Matérias » Música

Prisão injusta e amizade inesperada: O dia em que Elis Regina tirou Rita Lee da prisão

Em 1976, a "Rainha do Rock Brasileiro" foi presa enquanto estava grávida de seu filho mais velho

Victória Gearini | @victoriagearini Publicado em 11/08/2021, às 17h20

Elis Regina (à esq.) e Rita Lee (à dir.)
Elis Regina (à esq.) e Rita Lee (à dir.) - Divulgação / Youtube / Ricardo Duarte / Rita Lee

Durante o fim dos anos 1960 e início da década de 1970, a música popular brasileira foi atingida por grandes revoluções em canções — muito inspiradas pelo contexto social e político da época — e, até mesmo, pelo surgimento e ascensão de grandes artistas nacionais. 

Dentre as cantoras de sucesso daquele período estão Rita Lee e Elis Regina, que além de compartilhar o mesmo amor pela música, desenvolveram uma intensa amizade com o passar dos anos.

Em 2019, a minissérie ‘Elis – Viver é Melhor que Sonhar’, exibida na Rede Globo, chamou a atenção dos telespectadores e chegou a ser amplamente repercutida nas redes sociais.

Na época, boa parte do público ficou admirado com a forte ligação entre a "Rainha do Rock Brasileiro" e a eterna Elis Regina, que no passado, chegou a ajudar a artista durante um momento difícil.

Prisão injusta 

Em entrevista ao apresentador Ronnie Von, em 2020, Rita Lee relembrou momentos marcantes de sua vida, entre eles o dia em que Elis Regina lhe ajudou a sair da prisão. 

Rita Lee durante show / Crédito: Divulgação / Youtube / Biscoito Fino

 

Conforme repercutiu a IstoÉ, a cantora foi detida, em 1976, por uso e porte de maconha. Contudo, na época, a artista estava grávida de seu filho mais velho, Beto Lee. Ela disse, ainda, que sua prisão foi injusta, uma vez que não fazia uso de substância ilícitas por conta da gravidez.

Fiquei grávida e fui presa. Foi um carma louco. A primeira vez que engravidei na vida fui presa inocentemente. Naquela época dos festivais da Record, Mutantes e Tropicalismo, Elis passava pela gente virando a cara. Ela fez parte daquela passeata contra o uso da guitarra elétrica na música brasileira”, disse a cantora ao apresentador Ronnie Von.

Amizade inesperada

Grávida e desamparada, a "Rainha do Rock Brasileiro" encontrou apoio onde menos esperava. Segundo repercutiu o site Gauchazh, Rita Lee não imaginava que a pessoa que até então ela não se dava bem pudesse lhe ajudar. 

A última pessoa que eu esperava que fosse me visitar na cadeia era a Elis. Quando o carcereiro falou: ‘Oh, Ovelha Negra, tem uma cantora famosa aí que está rodando a baiana, dizendo que vai chamar a imprensa. Ela quer te ver. Aí o delegado mandou te chamar”, revelou a cantora.

Logo em seguida, Elis Regina entrou em cena, de mãos dadas com João Marcelo, seu filho.

A cantora Elis Regina, em 1979 / Crédito: Divulgação / EBC (Empresa Brasil de Comunicação)

 

"Eu fiquei esperando, não sei, uma Nossa Senhora do Rock, e, de repente, vejo a Elis com o João Marcelo, dando a mão para ele, assim tão pequenininho. Ela soltou a mão do filho e me deu um abraço. Perguntou como eu estava, que tinha sabido pelos jornais que eu estava grávida e disse que eu estava muito magra. Aí ela começou a falar duro com os policiais: ‘O que vocês estão fazendo com ela?", relembrou a artista durante a entrevista. 

Elis Regina ficou revoltada com a situação na qual Rita Lee se encontrava, ainda mais pelo fato da artista estar grávida e ter sido presa injustamente. 

O que ela berrou, o que ela aprontou lá dentro. E você pensa que os caras falavam alguma coisa? Não falavam nada. Ela baixinha cobrando: ‘Eu quero um médico já. Se não vier já, eu chamo a imprensa. Ninguém mexia com a Elis. Ela era do Olimpo. Que mãezona. Mandou que comprassem comida para mim, deu dinheiro e ainda pediu troco (risos). Me ajudou como se fosse uma amiga de infância”, completou.

Se antes daquele momento as cantoras tinham alguma divergência, a partir daquele episódio, a relação delas se intensificou de forma exponencial, surgindo uma amizade verdadeira e duradoura. 

Elis, por sua vez, veio a óbito em 19 de janeiro de 1982, mas seu legado permanece vivo ainda hoje, na cultura brasileira e na memória de fãs e amigos, como é o caso de Rita Lee, que sempre lembra da amiga com muito carinho. 


+Saiba mais sobre o tema por meio de obras disponíveis na Amazon: 

Elis e eu: 11 anos, 6 meses e 19 dias com minha mãe, de João Marcello Bôscoli (2019) - https://amzn.to/3iACklg

Elis: Uma biografia musical, de Arthur de Faria (2015) - https://amzn.to/2VE78sV

Elis Regina. Nada Será Como Antes, de Julio Maria (2015) - https://amzn.to/3CInwZO

Rita Lee: Uma autobiografia, de Rita Lee (2016) - https://amzn.to/3AxsTcy

favoRita, de Rita Lee (2018) - https://amzn.to/3CDUtqu

Dropz, de Rita Lee e Guilherme Samora (2017) - https://amzn.to/3jJXQU1

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W