças nobres deveriam usar perucas até a hora da morte. E algumas chegavam a ordenar que, caso morressem antes do marido, fossem expostas no caixão com suas perucas. Para uma imagem ainda mais suntuosa, era comum espalhar farinha de trigo ou talco sobre as perucas para imitar o cabelo de idosos.

Luís XIV e seus herdeiros em 1710 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Entretanto, havia outro motivo pelo qual o uso desse item era tão difundido: desde o século 16, a Sífilis estava muito disseminada na Europa. Seus sintomas mais leves eram a perda irregular de cabelo e feridas abertas pelo corpo, podendo chegar à perda de olhos e narizes, e também à insanidade. Cabelos falsos serviam para esconder os primeiros vestígios da doença, amenizando a vergonha que um nobre poderia passar.

Feitas originalmente de cabelo humano ou crina de cavalo, as versões mais baratas das perucas podiam ser de lã. A moda durou até a Revolução Francesa, em 1789, que passou a fazer as cabeças aristocratas rolarem na guilhotina. Após isso, o item caiu em desuso: era perigoso ostentar o símbolo de uma nobreza que se desejava extinguir.


Saiba mais sobre o século 18:

1. A Inquisição no Rio de Janeiro no Começo do Século XVIII, de Gilberto de Abreu Sodré Carvalho (2018) - https://amzn.to/2MPGfts

2. O livro de Tiradentes: Transmissão atlântica de ideias políticas no século XVIII, de Bruno Carvalho, John Huffman, Gabriel Avilez e Kenneth Maxwell (2013) - https://amzn.to/2MtBzKQ

3. Filosofia Clandestina. Cinco Tratados Franceses do Século XVIII, de Regina Schöpke (2008) - https://amzn.to/2VVDwmq

4. Ouvidores de comarcas: de Minas no Século XVIII, de Maria Eliza de Campos Souza (2016) - https://amzn.to/31tUAkG

5. Igreja e Inquisição no Brasil. Agentes, Carreiras e Mecanismos de Promoção Social - Século XVIII, de Aldair Carlos Rodrigues (1999) - https://amzn.to/33Mn6j5
 
Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível de produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.