Matérias » Brasil

Revolução Acreana, a disputa esquecida pelo território do Acre

Após tantos conflitos, foi na mesa de negociação que a competição histórica entre Brasil e Bolívia foi finalmente concretizada

Ricardo Lobato Publicado em 14/02/2021, às 11h00

Plácido de Castro em meio a soldados do Estado Maior Acreano
Plácido de Castro em meio a soldados do Estado Maior Acreano - Wikimedia Commons

Barões da borracha, imigrantes nordestinos, uma companhia americana, um aventureiro espanhol, um militar em busca de glórias e um barão diplomata são alguns dos personagens de um dos mais curiosos capítulos da história brasileira: a Revolução Acreana.

O episódio em questão compreende três conflitos distintos, que culminaram com a anexação do estado do Acre ao território brasileiro. Na virada do século 19 para o 20, auge da segunda Revolução Industrial, um simples produto fez com que uma região até então esquecida se tornasse o centro de um conflito internacional.

Bolívia e Brasil se viram no meio de uma série de contenciosos motivados pela extração do látex, matéria-prima da borracha. Desde os anos 1880, a região que compreende o atual estado do Acre, à época pertencente à Bolívia, era povoada por colonos brasileiros – muitos haviam emigrado do Nordeste em busca de melhores condições de vida.

Em 1899, o governo boliviano decidiu instalar um posto de alfândega em Puerto Alonso (atual Porto Acre). Tal decisão levou a uma revolta da parte dos colonos. Ramalho Júnior, governador do Amazonas, apoiou os revoltosos enviando uma expedição comandada pelo jornalista e aventureiro espanhol, Luis Galvéz.

Soldados durante o conflito / Crédito: Wikimedia Commons

 

A economia do estado dependia fortemente da exportação do “ouro branco”. Apoiado pelos barões da borracha brasileiros, Galvéz proclamou a primeira República do Acre. Esta teve vida curta, pois o governo brasileiro, buscando manter a paz com a Bolívia, não reconheceu a região autônoma. Todavia, durante sua curta existência, foram descobertos planos do governo boliviano de arrendamento do Acre para uma companhia privada dos EUA.

A existência de tal acordo, que contava ainda com ajuda militar dos EUA em caso de um contencioso com o Brasil, fez com que as opiniões dos dignitários brasileiros sobre a posse de terra mudassem.

Em novembro de 1900, contando com a bênção do novo governador do Amazonas, Silvério Neri, um grupo de brasileiros proclamou a segunda República do Acre. A Bolívia retaliou, enviando uma força militar para a região. Sem armamento e munição adequados, apenas um mês após sua criação, foi posto fim à segunda tentativa de independência do Acre. Mas não às escaramuças entre brasileiros e bolivianos.

Em 1902, sob o comando do militar Plácido de Castro, um veterano da Revolução Federalista, as forças brasileiras fizeram uma nova investida. Mesmo não sendo uma tropa regular do governo, os brasileiros alcançaram importantes vitórias. Financiados pelo dinheiro da borracha, e agora organizados e treinados, as forças de Plácido proclamaram em 1903 a terceira República do Acre.

Conflito na Revolução Acreana / Crédito: Wikimedia Commons

 

Para suprimir a revolta, o general Pando, presidente da Bolívia, comandou pessoalmente as tropas, mas o governo brasileiro agiu rápido. Além de mandar as Forças Armadas para a região, entrou em cena a diplomacia do Barão do Rio Branco. O chanceler brasileiro conseguiu uma saída negociada para a situação.

Sem o apoio dos EUA – a Bolivian Trading Co. foi contemplada nas negociações –, a Bolívia aceitou trocar o Acre por terras de Mato Grosso, além de uma compensação em milhões de libras esterlinas, mais a promessa de que seria construída uma ferrovia para levar o desenvolvimento à região.

O Tratado de Petrópolis, que garantiu a posse do Acre ao Brasil, foi assinado em 1903. Após tantos conflitos, foi na mesa de negociação que a Revolução Acreana foi finalmente concretizada, levando ao triunfo da diplomacia brasileira.


Ricardo lobato é sociólogo e mestre em economia pela Unb, Oficial da Reserva do Exército Brasileiro e Consultor-Chefe de Política e Estratégia da EQUILIBRIUM – Consultoria, Assessoria e Pesquisa


+Saiba mais sobre temas semelhantes através das obras disponíveis na Amazon

Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco, Luís Cláudio Villafañe G. Santos (E-book) - https://amzn.to/3d13Cif

O evangelho do Barão: Rio Branco e a identidade brasileira, Luís Cláudio Villafañe G. Santos (2012) - https://amzn.to/3735T8X

A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016, Rubens Ricupero (2017) - https://amzn.to/3rKlq5F

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W