Matérias » Brasil Império

Príncipe do Grão Pará, o filho da princesa Isabel que desistiu do direito de possivelmente assumir o trono

Decisão de Dom Pedro de Orleans e Bragança acabou gerando obstáculos para seus familiares no futuro

Victória Gearini | @victoriagearini Publicado em 29/08/2021, às 11h00

Dom Pedro de Orleans e Bragança, o Príncipe do Grão Pará
Dom Pedro de Orleans e Bragança, o Príncipe do Grão Pará - Museu Mariano Procópio / Domínio Público, via Wikimedia Commons

A história da família imperial brasileira está diretamente ligada com a construção histórica do Brasil. Nas últimas semanas, muito tem se falado sobre este período, principalmente sobre o Segundo Reinado, compreendido entre 1840 a 1889.

Tal fato se deve graças ao lançamento da telenovela “Nos Tempos do Imperador”, transmitida pela Rede Globo. A produção reproduz a saga da família imperial brasileira cin fato e ficção, sendo a continuação da trama “Novo Mundo”, transmitida pela mesma emissora, em 2017. 

A partir disso, muitos telespectadores ficaram fascinados com a história de dom Pedro II, de sua esposa Teresa Cristina e dos demais membros da família imperial. Além disso, outras trajetórias chamam a atenção dos brasileiros, como o caso da saga dos herdeiros do último imperador do país.

O Príncipe do Grão Pará

Filha de Dom Pedro II e Teresa Cristina, a princesa Isabelse casou com o Gastão de Orléans, o Conde d'Eu, em 1864. A união resultou no nascimento de três meninos e uma menina: Pedro de Alcântara de Orléans e Bragança; Antônio Gastão de Orléans e Bragança; Luís de Orléans e Bragança e Luísa Vitória de Orléans e Bragança.

Dom Pedro de Orleans e Bragança ao lado dos pais / Crédito: Karl Ernest Papf (1833–1910) / Domínio Público, via Wikimedia Commons

 

Nascido em 15 de outubro de 1875, em Petrópolis, no Rio de Janeiro, dom Pedro de Orleans e Bragança, o Príncipe do Grão Pará, era o segundo filho mais velho do casal. A primogênita, Luísa Vitória de Orléans e Bragança, nasceu morta em 1874, fato que colocou o rapaz na linha de sucessão ao trono. 

Contudo, a história quase teve um final triste novamente. Logo nos primeiros minutos de vida, o rapaz nasceu sufocado, mas felizmente ele foi reanimado a tempo. Por outro lado, o problema no parto lhe causou uma lesão no plexo braquial esquerdo, que resultou em uma paralisia em uma das mãos e nos dedos. 

Nos anos seguintes, o herdeiro viveu no Paço Isabel — atual Palácio Guanabara — sendo educado por preceptores. No entanto, sua vida mudou por completo em 1889, com a Proclamação da República. Com o fim da monarquia, o rapaz foi exilado ao lado da família.

Família Real durante o governo de Pedro II / Crédito: Otto Hees (1870-1940) / Domínio Público, via Wikimedia Commons

 

Em seguida, ele se estabeleceu no Castelo d'Eu, na Normandia, França. Mais tarde, estudou no Império Áustro-Húngaro, onde serviu no exército do país em que estava exilado. 

Abdicação ao trono

Em 1908, Dom Pedro de Orleans e Bragança se casou com Elizabeth Dobrezenicz, uma jovem que não possuía título de nobreza. A união foi celebrada em Versalhes, na França, após oito anos de namoro e noivado. 

Na época, o Príncipe do Grão Pará optou por abdicar ao trono (enquanto o Brasil já vivia a República) e oficializar o matrimônio com a sua amada. Tal fato contrariou os desejos da família imperial, mas levou o seu irmão, Dom Luis de Orleans e Bragança, a se tornar o novo sucessor da monarquia brasileira. 

O primogênito retornou ao Brasil durante a década de 1930, onde se estabeleceu na região ao lado da família. Além disso, ele chegou a ser escolhido como o presidente de honra do Instituto Histórico de Petrópolis.

Ele veio a óbito em 1940. Já em 1990, seus restos mortais e de sua esposa foram transferidos para Mausoléu Imperial, na Catedral de São Pedro de Alcântara, sendo sepultados ao lado das tumbas de seus familiares. 

A polêmica real

De acordo com o portal G1, os descendentes do neto da princesa Isabel, se estabeleceram em Petrópolis, na Região Serrana do Rio.

Dom Pedro Gastão, filho mais velho de Dom Pedro de Orleans e Bragança e Elizabeth Dobrezenicz, antes de vir a óbito em 2007, se declarava o herdeiro legítimo da coroa.

No entanto, por conta do documento assinado pelo seu pai, ele perdeu as chances de assumir o trono, caso um dia a monarquia fosse restaurada no Brasil. 


+Saiba mais sobre a família imperial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Pedro II – A história não contada: O último imperador do Novo Mundo revelado por cartas e documentos inéditos, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2qWOGw7

Leopoldina: a história não contada: A mulher que arquitetou a independência do brasil, de Paulo Rezzutti (2017) - https://amzn.to/2DsrmJt

Coleção Princesa Isabel. Fotografia do Século XIX , de Bia Correa do Lago e Pedro Correa do Lago (2013) - https://amzn.to/34ue8aO

Retratos do Império e do Exílio, de Vários Autores (2011) - https://amzn.to/35PKgWP

Pedro: Imperador do Brasil e rei de Portugal, de Eugénio dos Santos (2015) - https://amzn.to/34ySFO6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W