Matérias » Entretenimento

Príncipe das Trevas: 10 filmes e séries que representaram o melhor e o pior dele

Lúcifer terminou suas gravações nessa semana; relembre atores e histórias de personagens que deram vida ao anjo caído

Coluna - Daniel Bydlowski, cineasta Publicado em 03/04/2021, às 10h00

Poster de Lúcifer
Poster de Lúcifer - Divulgação

Na última segunda-feira, 29, a série de sucesso Lúcifer se despediu dos sets de filmagem, e não há nada mais que os fãs possam dizer à sua produtora, Netflix. É o fim! Em 2020, segundo pesquisas da empresa Nielsen a séria foi uma das mais assistidas, em agosto, durante cinco dias, que permearam antes e depois do lançamento de novos episódios. Conseguindo 1,5 bilhões de minutos assistidos pelos telespectadores.

Dito isso, o que podemos presumir? O povo gosta mesmo de ver a divindade filisteia.

Mas para os órfãos, além de maratonar tudo desde o começo, podemos relembrar e assistir novamente alguns dos filmes que personificaram o Príncipe das Trevas. São tantas produções sobre ele e, também, tem aqueles que fizeram parte do enredo, cada um mostrando uma cara, daquele que tem sete. Sete faces, sete peles...

1. A Lenda (1985)

Tim Curry em A Lenda/ Crédito: Divulgação

 

Tim Curry é o próprio demo. Não podemos negar que as interfaces que ele consegue alcançar em atuações não seja o ponto daquele místico diabo que conhecemos. Ele vem para atormentar um jovem camponês (Tom Cruise). Produto dos anos 1980, com um roteiro não muito definido e, apesar de girar em torno do casal margarina, o coisa ruim é cruel e não está nem um pouco ligando para nenhum ser mágico que vive na floresta. Ele é impetuoso.


2. As Bruxas de Eastwick (1987)

Jack Nicholson em As Bruxas de Eastwick/ Crédito: Divulgação

 

O filme seria sobre as bruxas, mas Jack Nicholson rouba a cena, como sempre. Ele faz o tipo sedutor e com um humor sarcástico, que concede desejos em troca de favores e se envolve com as três protagonistas ao mesmo tempo — de forma machista e sem coração. Ele não é mau no sentido físico, mas acaba com o emocional das pessoas.


3. Coração Satânico (1987)

De Niro em Coração Satânico/ Crédito: Divulgação

 

Robert de Niro faz o diabo do tipo maldoso, incomodo e degradante. Uma linha mais altiva e clássica. Ele gosta do sangue e da tensão constantemente no ar. De Niro é um exímio ator e cabe justíssimo neste papel, levando o filme ao ponto ápice, inclusive, chamando atenção mais que o mocinho interpretado por Mickey Rourke, que era o galã na época.


4. Anjos Rebeldes (1995)

Viggo Mortensen em Anjos Rebeldes/ Crédito: Divulgação

 

Viggo Mortensen como Lúcifer dá vida à guerra dos anjos para manter a terra. Para ele desejos, alma e influência sobre os humanos só por diversão não interessam, o que ele quer mesmo é aniquilar a terra. Podemos dizer que esse diabinho é destruidor. Uma atuação fantástica digna do tal 7 peles.


5. O Mestre dos Desejos (1997)

Andrew Divoff em O Mestre dos Desejos/ Crédito: Divulgação

 

Não é o Lúcifer em si, mas Andrew Divoff interpreta Djinn, um demônio que sai por aí à caça de almas em troca de desejos. Mais um que faz a linha sedutora, que conhece as pessoas por dentro, esperanças e sonhos. Um clássico! Divoff caiu como uma luva no papel.


6. O Advogado do Diabo (1997)

Al Pacino em O Advogado do Diabo/ Crédito: Divulgação

 

Al Pacino é o irretocável da vez. Faz a vida do personagem principal um verdadeiro inferno na terra. A sua interpretação, unida ao roteiro, nos faz repensar sobre vaidade, a humanidade e os sentimentos perniciosos. Pacino está impecável e, além de tornar os pecados extremamente reais, consegue unir todas as características dos demônios que enfrentamos todos os dias.


7. O Auto da Compadecida (2000)

Luis Melo em O Auto da Compadecida/ Crédito: Divulgação

 

O grande ator brasileiro Luís Melo está no papel do tinhoso e, diferente de qualquer outra produção, ele é o tipo que é alvo de deboches. O nervosinho é um dos auges em uma cena incrível com João Grilo e Chicó. Os principais contam com a ajuda da mãe de Jesus e deixam Melo com a melhor interpretação que alguém pode fazer quando seu personagem é alvo da zombaria.


8. Endiabrado (2000)

Elizabeth Hurley em O Endiabrado/ Crédito: Divulgação

 

O diabo é uma mulher, mas não no sentido de que influencia o homem a fazer o que até Deus duvida, mas no sentido literal mesmo. Sexy e icônica, Elizabeth Hurley embute na personagem um ar de “não entendi”, quando na verdade sabe exatamente o que está fazendo, e torna o desejo do seu alvo, sua pior tragicomédia.


9. Constantine (2005)

Peter Stormare em Constantine/ Crédito: Divulgação

 

Peter Stormare é o chefão que o mocinho precisa enfrentar depois de ter enviado vários demônios de volta ao inferno. E sua atuação é brilhante e ele é mau, mesmo. Arrisco a dizer que é a melhor interpretação do Satã no cinema. Ele é completo. O sucesso foi tanto que o ápice das confirmações para a sequência foi a continuação de Stormare, mas ainda está no papel.


10. O Homem Que Desafiou o Diabo (2007)

Helder Vasconcelos em O Homem Que Desafiou o Diabo/ Crédito: Divulgação

 

O Satanás cômico! Aquele que tenta se fazer de durão, mas não tem muitas habilidades, por vezes dá certo e outras não. Então, Helder Vasconcelos, que faz o Cão Miúdo, não deixa nada a desejar, incorpora o papel com todas as esquisitices e “rabujentices” do personagem.


Sobre o cineasta

O cineasta brasileiro Daniel Bydlowski é membro do Directors Guild of America e artista de realidade virtual. Faz parte do júri de festivais internacionais de cinema e pesquisa temas relacionados às novas tecnologias de mídia, como a realidade virtual e o future do cinema. Daniel também tenta conscientizar as pessoas com questões sociais ligadas à saúde, educação e bullying nas escolas. É mestre pela University of Southern California (USC), considerada a melhor faculdade de cinema dos Estados Unidos. Atualmente, cursa doutorado na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. Recentemente, seu filme Bullies foi premiado em NewPort Beach como melhor curta infantil, no Comic-Con recebeu 2 prêmios: melhor filme fantasia e prêmio especial do júri. O Ticket for Success, também do cineasta, foi selecionado no Animamundi e ganhou de melhor curta internacional pelo Moondance International Film Festival.