Matérias » Curiosidades

Preso para sempre: a trágica história de John Edward Jones na caverna Nutty Putty

De cabeça para baixo, o corpo do aventureiro permanece no buraco muito estreito até os dias de hoje

Isabela Barreiros Publicado em 12/12/2020, às 09h00

Cena do filme The Last Descent (2016) que retrata o episódio dramático
Cena do filme The Last Descent (2016) que retrata o episódio dramático - Divulgação

A espeleologia é o estudo das cavidades naturais do planeta, como as cavernas, e suas características, tanto na sua formação como nas formas de vida que habitam seu interior. John Edward Jones era um aventureiro, entusiasta da ciência em questão desde muito cedo. 

No estado de Utah, nos EUA, era sempre levado por seu pai, junto com seu irmão Josh, para expedições fascinantes, observando o subterrâneo com um interesse notável que cresceu junto com John. Já adulto, ele deixou de visitar os ambientes sombrios tão frequentemente, mas ainda contava com as lembranças de seu tempo de criança.

Foi por isso que ele decidiu fazer uma excursão de família quando visitou sua família durante o período do dia de Ação de Graças. Era 24 de novembro de 2009, mais ou menos às 20h, quando John e Josh, com mais amigos, entraram na caverna Nutty Putty, a quase 90 km da cidade Salt Lake City.

Os dois estavam muito animados para passarem um tempo junto explorando o subterrâneo como fizeram por muito tempo em família. Mas eles já não eram mais crianças: John tinha 26 anos, estudava Medicina, era casado e tinha um filho de um ano de idade. Ele não vivia perto dos familiares, o que fez com que a visita se tornasse ainda mais especial.

Mas a situação se tornou subitamente dramática quando o grupo se separou. No início, eles exploraram uma parte da caverna conhecida como The Big Slide, porém acabaram se separando para investigarem áreas consideradas mais perigosas dentro da cavidade subterrânea. 

A caverna Nutty Putty / Crédito: Divulgação

 

Jones decidiu que iria procurar pela formação conhecida como Canal de Nascimento. Quando achou tê-la encontrado, começou a tentar entrar na estreita passagem, que recebia visitas de apenas corajosos pesquisadores ao longo dos anos. Ele entrou de cabeça no acesso, mas não demorou muito para ele perceber que tinha se colocado em uma situação grave.

O aventureiro se movia para a frente com seus quadris, estômago e dedos quando notou que o local era extremamente apertado — ou seja, ele não poderia mais voltar e sair por onde tinha entrado. Agora, o único caminho era para frente e ele não fazia ideia do que o esperava no caminho.

O homem continuava andando, na expectativa de que o caminho se alargasse e ele pudesse voltar, mas ele acabou caindo em uma fenda, ficando de cabeça para baixo para sempre. A passagem de apenas 25 centímetros de largura e 45 centímetros de altura prendeu John completamente, e parecia impossível de se sair. 

A conclusão de todo esse trajeto foi a seguinte: Jones ficou preso a 120 metros dentro da caverna e a 30 metros abaixo da superfície da Terra. Tempos depois Josh o encontrou preso, mas não podia fazer nada pelo irmão a não ser tentar puxá-lo pelas panturrilhas, que logo se revelou como um plano falho.

Eles decidiram pedir ajuda. Quando os socorristas conseguiram chegar ao ponto subterrâneo em que o homem estava, já tinham se passado três horas e meia e a saúde de John começava a piorar cada vez mais. Ficar de ponta cabeça em um local apertado fez com que seu coração tivesse que trabalhar ainda mais.

Cena do filme The Last Descent (2016) / Crédito: Divulgação

 

O local já se demonstrava complexo para que ele fosse retirado e os 1,80 m de altura e 86 kg do aventureiro dificultaram ainda mais o plano de resgate. Mais de 50 pessoas foram mobilizadas para tentar salvá-lo da passagem estreita, com o plano principal de amarrá-lo em um cabo, conectado por polias, e puxá-lo.

Segundo o porta-voz da polícia do condado de Utah, o sargento Spencer Cannon, ele estava quase fora da fenda, apenas a alguns metros abaixo do solo, mas a corda se rompeu quando uma das polias falhou. As paredes da caverna continham argila solta, o que provavelmente causou a trágica situação. 

Durante esse período de tensão, Jones recebeu água e alimento, mas suas condições físicas pioraram extremamente. “Eles chegaram perto o suficiente para checar seus sinais vitais e verificaram que já estava morto”, afirmou Cannon na época. 

A caverna estava fechada desde 2004, quando incidentes aconteceram dentro dela, e reaberta em 2009, poucos meses antes de John decidir adentrá-la. Com sua morte, Nutty Putty foi interditada para o público para sempre. O corpo de Jones permanece dentro da estreita cavidade, que se tornou seu túmulo eterno.