Matérias » Hollywood

A saga de Mae West: atriz que falava abertamente sobre sexo em Hollywood

A mulher atingiu o ápice de sua carreira quando já estava mais velha, mas, isso não impediu que ela se tornasse o Sex Symbol lembrado até hoje

Penélope Coelho Publicado em 19/04/2020, às 09h00

Mae West em 1932
Mae West em 1932 - Wikimedia Commons

Durante dias e horas Mae West, passava suas tardes trabalhando como costureira. No entanto, ela sempre teve um sonho: o de brilhar nos palcos e seguir a carreira de atriz, com a desaprovação dos pais, ela não teve outra opção a não ser fazer um trabalho regular, por um tempo. Mae era tudo, menos comum.

Mais velha de três irmãos, era a filha favorita, nascida em 17 de agosto de 1892, no Brooklyn, Nova York. Sua criação sempre foi diferente, fora dos métodos vitorianos tradicionais para as crianças da época.

Ela era bem humorada e seus pais nunca a puniram severamente como era de costume. West era uma garota divertida, começou a mostrar os primeiros sinais artísticos aos três anos de idade, imitando familiares e amigos na sala de casa.

O sonho de ser atriz ficou guardado dentro da mulher por muitos anos, por isso, ela decidiu largar seu trabalho convencional de costureira sem a autorização dos pais, para dar os primeiros passos para uma carreira artística, sempre mirando no show business.

Mae West em produção artística no ano de 1936 / Crédito: Wikimedia Commons

 

O início

Em 1907, Mae, aos 14 anos atingiu seu objetivo e começou a se apresentar profissionalmente em Vaudeville, na Hal Claredon Stock Company. A garota fazia um gênero de entretenimento famoso nos Estados Unidos e Canadá no início dos anos 1880.

Quando seus pais perceberam seu talento, logo se renderam e começaram a apoiá-la. Sua mãe fez todas as suas fantasias, treinou em ensaios, administrou seu dinheiro e contratos, virando sua empresária.

Um mar de polêmicas

Já um pouco mais velha, Mae tinha se tornado uma mulher atraente. Ela dançava, cantava, atuava e escrevia suas próprias peças - inicialmente usando o pseudônimo Jane Mast. Era livre demais para sociedade em que vivia, sendo constantemente criticada. O auge para Mae aconteceu no ano de 1926, quando ela finalmente conseguiu levar sua primeira peça inteira para a Broadway.

Intitulada Sex, a produção de 1926 era de sua autoria e narrava a história de uma prostituta de Nova York. O texto e a maneira com que West se portava no palco, era bem diferente do usual, e os jornais se negaram a falar sobre a peça.

Mesmo assim, foi um grande sucesso: o espetáculo teve 375 apresentações com a casa lotada, até que a Sociedade para a Supressão do Vício de Nova York tirou a peça de cartaz, depois de muita insistência. Para piorar a situação de Mae, ela ainda foi presa por oito dias, acusada de corromper a juventude.

Isso não fez com que a atriz sentisse medo, ou, quisesse parar, muito pelo contrário. Sua próxima peça Drag viria alguns anos depois e tratava de assuntos como sexualidade e homossexualidade, em uma época extremamente conservadora, por isso, foi muito criticada e não chegou a ser produzida em Nova York.

A mulher dos olhos de Hollywood

Mae West só chamou a atenção dos grandes produtores de cinema anos depois, em 1932, quando já era um nome polêmico e consagrado no teatro, ela recebeu uma proposta de contrato com Paramount Pictures. Aos 38 anos, poderia ter sido considerada velha demais para ser uma sexy symbol, mas, não foi bem isso que aconteceu. O primeiro filme em que Mae apareceu foi Night After Night, de 1932.

No filme de 1933, She Done Him Wrong, Mae West viveu a personagem Diamond Lil, o longa chegou a ser indicado ao Oscar. Desde então, ela não parou mais no mundo dos filmes. Famosa por papéis com grande apelo sexual nas telonas, a mulher foi desejada por muitos americanos. Suas fotos estavam em todos os lugares: dentro dos quartéis, penduradas em caminhões.

Mae West em 1973 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Entretanto, sua liberdade sexual incomodava, por isso, diversos roteiros da autora passaram por censura. A atriz, no entanto, respondia aos comentários como de costume: aumentava o número de piadas implícitas, confundido a represália.

Em 1954, ela fez sua última peça revivendo seus primeiros anos no teatro, a atriz sentiu que depois disso era hora de se aposentar. Seu legado de mulher forte e decidida é eterno e abriu muitas portas para outras atrizes e cantoras da época, alterando o cenário artístico que conhecemos hoje.

Em agosto de 1980, West tropeçou ao sair da cama. Ela não conseguiu falar e foi levada para um Hospital em Los Angeles, onde testes revelaram que havia sofrido um derrame. O ícone morreu em 22 de novembro de 1980, aos 87 anos de idade. Por sua imensa contribuição ao cinema e teatro, a atriz ganhou uma estrela na calçada da fama. 


++Saiba mais sobre o tema por meio das obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

Norman Mailer/bert Stern. Marilyn Monroe (Edição Espanhol), de Norman Mailer e Bert Stern (2018) - https://amzn.to/2woaxPX

Uma Noite com Marilyn Monroe, de Lucy Holliday (2016) - https://amzn.to/2xY5Jkv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du