Matérias » EUA

Relembre o caso da pastora que morreu de covid-19 ao acreditar que doença era uma farsa

A mulher e seu marido acreditaram em notícias falsas, o que resultou na morte da religiosa no ano de 2020

Redação Publicado em 27/02/2022, às 09h00

O casal em fotografia tirada antes da pandemia
O casal em fotografia tirada antes da pandemia - Divulgação / Facebook

Enquanto milhares de pessoas perdiam suas vidas ou sofriam com a perda de familiares em razão da Covid-19, em meados de 2020, outras tantas se recusavam a seguir os conselhos de saúde que visavam evitar o contágio nos EUA.

Na época, não foram poucos os cidadãos norte-americanos que se voltaram contra o uso obrigatório de máscaras ou que se negaram a acreditar na letalidade do vírus. E, como se não bastasse, houve ainda aqueles que acreditaram em bizarras teorias da conspiração.

Foi o caso do taxista Brian Lee Hitchens e de sua esposa, a pastora Erin. Moradores da Flórida, eles pagaram um preço muito alto por acreditarem em notícias falsas durante a pandemia de Covid-19.

O ex-presidente Donald Trump fez comentários negacionistas durante o período em que esteve no cargo / Crédito: Getty Images

Teorias da conspiração

Sem dar ouvidos às autoridades médicas, Brian e Erin preferiram acreditar nas teorias da conspiração às quais tinham acesso na internet, como a que afirma que a Covid-19 não passaria de uma farsa ligada às redes de internet 5G. Ignorando as orientações de saúde, ambos acabaram contraindo o vírus no mês de maio daquele ano e precisaram ser hospitalizados.

"Achávamos que o governo estava usando a covid-19 para desviar nossa atenção ou que tivesse a ver com o 5G", afirmou Brian Lee Hitches em declaração dada à BBC. "Daí, não seguimos as regras nem procuramos ajuda antes", disse ele enquanto se recuperava no hospital.

Profissional da saúde durante a pandemia de Covid-19 / Crédito: Getty Images

A verdade sobre a doença

Contudo, enquanto Brian se recuperava, a pastora, que tinha 46 anos, acabou ficando em estado grave. Infelizmente, Erin, quem tinha asma e distúrbio do sono, acabou falecendo tempos depois, no início de agosto, em razão de problemas cardíacos relacionados ao vírus.

Após a morte da esposa, Brian concedeu uma nova entrevista à BBC News, na qual se arrependeu de seu posicionamento durante a pandemia. Ele declarou, na ocasião, que "desejava ter acreditado (na gravidade da doença) desde o início" e que espera que Erin o perdoe.

Ao final da entrevista, o norte-americano alertou: "Este é um vírus real que afeta as pessoas de maneiras diferentes. Não posso mudar o passado, só posso viver hoje e fazer melhores escolhas para o futuro".