Matérias » Crimes

Precedente de Madeleine McCann: Rui Pedro, o menino que foi sequestrado em Portugal e jamais foi encontrado

O garoto foi sequestrado em março de 1998 e uma sucessão de erros investigativos impediram que seu paradeiro fosse encontrado

Fabio Previdelli Publicado em 18/06/2020, às 14h30 - Atualizado às 21h00

Foto do menino Rui Pedro
Foto do menino Rui Pedro - Divulgação

Em 3 de maio de 2007, o desaparecimento da jovem Madeleine, de apenas 3 anos, marcou para sempre não só a família dos McCann, mas como toda a sociedade portuguesa. Amparados pela mídia, os pais da garota britânica lutam há 13 anos por uma resolução do caso que, devido as novas investigações, parece estar cada vez mais próximo de acabar.

Entretanto, antes mesmo de Maddie nascer, outro caso de enredo parecido afetou a família Teixeira Mendonça: o desaparecimento do jovem Rui Pedro, de 11 anos de idade, em 4 de março de 1998.

O menino Rui Pedro / Crédito: Divulgação

 

Apesar da enorme repercussão que teve na época, o menino jamais foi encontrado e o Estado português acabou sendo processado por “falhas gravíssimas” na investigação. Em 2019, mais de duas décadas depois, foi declarada a morte presumida de Rui Pedro, que não está sendo mais procurado pela polícia. Porém, o mistério de seu desaparecimento persiste até hoje.

O precedente de Madeleine McCann

Era por volta das 14h quando o pequeno Rui Pedro pegou sua bicicleta e pedalou até o local de trabalho de sua mãe, localizado perto da casa da família, em Lousada, no distrito do Porto. O garoto havia ido pedir permissão para passar a tarde com seu amigo Afonso Dias, de 22 anos. Entretanto, o pedido foi negado e Filomena Teixeira disse-lhe para brincar em um terreno abandonado do lado de fora do escritório. Aquele seria o último diálogo entre mãe e filho.

O sumiço do menino só foi notado horas depois, quando o tutor do garoto ligou para os pais questionando o motivo dele não ter comparecido à aula das 17h. Desesperados, começaram a busca por Rui Pedro.

Rui Pedro e Afonso Dias / Crédito: Divulgação

 

Logo depois, a polícia foi acionada e Filomena informou sobre o pedido que o garoto lhe fizera mais cedo. Com isso, Afonso foi chamado para um interrogatório. Em um estado emocional visivelmente perturbado, ele disse que não sabia do paradeiro de Rui, mas sugeriu que a polícia “deveria fechar as fronteiras”.

Mais tarde, o primo do menino, João André Mendonça, contou à polícia que ele, o garoto e Dias tiveram uma conversa em que Afonso os convidara para irem encontrar uma prostituta, porém o jovem não havia comparecido devido a negativa a mãe.

Neste ponto, a policia portuguesa já era criticada por dois motivos: pela demora em ter iniciado uma investigação e por diminuir a procura devido à falta de pistas confiáveis. Porém, o caso despertou tanto o interesse público, que os policiais começaram a receber inúmeros telefonemas sobre um possível avistamento de Rui Pedro.

Mais tarde, a prostituta Alcina Dias confirmou que Afonso havia levado o jovem para encontrá-la e que o amigo teria pagado para ela fazer sexo com Rui. A meretriz afirmou que o garoto estava extremamente nervoso e chorando quando saiu do veículo, afirmando que ele havia sido obrigado a encontrá-la.

Alcina ainda acrescentou que tentou acalmá-lo e questionou se sua mãe sabia onde estava, ao qual disse que não. Em seguida, o garoto voltou ao carro de Afonso e os dois partiram para ele nunca mais ser visto.

Em setembro daquele ano, em uma operação internacional de pornografia infantil, a polícia recuperou 750 mil imagens e vídeos representando 1.263 crianças diferentes de um grupo ilícito conhecido como The Wonderland Club. Pedro estava entre as 16 crianças que a polícia conseguiu identificar.

O pequeno Rui Pedro / Crédito: Wikimedia Commons

 

Apesar da pista, seu paradeiro jamais foi encontrado e a polícia suspeita que ele tenha sido assassinado por seus sequestradores após ter sido gravado sendo abusado por outros membros dessa rede de pedófilos.

Entretanto, quando o caso de Madeleine veio à tona, uma fonte anônima na Suíça ouviu um garoto dizer em um restaurante: "Eu também sou raptado. Sou de Famalicão e a mim ninguém procura”. As autoridades portuguesas disseram que a pista não era consistente.

O julgamento de Afonso Dias

Em novembro de 2011, Afonso Dias foi levado a julgamento. A audiência ficou marcada por ser a primeira vez em que Alcina o reconheceu diante às autoridades. A meretriz, supostamente, tentou fazer seu depoimento aos policiais muito tempo antes, mas como ela não conseguia identificar Dias pelo nome, sua versão jamais foi ouvida.

No ano seguinte, ele acabou sendo absolvido por falta de evidências, mas, em 2014 acabou sendo julgado novamente e foi condenado à três anos de prisão por corrupção de menor, como resultado dele ter forçado Rui a se relacionar sexualmente com Alcina — mas jamais foi citado como responsável pelo desaparecimento do jovem.

Afonso Dias durante julgamento / Crédito: Divulgação

 

O primeiro dia de Afonso em cárcere foi em 18 de março de 2015 e por lá ele ficou por dois anos, quando foi liberado por bom comportamento após cumprir dois terços da pena. Até hoje Dias continua se declarando inocente em relação ao desaparecimento.

Críticas e controversas

A mãe de Rui Pedro, Filomena Teixeira, sempre alegou que a investigação sobre o desaparecimento do filho jamais foi conduzida da maneira correta, sendo que a polícia nunca investigou as pistas que recebeu, jamais ouviu o depoimento de vizinhos e até mesmo averigou o carro de Afonso Dias — no qual o menino havia entrado. Ela também alegou que foi assediada sexualmente por um dos inspetores do caso.

Assim, Filomena decidiu agir por conta, ligando para hospitais e até mesmo viajando várias vezes para fora de Portugal, em busca do filho na Suíça. Quando, enfim, foram apontadas falhas na investigação, ela disse: "serviu para constatar que o que eu dizia era verdade. Durante 13 anos, chamaram-me louca, e agora, passado este tempo todo, vêm dar-me razão: afinal, não estava louca, estava certa. (…) Sempre disse que eles estavam a ir pelo caminho errado, que não estavam a procurar, que não estavam a fazer nada...".

Os pais de Rui Pedro / Crédito: Divulgação

 

O advogado da família, Ricardo Sá Fernandes, completou a fala da mãe: "ficamos chocados com o que foi dito neste tribunal, tivemos conhecimento de que desde o primeiro momento os inspetores sabiam da existência da prostituta Alcina Dias, porém, nunca a ouviram formalmente e justificaram tal fato como um esquecimento”.

O pai de Rui, Manuel Mendonça, acreditava que Afonso Dias poderia falar algo sobre o filho quando estava preso, mas, ao contrário disso, ele teve sua vida facilitada ao poder escolher ser colocado em uma cadeia que mais parecia um “hotel”.


+ Saiba mais sobre o desaparecimento de Madeleine McCann por meio de grandes obras disponíveis na Amazon: 

Madeleine: O desaparecimento de nossa filha e a incessante busca por ela, Kate McCann (2011) - https://amzn.to/2Q96H4c

They Call Me Maddie: The Madeleine McCann Story (English Edition), David Kennedy (ebook) - https://amzn.to/2QKOE3x

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W