Matérias » União Soviética

Quem foi o último líder da União Soviética?

Gorbachev, responsável pela glasnost e perestroika, deixou o poder em 1991

Paola Orlovas, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 12/12/2021, às 09h00

Mikhail Gorbachev, oitavo e último líder da União Soviética
Mikhail Gorbachev, oitavo e último líder da União Soviética - Getty Images

Nascido no dia 2 de março de 1931, em uma aldeia da região agrícola de Stavropol, chamada Privolnoye, Mikhail Sergeyevich Gorbachev, que mais tarde ficou conhecido como o oitavo e último líder da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, e como responsável pelas políticas de glasnost e perestroika.

De origem humilde, Mikhail Gorbachev nasceu filho de uma dona de casa e um motorista, e com apenas dez anos de idade testemunhou a invasão da região em que morava pelo exército nazista, e não demorou muito para que seu pai fosse convocado pelo Exército Vermelho para lutar no front de batalha, onde passou quatro anos lutando.

Gorbachev ingressou na Liga Comunista da Juventude aos catorze anos de idade, e se tornou membro do Partido Comunista em 1952, dois anos depois de entrar na Universidade de Moscou, onde cursou Direito. Na faculdade, conheceu Raisa Titarenko, com quem se casou apenas um ano mais tarde, em 1953.

Em 1955, ao terminar a faculdade, se tornou promotor na região em que nasceu, Stavropol, mas rapidamente percebeu que não gostaria de permanecer ali, e buscou por novas oportunidades, conseguindo um cargo em Komsomol, onde passou a ajudar trabalhadores rurais a conseguirem contatos externos. 

Alguns anos mais tarde, em 1961, enquanto crescia dentro do Partido e já assumia o cargo de Secretário Regional de Komsomol, Gorbachev se matricula no Instituto de Agricultura de Stavropol, onde estuda Produção Agrícola. Em 1978, sua especialização faria com que fosse considerado para o cargo de Secretário de Agricultura do Comitê Central do Partido.

Dois anos depois, em 1980, Mikhail Gorbachev se tornou membro do Comitê Executivo do Partido Comunista da União Soviética, onde trabalhou com diversas figuras importantes do país. Com a morte de Konstantin Chernenko em março de 1985, se torna líder do Partido e da União Soviética.

Quando assume o cargo, Gorbachev tem a intenção de mudar a forma como o Partido liderava o país, e por isso cria as políticas de glasnost ou “transparência” e a perestroika, ou “reestruturação”. Enquanto a perestroika servia para melhorar a gestão econômica dentro da União Soviética, a glasnost buscou acabar com a censura e aumentar a liberdade de expressão dentro do país.

Além disso, o líder buscou mudar as posturas da União Soviética no âmbito internacional, se distanciando de práticas imperialistas, criando acordos comerciais, se aproximando do Ocidente e fazendo grandes esforços para acabar com a Guerra Fria, o que lhe rendeu um Prêmio Nobel da Paz em 1990. 

No entanto, suas políticas e atitudes, combinadas com outros acontecimentos durante sua administração, como o desastre de Chernobyl, geraram tensões internas dentro do Partido e entre a população soviética: as reformas não agradaram a todos e a confiança no regime estava diminuindo.

Em 19 de agosto do ano de 1991, um grupo conservador, que levava o nome de “linha dura”, afastou Gorbachev do poder em uma tentativa de golpe de Estado, ocupando pontos estratégicos da cidade de Moscou com tanques de guerra. O golpe fracassou, e Mikhail Gorbachev voltou para a cidade em 22 de agosto.

Apenas uma semana depois, no dia 29 de agosto, o Soviete Supremo da União Soviética, a mais alta instância do poder Legislativo do país, proibiu a atuação do Partido Comunista em todo o território soviético, e os dias da nação chegariam ao seu fim meses mais tarde.

Gorbachev tentou manter a União Soviética durante certo tempo, até que a CEI (Comunidade dos Estados Independentes), que contava com a Rússia, Ucrânia e Belarus, foi criada pelos presidentes desses países em dezembro de 1991, e a Rússia passou a ocupar o lugar da União Soviética na ONU.

No dia 25 de dezembro de 1991, Mikhail Gorbachev renunciou ao seu cargo de presidente da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, e ali morreu o país.