Matérias » Coroa britânica

"Profundamente triste": a melancolia de Elizabeth II após a morte de Diana

Uma carta revelou a dor e o luto que a monarca sentia diante do trágico acidente que levou a mãe de seus netos

Ingredi Brunato Publicado em 13/11/2020, às 08h00

Montagem de Princesa Diana e Elizabeth II
Montagem de Princesa Diana e Elizabeth II - Wikimedia Commons

Os assinantes da plataforma de streaming Netflix já podem comemorar com a estreia da quinta temporada da série The Crown, no próximo domingo, 15. A fase da vida da monarca que será retratada nesses próximos episódios incluirá personagens famosos como Margaret Thatcher e a icônica Diana Frances Spencer, a Princesa Diana

Di, como era apelidada, se casou com Príncipe Charles, herdeiro direto da coroa real, com apenas 20 anos de idade - já ele, tinha 33 anos. Foi um casamento histórico por diversos motivos, especialmente porque aquela era determinação oficial de quem seria a próxima rainha, quando Elizabeth II falecesse, algo que não acontece todo dia. Um futuro selado para a monarquia inglesa. 

Era o que parecia. No entanto, anos mais tarde, o relacionamento de Charles e Diana - que já havia começado com o pé esquerdo, com o príncipe precisando terminar com Camilla Parker Bowles - caiu os pedaços publicamente, com a oficialização do divórcio. 

Desse ponto em diante, Diana perdeu a tiara de Princesa, porém ainda cativava o público e instigava a imprensa, e definitivamente ainda tinha um grande papel como mãe dos príncipes William e Harry. Todavia, em 1997, o impensável aconteceu. Durante uma fuga de paparazzi, o carro onde Diana estava acabou se chocando com a parede de um túnel, e embora ela tenha sido levada ao hospital, não conseguiu resistir aos ferimentos. 

A repercussão 

A morte de Diana foi um choque para o mundo, justamente por ser tão súbita. Muitas teorias surgiram a respeito, inclusive, implicando que a Coroa britânica poderia estar envolvida no caso. Além disso, Elizabeth foi criticada por supostamente ter demonstrado frieza diante da tragédia. Entretanto, um episódio parece ter mudado essa visão negativa sobre a rainha.

Segundo a ABC News, em matéria de 2017, foram divulgados trechos de uma carta escrita pela Rainha Elizabeth para Lady Henriette Abel Smith, uma de suas damas de companhia, após a notícia do trágico acidente da ex-esposa de seu filho. Na correspondência, existe uma história diferente sendo mostrada, não com conspirações, mas cheia de dor e luto. 

"Querida Henriette, muito obrigada pela sua carta sobre a morte trágica de Diana. Foi realmente e profundamente triste, e ela é uma perda enorme para o nosso país", desabafou a rainha.

Fotografia de Elizabeth II, rainha do Reino Unido / Crédito: Wikimedia Commons

 

"A reação do público à sua morte parece ter unido as pessoas ao redor do mundo de uma forma bastante inspiradora. William e Harry têm sido tão corajosos e estou muito orgulhosa deles", disse a Rainha da Inglaterra na mensagem que, segundo colocou em um pós-escrito ao fim da folha, teria sido uma das primeiras que respondia.  "Acho que a sua carta foi uma das primeiras que eu li — as emoções ainda estão embaralhadas, mas todos nós temos passado por uma experiência muito ruim!"

Em outro trecho

Vale ressaltar que em transmissão oficial, a monarca também mostrou tristeza diante da trágica morte da jovem Diana. “[Diana] foi um ser humano excepcional e talentoso", afirmou a Rainha. "Nos bons e nos maus momentos, ela nunca perdeu a capacidade de sorrir e rir, nem de inspirar os outros com seu calor e gentileza".

Na época, Elizabeth optou por ficar no Castelo de Balmoral, na Escócia, com seus netos enlutados, que tinham então 15 e 12 anos de idade, em vez de voltar para Londres, como era esperado dela, para que pudesse receber os tributos do público britânico. 

Difícil de superar 

Fotografia do príncipe Harry / Crédito: Wikimedia Commons

 

No documentário "Diana, Nossa Mãe: Vida e Legado.", um príncipe Harry já adulto dividiu algumas palavras sobre a mãe que perdeu cedo demais: “Tudo o que posso ouvir é a risada dela na minha cabeça, aquele tipo de risada maluca onde havia pura felicidade mostrada em seu rosto”, disse ele, compartilhando ainda que um dos grandes lemas que Di repetia para ele quando menino era “Você pode ser tão travesso quanto quiser, apenas não seja pego”.