Matérias » Brasil

Requinte francês e disputas: conheça o centenário casarão abandonado da Avenida Paulista

Os herdeiros do barão do café, Joaquim Franco de Mello, que construiu o local à moda francesa, se envolveram em entraves jurídicos após o tombamento do imóvel

Vanessa Centamori Publicado em 04/04/2020, às 17h00

Palacete Joaquim Franco de Mello ( casarão abandonado da Paulista)
Palacete Joaquim Franco de Mello ( casarão abandonado da Paulista) - Wikimedia Commons

O Palacete Joaquim Franco de Mello tem fama de ser mal assombrado e disperta muita curiosidade nos transeuntes que passam na Avenida Paulista, em São Paulo. Acontece que o local, que fica no número 1919 da avenida, tem uma histórica muito rica. Isso se nota só de ver a sua fachada imponente, de arquitetura típica da Belle Époque francesa.

As influências da França são provenientes também do período do rei Luís XV e marcam os enfeites e o caixilho das janelas, além de uma janela de telhado renascentista. Mais conhecido como o Casarão Abandonado da Paulista, o edifício data de 1905.

Naquela época, a região da atual avenida ainda era palco para a alta sociedade - lá estavam as elegantes e grandiosas mansões dos barões do café, além de indústrias de comerciantes paulistanos. 

Naquela imensidão de mansões, o casarão foi erguido, graças ao português Antônio Fernandes Pinto. Porém, o construtor ficou insatisfeito e foi até a França, buscar um arquiteto que pudesse refazer o imóvel a seu gosto. 

Número do Palacete Joaquim Franco de Mello / Crédito: Wikimedia Commons 

 

O projeto ganha vida

A mansão acabou sendo reinaugurada em 1912. Em 1921, o local passou por mais uma reforma e foi ampliado, chegando a ter 35 cômodos diferentes espalhados por 600m² de área. 

Na década de 1930, passou a morar no casarão a família Franco de Mello, composta pelo coronel e rico agricultor, Joaquim, e sua esposa, Lavínia, além de seus  três filhos Raul, Raphael e Rubens Franco de Mello. 

Detalhe da arquitetura do Palacete Joaquim Franco de Mello / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Tombamento 

O prédio onde viveram os Franco de Mello foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico de São Paulo em 1992. A família não gostou nenhum pouco da decisão. Alegou que o tombamento desvalorizou o imóvel. Assim, a rica família exigiu na Justiça a expropriação do terreno. 

Janela do Palacete Joaquim Franco de Mello / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Herdeiro reivindica seu espaço

Após se envolver na disputa judicial, e antes mesmo de qualquer decisão sair na justiça, Renato Franco de Mello, neto do barão do café que contruiu o imóvel, resolveu se mudar para a mansão em 2010.

Em 2012, o governo estadual acabou sendo condenado a pagar aos herdeiros Franco de Mello uma indenização de 110 milhões de reais. No entanto, o valor nunca foi quitado. E enquanto o dinheiro não era pago, o herdeiro não quis deixar o imóvel. 

 “Eu sou o único herdeiro que gosta de coisa velha, então me pediram para morar aqui”, explicou. “É para evitar que o palacete seja invadido pelos sem-teto. Já pensou?”, contou Renato, à Revista Piauí

O homem vivia dos lucros de um terreno da família, a fazenda Primavera, nos arredores de Araçatuba. Porém, em 2002, a fazenda foi desapropriada pelo governo federal para fins de reforma agrária. 

Renato divida então o casarão da Paulista com seus caseiros. Como não tinha dinheiro para pagá-los, permitia que eles vivessem lá em troca do trabalho que faziam na casa. Desde então, esporadicamente, ele promoveu feiras de arte e eventos como feiras de adoção para animais. 

Palacete Joaquim Franco de Mello / Crédito: Wikimedia Commons 

 

No dia 5 de fevereiro de 2019, o herdeiro morreu por complicações de um câncer, que ele já lutava contra por mais de um ano. Foi enterrado no Cemitério do Araçá, na Zona Oeste de São Paulo.

Após sua morte, a família do herdeiro teve enorme dificuldade de manter o casarão. Entraves jurídicos e a falta de iniciativa do governo para assumir o imóvel, tornou-se um problema. Os familiares alegam que isso dificultou um melhor aproveitamento e a preservação do local. 

Palacete Joaquim Franco de Mello, na Avenida Paulista / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Novo espaço

Finalmente, no começo deste ano, foi anunciado que o espaço irá passar por uma nova reforma, que manterá suas características históricas. A ideia é transformar o casarão abandonado da Paulista em um espaço cultural, com foco em um museu de ciência. 

A empreitada será financiada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), por meio do SESI, em uma parceria com o Governo do Estado de São Paulo. O nome do novo espaço ainda não foi divulgado. 

O que se sabe é que ele irá oferecer muitos recursos tecnológicos para os futuros visitantes, e será inspirado no Exploratorium, laboratório público na cidade de São Francisco, nos EUA.


+Saiba mais sobre o tema por meio das obras da Amazon:

Brasil: Uma Biografia, de Lilia Moritz Schwarcz e Heloisa Murgel Starling (2015) - https://amzn.to/2wQOzVD

Elevador 16 (As Crônicas dos Mortos), de Rodrigo de Oliveira (2014) - https://amzn.to/2Ijay9X

Quando Ela Desaparecer, de Victor Bonini (2019) - https://amzn.to/2VJujPY

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W