Matérias » Crimes

Cheryl Crane, a filha de Lana Turner, estrela de Hollywood, que assassinou o próprio padrasto

Por trás dos sorrisos nas fotos e das mãos dadas em público, a relação entre Lana e o parceiro Johnny Stompanato era problemática

Pamela Malva Publicado em 11/09/2020, às 13h30

Cheryl a caminho de seu julgamento, em 1958
Cheryl a caminho de seu julgamento, em 1958 - Wikimedia Commons

A relação entre a atriz Lana Turner e o gângster Johnny Stompanato nunca foi completamente saudável. Repleto de mentiras e agressões — tanto físicas, quanto psicológicas —, o namoro era, no mínimo, abusivo. Mas nenhum dos dois conseguia largar o outro.

Os problemas começaram logo quando o mafioso se apresentou, sob o nome de Johnny Steele. A mulher estava gravando um de seus filmes e começou a receber flores, cartões e ligações do homem que dizia ser 5 anos mais velho que ela.

Durante meses, Johnny foi persistente e conseguiu convencer a artista a tomar um drink. “Ele era gentil, persistente e persuasivo”, disse Lana, em sua autobiografia. “Quando eu descobri o seu verdadeiro nome, nós já estávamos tendo um caso.”

Foi um amigo de Lana quem trouxe toda verdade à tona: Johnny, de sobrenome Stompanato, era um mafioso, além de acompanhante de diversas estrelas em ascensão. Com raiva, a atriz confrontou seu namorado, que confirmou tudo. Ela pediu um tempo, mas ele não deixou.

Lana e Johnny em 1957 / Crédito: Domínio Público

 

“Lana, querida, apenas tente se livrar de mim”, ele disse, dando uma risada que, segundo a atriz, lhe dava calafrios só de lembrar. Tudo ficava pior quando Lana pensava que Johnny trabalhava como guarda-costas e faz-tudo do gângster Mickey Cohen.

Para Lana, a saída era tentar seguir em frente e ela fez questão de ser vista com outros homens. Johnny, por sua vez, não aguentou a humilhação e invadiu a casa da atriz. Naquele dia, ele começou uma longa lista de agressões e abusos.

Os dois voltaram a ficar juntos e, incrivelmente, Lana se sentia cada vez mais atraída por Johnny — ela o temia, mas achava seu lado durão excitante. Durante gravações em Londres, inclusive, Lana escrevia cartas para o gângster. Ele chegou a viajar até Londres para acompanhar sua namorada. No hotel onde dormiam, as brigas eram tão violentas que, certa noite, Johnny sufocou Lana com tanta força que ela perdeu a voz por alguns dias.

Lana Turner em 1941 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Após essa briga específica, Lana conseguiu, junto de seu advogado Gavin Thorne, que a Scotland Yard expulsasse Johnny do país. No entanto, ela continuava mandando cartas para o gângster e, em uma delas, disse que tiraria férias em Acapulco. Ele, é claro, foi com ela.

Na viagem, o relacionamento se tornou ainda mais violento, por mais que ela continuasse sorrindo ao lado dele em fotos. Cheryl, a filha de 14 anos da atriz, nunca imaginou pelo o que a mãe passava e tinha uma boa relação com o padrasto.

O comportamento do homem mudou drasticamente quando Lana foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz, em 1958. Ele voltou a enchê-la de presentes — que ela pagava. Johnny não esperava, no entanto, que ela não o levaria para a premiação e voltou a bater em Lana.

No dia 4 de abril de 1958, o gângster ficou nervoso com a reaparição de um antigo colega militar, Billy Brooks. Foi nesse momento que Lana descobriu mais uma das mentiras do namorado: ele não tinha a idade que dizia que tinha. Johnny saiu da casa da atriz e ligou para ela à noite.

Durante o telefonema, Lana anunciou que se encontraria com Billy e mais um amigo dela, Del — notícia essa que Johnny não gostou nem um pouco. Ele foi para a casa da mulher mais uma vez e os dois começaram a discutir no quarto da atriz.

Enquanto gritavam um com o outro, Cheryl ouvia tudo do outro lado da porta. Nervosa, ela pedia que a mãe abrisse a porta. E, em determinado momento — que varia de acordo com os testemunhos — a jovem entrou no quarto da mãe.

Em sua autobiografia, Lana conta que a filha viu o gângster indo a sua direção. “Ela não percebeu que ele estava carregando algumas roupas com o cabide. Ela apenas viu sua mão para cima, empunhando o que parecia ser uma arma”, conta. “De soslaio, eu vi Cheryl fazer um movimento brusco. O braço direito dela foi para frente e atingiu o estômago de Johnny. Eu pensei que ela havia o socado”.

A cena do crime sendo analisada pela polícia / Crédito: Domínio Público

 

A menina de 14 anos, todavia, narra uma versão diferente para os fatos. Ela conta que, na hora da briga, ouviu Johnny dizendo que machucaria e desfiguraria sua mãe. Assim, ela decidiu fazer alguma coisa: “corri para a cozinha, peguei a primeira faca grande que eu vi e corri de novo para cima”.

Segundo Cheryl, ela entrou no quarto e disse: “Você não tem que aguentar isso mãe”. Ao mesmo tempo, mirou na barriga do gângster e deu um só golpe. “Enfiei a faca no estômago dele com toda a minha força”. Atingido, ele disse: "Meu Deus, Cheryl. O que você fez?".

Após o crime, mãe e filha ligaram para um médico, para o advogado de Lana e para o pai da menina, Stephen Crane. A polícia só foi avisada duas horas depois da morte de Johnny. Chegando lá, os oficiais notaram que a cena do crime não batia com nenhuma das versões. Não havia roupas perto da vítima e o carpete estava limpo, sem uma gota de sangue.

Cheryl e Lana no julgamento da jovem / Crédito: Domínio Público

 

Cheryl assumiu toda culpa e foi levada sob custódia. No dia 11 de abril de 1958, o júri analisou o caso e julgou a morte de Johnny como um homicídio justificado, inocentando a jovem. Decisão que, na opinião de Mickey Cohen, chefe do morto, não fazia sentido. Para ele, o crime teria sido cometido por Lana.

Lana foi processada pela família de Johnny e teve de pagar uma grande quantia ao filho dele, que tinha 13 anos na época. Em seguida, Stephen Crane tentou obter a guarda de Cheryl, que morou com sua avó por quase dois anos. Por fim, o caso foi fechado e se tornou um dos maiores escândalos de Hollywood.

Para muitos, no entanto, Lara foi a verdadeira culpada. Ela teria matado o gângster e sua filha teria assumido a culpa, para preservar a carreira da atriz. Eric Root, cabeleireiro de Lana, uma vez disse que ela teria assumido a culpa, dizendo: “Eu matei aquele filho da puta e eu faria de novo”. A atriz, todavia, nunca foi indiciada e morreu devido a um câncer na garganta, em 1995.


+Saiba mais sobre o tema através dos livros abaixo

American Legends: The Life of Lana Turner, de Charles River Editors (2018) - https://amzn.to/37tlzj2

Lana Turner, de Darwin Porter e Danforth Prince (2017) - https://amzn.to/2OWztnx

Lady Killers, de Tori Telfer (2019) - https://amzn.to/31Uc6jT

De frente com o serial killer, de Mark Olshaker e John E. Douglas (2019) - https://amzn.to/2SEuTv6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

 Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W