Matérias » Pré-História

Reconstrução facial de mulher de 7 mil anos revela traços surpreendentes

Pertencente aos últimos caçadores-coletores da Europa, mulher era a possível xamã de seu povo

Joseane Pereira Publicado em 17/11/2019, às 08h00

Reconstrução de xamã do Mesolítico
Reconstrução de xamã do Mesolítico - Gert Germeraad/Trelleborgs Museum

Feições de uma mulher morta há cerca de 7 mil anos, no período Mesolítico, foram recriadas graças às técnicas de reconstrução facial. Encontrada em um cemitério em Skateholm, na Suécia, acredita-se que ela tenha pertencido aos últimos grupos caçadores-coletores da Europa.

De acordo com os testes, ela tinha entre 30 e 40 anos quando faleceu. Segundo o Museu Trelleborg, que armazena seus restos mortais, a mulher foi enterrada sentada de pernas cruzadas em torno de chifres de veado, com um cinto feito dos dentes de 130 animais. Como outros povos escandinavos da época, ela tinha pele escura e olhos claros, e os objetos encontrados indicam que seria a xamã de seu povo.

Crédito: Gert Germeraad/Trelleborgs Museum

 

Segundo Oscar Nilson, arqueólogo especialista em reconstruções faciais que criou o modelo em 3D, “o rosto humano é um motivo que nunca deixa de me fascinar: a variação da estrutura subjacente e a variedade de detalhes parecem infinitas".

Acredita-se que as comunidades do local não adotaram a agricultura por opção própria, pois o estilo de vida caçador-coletor atendia às suas necessidades. A reconstrução facial será revelada em breve no Museu Trelleborg, em uma exposição permanente intitulada "Eye to Eye" que contará com outras recriações dos enterros de Skateholm.