Matérias » Monarquia

Queima de arquivo do trono inglês: o suspeito desaparecimento dos Príncipes da Torre

O sumiço das crianças era muito conveniente para aqueles interessados em liderar a Inglaterra no século 15

Vanessa Centamori Publicado em 03/05/2020, às 07h00 - Atualizado às 08h00

Edward e Richard, os príncipes da torre
Edward e Richard, os príncipes da torre - Wikimedia Commons

O herdeiro do trono inglês, Edward, tinha apenas 12 anos de idade quando foi preso na Torre de Londres com seu irmão de 9 anos, Richard, o duque de York. As crianças tinham acabado de perder o pai, o rei Edward IV, que morreu por causas desconhecidas — e até hoje misteriosas —, em 9 de abril de 1483. 

Apesar de estarem entristecidos pelo óbito, enquanto subiam as escadas, os irmãos não suspeitavam que nada pior pudesse acontecer. Afinal, tradicionalmente, era na luxuosa Torre de Londres que os monarcas passavam a noite antes de sua coroação. Isso acontecia desde o século 14. Então, para o pequeno garoto que assumiria o trono como Edward V, a reclusão não era nada demais. 

Todavia, ele deveria, sim, se preocupar. O príncipe e o irmão nunca mais retornariam da torre com vida e Edward jamais se tornaria rei. O designado para cuidar das crianças na ocasião era o tio deles, Richard, o duque de Gloucester.

O próprio familiar tinha que tutelar o pequeno herdeiro até ele ter idade para assumir o trono. Mas, o tio tinha vários motivos para querer ver os sobrinhos mortos. 

Os príncipes da torre / Crédito; Wikimedia Commons 

 

O golpe 

O duque de Gloucester não queria perder a chance de ser rei da Inglaterra. Alegou ao parlamento inglês que o falecido irmão, o velho rei Edward IV, já havia se casado com Eleanor Talbot antes mesmo de fechar laços matrimoniais com a rainha Elizabeth Woodville. Por isso, os príncipes da torre seriam ambos bastardos. 

Os nobres ingleses concordaram com a teoria do tio dos meninos. Então, ele assumiu o trono da Inglaterra, em julho de 1483, sendo coroado como rei Richard III. 

O tio dos meninos, Richard, o duque de Gloucester / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Sumiço misterioso

Enquanto a troca de poderes ocorria na esfera política real, o frade italiano Dominic Mancici visitava a Inglaterra naquela década de 1480. Foi ele quem fez um dos últimos registros do príncipe Edward e de seu irmão. O documento do padre está disponivel na Biblioteca Municipal de Lille, na França.  

Segundo o relato do frei, logo após Ricardo III assumir a liderança na Inglaterra, as crianças foram realocadas para "apartamentos internos da Torre". Assim, os garotos foram vistos então cada vez menos até sumirem de vez. 

Parecia ser algo conveniente demais para Ricardo III. Sem a existência dos príncipes da torre, quase não havia chance dele ser destronado. A população rapidamente começaria a suspeitar que os meninos, na realidade, foram assassinados por asfixia pelo próprio tio. 

Descobertas posteriores 

Conforme relatou o jornal The Independent, séculos depois, em 1674, operários descobriram dois esqueletos na base de uma das escadas da Torre de Londres. Carlos II, que governava a Inglaterra na época, aceitou oficialmente a teoria de que esses eram os restos mortais dos príncipes desaparecidos.

Os ossos foram enterrados na abadia de Westminster. O monarca acreditava que aqueles esqueletos eram de fato dos irmãos Edward e Richard, devido ao livro de Sir Thomas More, História de Ricardo III, escrito mais de um século antes do encontros das ossadas.

A obra, muito dramática, afirmava que os dois sobrinhos foram mortos por ordens do tio, que solicitou o extermínio das crianças enquanto dormiam em suas camas. Enterrar os corpos depois na escada seria modo de cimentar o domínio de Richard III no trono. Porém, tal versão foi depois contestada por historiadores. 
 
Os príncipes da torre dormindo antes do assassinato / Crédito: Wikimedia Commons 
 

Alguns pesquisadores argumentam que, se realmente Richard queria eliminar seus pequenos rivais, ele teria os colocado mortos em exibição pública e não os matado em sigilo.

Outra possibilidade para explicar o assassinato deles era que os garotos foram eliminados por um outro personagem: Henry VII. Esse último acabou assumindo o trono inglês logo após Richard III, iniciando uma nova dinastia, a Tudor.

A questão é que Henry pegou a coroa à força: matou o tio dos príncipes da torre na Batalha de Bosworth Field, em agosto de 1485. Aquela disputa deu fim na Guerra das Rosas, na qual Edward IV também estava envolvido.

Se os príncipes estivessem vivos quando Henry venceu a guerra, certamente as crianças seriam uma pedra no meio do caminho que o separaria de assumir a coroa inglesa. Tê-los já mortos foi lucro. 

Mas a verdade é que não há confirmação se foi Henry VII quem matou os príncipes. Ou se o culpado é mesmo o tio dos meninos (esse foi até descrito por William Shakespeare como um vilão). O crime ainda permanece um mistério e tanto na história da monarquia inglesa. 


+Saiba mais sobre o tema por meio das obras da Amazon:

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7